inova.jor

inova.jor

Anatel planeja mudar exigências de qualidade de serviço

Anatel: Mudanças nos indicadores de qualidade e tributos foram temas de discussão durante a manhã de hoje na Futurecom / Foto: Mariana Lima
Mudanças nos indicadores de qualidade e tributos foram temas de painel do Futurecom / Mariana Lima/inova.jor

As operadoras de telecomunicações são obrigadas a apresentar mais de uma centena de indicadores técnicos para a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Mesmo assim, a qualidade dos serviços está longe de ser satisfatória para os consumidores.

Por causa disso, a agência estuda adotar novas formas de medir a qualidade do serviço. Somente em maio deste ano, foram registradas mais de 315 milhões reclamações à Anatel sobre telefonia, banda larga e TV por assinatura.

Durante apresentação no Futurecom, Juarez Quadros, novo presidente da Anatel, disse que o regulador estuda maneiras de medir a qualidade a partir da experiência do usuário.

Segundo Quadros, novos indicadores estão sendo criados por especialistas em qualidade percebida. “Queremos que o próprio consumidor avalie a qualidade do serviço”, adiantou.

Atualmente, a medição da qualidade é feita pela Anatel com base em indicadores técnicos pré-estabelecidos. A necessidade de troca desses indicadores é uma reivindicação dos executivos do setor.

“Os indicadores de qualidade são voltados para voz e oneram muito as operadoras”, disse Luiz Alexandre Garcia, presidente do Grupo Algar. “O mercado mudou e os consumidores também. É interessante que exista mudança nesses indicadores”, completou.

Desoneração

A necessidade de revisão de fundos e tributos que incidem sobre as telecomunicações também foi tema de discussão.

André Borges, secretário de Telecomunicações do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), disse que o governo prevê mudanças nos próximos anos.

“Entendo que não deverá acontecer em curto prazo, mas acredito que com a retomada da economia e, consequentemente, com o aumento da arrecadação, a questão tributária seja rediscutida pelo governo. Vamos rever também o marco legislativo dos fundos, principalmente do Fust”, disse.

Segundo o secretário, com a mudança da legislação, o governo pretende usar recursos do Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) para a difusão da banda larga no Brasil.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O aeroporto de Curitiba é um dos pontos com hotspot wi-fi da Linktel / Infraero/Divulgação

Cresce o acesso à internet financiado por publicidade

O que você acha de ver um anúncio para poder navegar na internet de graça? Operadoras de telecomunicações começam a apostar no modelo de publicidade para ampliar suas fontes de receita. Em maio, a Vivo lançou um serviço chamado Data Rewards, em que o cliente do celular tem a opção[…]

Leia mais »
Em janeiro, 105,40 mil pessoas deixaram de ser assinantes de TV paga no Brasil / D. Reichardt / Creative Commons

TV paga perde 105 mil assinantes em janeiro

No mês passado, 105,4 mil pessoas deixaram de ser assinantes de TV paga no Brasil. Os dados são da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Conforme a Anatel, apenas a Oi e a Cabo apresentaram crescimento no número de assinantes no começo do ano. Todos os demais grupos apresentaram baixas e cancelamentos. No[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami