inova.jor

inova.jor

Óculos inteligentes criam teclado virtual no braço do usuário

Durante o Futurecom, a NEC apresentou soluções como os óculos inteligentes ARmKeypad / Renato Cruz/inova.jor
Durante o Futurecom, a NEC apresentou soluções como os óculos inteligentes ARmKeypad / Renato Cruz/inova.jor

Imagine conseguir transformar o próprio braço num teclado virtual, no momento em que quiser, para não precisar carregar equipamentos pesados em trabalhos de campo.

O ARmKeypad, uma solução da NEC que combina óculos inteligentes e um relógio de pulso especial, faz exatamente isso.

A tecnologia foi um dos destaques da empresa durante o Futurecom, evento que aconteceu de 17 a 20 de novembro em São Paulo.

E quais são as principais aplicações dessa tecnologia?

“Na área de cirurgia de hospitais, em que existe risco de infecção, o profissional de saúde não precisa carregar laptop ou bloquinho de papel e caneta. Ele simplesmente está com os óculos, olha para o braço e enxerga todos os comandos de que precisa”, exemplifica Daniel Mirabile, presidente da NEC Brasil.

Outro exemplo é o apoio de trabalhadores em locais como torres ou plataformas de petróleo. “No lugar de carregar uma mochila de ferramentas, o profissional só precisa dos óculos. Ele consegue acionar uma série de comandos pressionando apenas o próprio braço.”

O ARmKeypad ainda é um protótipo. “Esse é um exemplo bastante interessante de que estamos trazendo para o Brasil o que tem de mais avançado tecnologicamente no Japão”, afirma Mirabile.

Virtualização de redes

Para o mercado de telecomunicações, a NEC apresentou soluções de virtualização de redes. Nesse tipo de solução, equipamentos de rede são substituídos por sistemas que rodam em servidores.

Daniel Mirabile destacou a solução de virtualização de banda larga, em que funcionalidades que costumam ficar no roteador instalado na casa do usuário são transferidas para a rede da operadora.

“Com isso, boa parte dos problemas que seriam resolvidos somente com a visita de um técnico pode ser solucionada remotamente”, explica o executivo.

Existem outras vantagens. “Quando as funções são virtualizadas, o sistema consegue identificar o problema antes mesmo do usuário”, afirma Mirabile. “Se existe, por exemplo, um problema de configuração de wi-fi, antes de alguém ligar e reclamar, o sistema percebe, corrige e o usuário nem fica sabendo que teve um problema.”

Com isso, é possível reduzir as ligações ao suporte técnico, que, além de serem custosas para a operadora, muitas vezes incomodam o usuário final.

A solução já está em uso por uma grande operadora no Brasil.

Reconhecimento facial

A NEC apresentou no Futurecom duas aplicações de reconhecimento facial. Uma delas foi de check-in para aeroportos. “O sistema já reconhece o passageiro e faz o check-in automaticamente, sem precisar de documentos ou emissão de papel”, explica o presidente da NEC Brasil. “Isso facilita demais a vida do passageiro.”

Outra aplicação foi a de pagamentos por reconhecimento facial. O usuário cadastra o rosto junto à instituição financeira e consegue pagar contas com o simples olhar para uma câmera. O sistema já está sendo usado no Japão por mais de 5 mil pessoas.

O sistema de reconhecimento facial tem alta acuracidade e tempo de resposta muito curto. Em menos de um segundo, o sistema reconhece a pessoa e processa a aplicação que está sendo usada.

Ele compara parâmetros como distância entre olhos, nariz e boca e, por causa disso, consegue reconhecer alguém mesmo que a pessoa tenha mudado o cabelo ou esteja usando chapéu, barba ou bigode.

No Brasil, a NEC tem entre os clientes de seu sistema de reconhecimento facial a Receita Federal, que o utiliza para o controle de passageiros que desembarcam nos aeroportos internacionais, e a Neurotech, que presta serviço de controle de crédito para grandes varejistas.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A União Europeia anunciou uma iniciativa para levar banda larga para todas as pessoas e empresas / Groman123/Creative Commons

Setor precisa de novas políticas públicas

Quando a Lei Geral de Telecomunicações (LGT) foi criada, os definidores do marco regulatório estudaram modelos adotados para as telecomunicações em várias partes do mundo. Políticas públicas internacionais de sucesso costumam permear as discussões sobre melhorias no mercado nacional. Numa época de mudanças estruturais e de revisão do modelo regulatório[…]

Leia mais »
Campinas usa reconhecimento facial no transporte público / Gui Leite/Creative Commons

Que benefícios a cidade digital traz aos cidadãos

A tecnologia é uma grande aliada das pessoas – tanto na esfera profissional quanto profissional – e, por esse motivo, está totalmente presente no dia a dia das empresas. Com as cidades não é diferente. Existem diversas soluções que podem ser implementadas para oferecer bem-estar aos cidadãos. E não importa[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami