inova.jor

inova.jor

Por que a AT&T decidiu comprar a Time Warner

A HBO, que produz séries como Westworld, pertence à Time Warner, alvo de compra da AT&T / Reprodução
A HBO, que produz séries como Westworld, pertence à Time Warner, alvo de compra da AT&T / Reprodução

Ontem (22/10), a AT&T, maior operadora de telecomunicações dos Estados Unidos, anunciou a compra do grupo de mídia Time Warner, por US$ 85,4 bilhões.

Além do estúdio de cinema dono de franquias como Batman e Harry Potter, a Time Warner controla canais como HBO, CNN e Cartoon Network.

O negócio ainda precisa ser aprovado pelas autoridades regulatórias, o que não deve ser um processo fácil. A principal operação da AT&T no Brasil é a empresa de TV paga Sky.

O anúncio foi feito num momento em que as operadoras de telecomunicações buscam novas fontes de receita, diante da conclusão de que o negócio de conectividade tem se mostrado cada vez menos sustentável.

Uma parte crescente do dinheiro gerado pelas comunicações vão para empresas de internet como Google, Facebook e Netflix, e as companhias de infraestrutura enfrentam dificuldades para remunerar suas redes.

Para fazer frente às gigantes da internet, as operadoras de telecomunicações norte-americanas decidiram verticalizar suas operações e investir em conteúdo.

Outro exemplo desse movimento foi o anúncio em julho da compra do Yahoo pela Verizon, operadora que já é dona da America Online (AOL) e do Huffington Post.

Operações verticais

Segundo estudo da EY, no ano passado, as teles perderam 8% de seu faturamento de voz para os serviços chamados over-the-top (OTTs), prestados via internet.

Entre 2005 e 2012, o volume de chamadas celulares caiu pela metade dos Estados Unidos.

Divisão do mercado de telecomunicações em 2015 / EY

No ano passado, os serviços via internet, conteúdo e publicidade já ficaram com 10% das receitas das telecomunicações.

Na cadeia de valor do setor, essa foi uma das duas únicas áreas que cresceram, ao lado de varejo e distribuição.

O avanço das teles depende hoje da verticalização de suas operações, principalmente em conteúdo e serviços via internet.

Executivos de telecomunicações apontam os serviços de TV e vídeo como os mais promissores para aumentar a receita

Na pesquisa da EY, feita antes do anúncio da aquisição, executivos de telecomunicações apontaram a área de TV e vídeo como a mais promissora para obter crescimento de receitas.

Esse interesse em vídeo de qualidade não é exclusividade das operadoras. Ele é essencial em serviços por assinatura e também valoriza a audiência na venda de publicidade.

Em agosto, o BuzzFeed anunciou suas reestruturação em duas unidades: notícias e entretenimento, ambas com foco na produção de vídeo.

Poder de mercado

A grande questão da fusão entre AT&T e Time Warner é a concentração de poder de mercado, principalmente nos Estados Unidos.

Entidades de defesa do consumidor e concorrentes temem que a nova empresa poderia dificultar o acesso de competidores ao seu conteúdo, ou tornar mais fácil o acesso de consumidores ao conteúdo próprio nas suas redes.

Num momento que empresas como Google e Facebook oferecem facilidades que substituem serviços tradicionais de telecomunicações, as teles veem o conteúdo como um ativo estratégico para enfrentar a competição.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A União Europeia anunciou uma iniciativa para levar banda larga para todas as pessoas e empresas / Groman123/Creative Commons

Setor precisa de novas políticas públicas

Quando a Lei Geral de Telecomunicações (LGT) foi criada, os definidores do marco regulatório estudaram modelos adotados para as telecomunicações em várias partes do mundo. Políticas públicas internacionais de sucesso costumam permear as discussões sobre melhorias no mercado nacional. Numa época de mudanças estruturais e de revisão do modelo regulatório[…]

Leia mais »
Carolina Zarur é a responsável pela Cambly no Brasil / Divulgação

Cambly oferece curso de conversação em inglês por videoconferência

Conversação com nativos da língua inglesa disponíveis na hora e no dia que você quiser. Essa é a promessa da startup norte-americana Cambly, disponível tanto na versão desktop quanto para dispositivos móveis. Para funcionar, basta informar que quer começar a aula, e a startup garante que em questões de segundos[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami