inova.jor

inova.jor

Governo estuda criar ‘Bolsa Banda Larga’

Banda larga: O secretário de telecomunicações da MCTIC, André Borges, afirma que é prioridade do governo parceria com setor privado / Foto: Mariana Lima
André Borges, do MCTIC, afirma que parceria com setor privado é prioridade do governo  / Mariana Lima/inova.jor

O governo federal estuda dar subsídio a famílias de baixa renda e voucher de instalação de acesso à internet para pequenas e médias empresas. O projeto faz parte de uma série de medidas em estudo para estimular a banda larga no Brasil.

As afirmações foram dadas por André Borges, secretário de Telecomunicações do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), durante o evento Futurecom, em São Paulo.

Segundo Borges, as premissas de trabalho do MCTIC para os próximos anos são a parceria entre governo e iniciativa privada, o fortalecimento da segurança jurídica do setor e o incentivo a investimentos privados.

“A saída da crise atual depende do fortalecimento da iniciativa privada e do empreendedorismo e estímulo da retomada de investimentos. Por isso, todas as políticas a serem elaboradas e executadas pelo ministério terão por base esses três princípios”, disse o representante do governo.

A expectativa do governo é que os projetos sejam voltados para a expansão de banda larga no País, tendo como base estímulos na oferta e, posteriormente, na demanda.

Entre as ações para estimular a oferta está de alcançar 75% dos municípios brasileiros com rede de transporte de fibra óptica.

Segundo o secretário, atualmente 60% das cidades brasileiras possuem essa infraestrutura. As demais cidades receberão sinal por rádio digital ou satélite.

Serviços móveis

Expandir a cobertura das redes móveis é outro objetivo do governo.

“Temos a intenção de buscar parcerias de empresas privadas com radiofrequência, e que devem cumprir compromissos de abrangência, para fazer o atendimento do 4.443 municípios com menos de 30 mil habitantes já com a tecnologia 4G. Atualmente os editais da Anatel exigem que se coloque apenas tecnologia 3G”, disse Borges.

Além de ampliar a oferta, o governo estuda estimular a demanda, com uma espécie de “Bolsa Banda Larga”. Dar subsídio para a contratação de serviços de banda larga para famílias de baixa renda faz parte desse projeto.

Outra medida é oferecer vouchers para que pequenas e médias empresas consigam ter acesso à internet em zonas comerciais e industriais desatendidas.

O governo conta com a mudança da Lei Geral das Telecomunicações, que ainda está em fase de discussão no Congresso, para financiar o projeto de expansão da banda larga.

Os recursos viriam da transformação do sistema de concessão de telefonia fixa num sistema de autorização. A mudança é uma das principais reivindicações dos empresários de telecomunicações.

“A grande tarefa que teremos nessa gestão será criar um plano sustentável para a expansão da banda larga, que envolve também ações voltadas a revisão do marco regulatório legal e infralegal, no sentido de torná-lo mais flexível e adaptado à realidade fortemente competitiva ao mercado, impondo menos custos às empresas, sem descuidar das principais preocupações regulatórias”, disse o secretário.

Borges adiantou ainda que o governo está realizando parcerias internacionais para discutir a padronização do 5G. Além disso, o MCTIC está elaborando um Plano Nacional de Internet das Coisas, que está em fase de consolidação de ideias.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Tecnologia de smart grid permite manutenção mais eficiente das redes / Divulgação

O que falta para a rede elétrica inteligente decolar no Brasil

A rede inteligente, também chamada de smart grid, torna os serviços de fornecimento de energia elétrica mais eficiente. Equipados com sensores, dispositivos conectados reduzem falhas, fraudes e desperdícios, agilizam a manutenção da rede e permitem a oferta de novos serviços. A AES Eletropaulo instalou seu piloto de smart grid em Barueri. A[…]

Leia mais »
Mollenkopf, da Qualcomm, comparou o lançamento da 5G à chegada da eletricidade / Renato Cruz/inova.jor

CES 2017: O que muda com a chegada da 5G

LAS VEGAS A quinta geração das comunicações móveis (5G) deve apoiar a criação de até 22 milhões de empregos em todo mundo até 2035, segundo Steve Mollenkopf, presidente mundial da Qualcomm. “O lançamento da 5G terá um impacto similar à introdução da eletricidade ou do automóvel”, afirmou Mollenkopf na sexta-feira (6/1),[…]

Leia mais »

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *