inova.jor

inova.jor

Como gerenciar a segurança da informação na sua empresa

Serviços gerenciados de segurança prometem custo menor e mais eficiência / Renato Cruz/inova.jor
Serviços gerenciados de segurança prometem custo menor e mais eficiência / Renato Cruz/inova.jor

Manter a segurança de tecnologia da informação é um desafio cada vez mais complexo.  Trata-se de uma área extremamente especializada, em que existe um déficit mundial de cerca de 1 milhão de profissionais.

“A necessidade do mercado é enorme”, afirma Rogério Reis, diretor de Operações da Arcon. “E não há especialistas suficientes para que todas as empresas tenham boas equipes.”

A oferta de serviços gerenciados de segurança é a principal aposta da Arcon. A empresa conta com dois centros de operações que protegem cerca de 600 mil máquinas, pertencentes a 80 clientes.

“O modelo é totalmente remoto, com especialistas disponíveis 24 horas por dia”, explica Reis.

A situação econômica do País fez com que algumas empresas atrasassem seus projetos de segurança.

O modelo de serviços gerenciados permite a retomada de projetos sem a necessidade de um grande investimento inicial.

“Apesar dos gastos menores, o principal diferencial é o valor agregado que o serviço proporciona”, afirma Reis. “A equipe própria de uma empresa conhece somente aquele ambiente. Nossos especialistas têm uma visão abrangente do mercado.”

Detecção e resposta

Atualmente, as ameaças digitais são bastante diversificadas. “Um grande vetor de ataque são os malwares”, afirma o diretor da Arcon. “Há cinco anos, os criminosos tinham diversas motivações. Hoje, elas são 100% financeiras.”

Reis destaca que trabalhar para prevenir incidentes não é suficiente. Também é necessário estar preparado para detectar ataques e para reagir rapidamente a eles.

“Temos uma capacidade enorme de detecção e resposta”, explica. “Esse é um grande diferencial da Arcon e da NEC.”

Em agosto, NEC anunciou a compra de 75% da brasileira Arcon, por R$ 60 milhões. O objetivo foi completar com serviços de cibersegurança as soluções da multinacional japonesa de segurança física, que incluem, por exemplo, sistemas de biometria.

“Esse processo está somente no início”, afirma o executivo.

O mercado latino-americano de serviços gerenciados de segurança movimentou US$ 482,5 milhões em 2014, segundo a consultoria Frost & Sullivan.

A previsão para 2020 é que esse montante alcance US$ 1,25 bilhão. O mercado brasileiro equivale a aproximadamente 45% do total.

Ganhos de produtividade

Um dos clientes da Arcon é o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP). A empresa instalou o centro de segurança que funciona no próprio tribunal, sendo responsável por sua operação.

O TJSP tem 21 milhões de processos em andamento, o que corresponde a 42% do total do País.

Em 60 dias de operação, os serviços gerenciados de segurança resultaram em:

  • Aumento de 60% da produtividade;
  • Redução de gastos com recursos de tecnologia da informação, resultante do monitoramento da infraestrutura; e
  • Bloqueio de ameaças vindas por e-mail, equivalentes a cerca de 90% do volume total.

Outro cliente é o Grupo JBS, líder mundial no processamento de carnes. A Arcon foi contratada para melhorar a comunicação entre a matriz e suas quase 100 unidades em todo o Brasil.

O projeto beneficiou cerca de 50 mil colaboradores, e permitiu taxas de até 70% em economia da capacidade dos links de comunicação.

Arquivos no formato PDF que demoravam três minutos para serem baixados passaram a estar disponíveis em 10 segundos.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Ascenty inaugurou seu quinto data center, sendo o primeiro na cidade de São Paulo / Divulgação

Cresce o investimento em data centers no Brasil

O mercado brasileiro de data centers tem recebido investimentos importantes. A Ascenty e a Equinix inauguraram unidades neste mês, enquanto a Odata espera colocar em operação seu primeiro centro em abril. Mesmo com a queda de 3,6% da economia brasileira no ano passado, os centros de dados são um mercado que cresce.[…]

Leia mais »
A Neurotech usa o reconhecimento facial para combater fraudes no varejo / Divulgação

Reconhecimento facial pode ser usado até em pagamentos

Grandes varejistas são vítimas de tentativas diárias de fraude. Com documentos falsos, criminosos tentam tirar cartões de crédito ou conseguir crediários. Segundo Wagner Coppede Jr., diretor de Soluções e Engenharia da NEC no Brasil, são registradas em média 5 mil tentativas diárias de fraude em lojas brasileiras. Para combater esse[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami