inova.jor

inova.jor

Como gerenciar a segurança da informação na sua empresa

Serviços gerenciados de segurança prometem custo menor e mais eficiência / Renato Cruz/inova.jor
Serviços gerenciados de segurança prometem custo menor e mais eficiência / Renato Cruz/inova.jor

Manter a segurança de tecnologia da informação é um desafio cada vez mais complexo.  Trata-se de uma área extremamente especializada, em que existe um déficit mundial de cerca de 1 milhão de profissionais.

“A necessidade do mercado é enorme”, afirma Rogério Reis, diretor de Operações da Arcon. “E não há especialistas suficientes para que todas as empresas tenham boas equipes.”

A oferta de serviços gerenciados de segurança é a principal aposta da Arcon. A empresa conta com dois centros de operações que protegem cerca de 600 mil máquinas, pertencentes a 80 clientes.

“O modelo é totalmente remoto, com especialistas disponíveis 24 horas por dia”, explica Reis.

A situação econômica do País fez com que algumas empresas atrasassem seus projetos de segurança.

O modelo de serviços gerenciados permite a retomada de projetos sem a necessidade de um grande investimento inicial.

“Apesar dos gastos menores, o principal diferencial é o valor agregado que o serviço proporciona”, afirma Reis. “A equipe própria de uma empresa conhece somente aquele ambiente. Nossos especialistas têm uma visão abrangente do mercado.”

Detecção e resposta

Atualmente, as ameaças digitais são bastante diversificadas. “Um grande vetor de ataque são os malwares”, afirma o diretor da Arcon. “Há cinco anos, os criminosos tinham diversas motivações. Hoje, elas são 100% financeiras.”

Reis destaca que trabalhar para prevenir incidentes não é suficiente. Também é necessário estar preparado para detectar ataques e para reagir rapidamente a eles.

“Temos uma capacidade enorme de detecção e resposta”, explica. “Esse é um grande diferencial da Arcon e da NEC.”

Em agosto, NEC anunciou a compra de 75% da brasileira Arcon, por R$ 60 milhões. O objetivo foi completar com serviços de cibersegurança as soluções da multinacional japonesa de segurança física, que incluem, por exemplo, sistemas de biometria.

“Esse processo está somente no início”, afirma o executivo.

O mercado latino-americano de serviços gerenciados de segurança movimentou US$ 482,5 milhões em 2014, segundo a consultoria Frost & Sullivan.

A previsão para 2020 é que esse montante alcance US$ 1,25 bilhão. O mercado brasileiro equivale a aproximadamente 45% do total.

Ganhos de produtividade

Um dos clientes da Arcon é o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP). A empresa instalou o centro de segurança que funciona no próprio tribunal, sendo responsável por sua operação.

O TJSP tem 21 milhões de processos em andamento, o que corresponde a 42% do total do País.

Em 60 dias de operação, os serviços gerenciados de segurança resultaram em:

  • Aumento de 60% da produtividade;
  • Redução de gastos com recursos de tecnologia da informação, resultante do monitoramento da infraestrutura; e
  • Bloqueio de ameaças vindas por e-mail, equivalentes a cerca de 90% do volume total.

Outro cliente é o Grupo JBS, líder mundial no processamento de carnes. A Arcon foi contratada para melhorar a comunicação entre a matriz e suas quase 100 unidades em todo o Brasil.

O projeto beneficiou cerca de 50 mil colaboradores, e permitiu taxas de até 70% em economia da capacidade dos links de comunicação.

Arquivos no formato PDF que demoravam três minutos para serem baixados passaram a estar disponíveis em 10 segundos.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Mike Gregoire, da CA Technologies, afirma que empresa precisam atualmente ser 'feitas para mudar' / Renato Cruz/inova.jor

CA: ‘Toda empresa é uma empresa de software’

LAS VEGAS O relacionamento de uma empresa com seus clientes e fornecedores está cada vez mais digital. Por causa disso, os processos internos da companhia também precisam estar integrados via software. “Estamos no amanhecer da quarta revolução industrial, que é movida a software”, afirmou Mike Gregoire, presidente executivo da CA[…]

Leia mais »
Telefonia móvel acabou se tornando responsável pela universalização das telecomunicações / Geraldo Magela/Agência Senado

Expansão do setor melhora a competitividade

As telecomunicações são ferramentas essenciais para a inovação em todos os setores da economia, e as empresas brasileiras encontram-se num momento em que precisam aumentar sua capacidade de competir no cenário mundial. Na edição mais recente do Relatório de Competitividade Global, do Fórum Econômico Mundial, o Brasil caiu seis posições e[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami