inova.jor

inova.jor

Como está o mercado de relógios inteligentes

Relógios inteligentes: O Pebble tem entre 2,2% e 3,3% de participação de mercado, dependendo do relatório / Jonas Birmé/Creative Commons
O Pebble tem entre 2,2% e 3,3% de participação de mercado, dependendo do relatório / Jonas Birmé/Creative Commons

O mercado de relógios inteligentes cresceu 60% no terceiro trimestre, com vendas de 6,1 milhões de unidades em todo o mundo, segundo a consultoria Canalys.

O resultado é bem diferente do que foi divulgado alguns dias antes por outra consultoria. De acordo com a IDC, o mercado de smartwatches caiu 51,6% no período, para 2,7 milhões de unidades.

Quem tem uma visão pessimista sobre o mercado pode justificá-la com os números da IDC. Quem, por outro lado, quer ser otimista pode usar os dados da Canalys.

A verdade é que o setor de vestíveis como um todo segue como uma incógnita. Os relógios inteligentes ainda são um produto de nicho. Muitos apostam que aplicações de saúde serão responsáveis por massificá-los.

“Ficou evidente que os atuais relógios inteligentes não são para todo mundo”, afirmou, em comunicado, Jitesh Ubrani, analista sênior de pesquisa da IDC.

Daniel Matte, analista da Canalys, não tem tanta certeza: “O desempenho do quarto trimestre será fundamental para avaliar melhor as perspectivas de longo prazo dos modelos melhorados de relógios”.

Participação de mercado

Ambas as consultorias concordam que o Apple Watch lidera o mercado de smartwatches, com 2,8 milhões de unidades vendidas entre julho e setembro (Canalys) ou 1,1 milhão (IDC).

No segundo lugar, a Canalys aponta a Samsung, com 18,3% do mercado, e a IDC a Garmin, com 20,5%. Para a Canalys, a Garmin está em quarto lugar, com 3,2%.

Abaixo, uma comparação das fatias de mercado de cada fabricante de acordo com os dois relatórios:

Canalys IDC
Apple 45,6% 41,3%
Samsung 18,3% 14,4%
Fitbit 17,2%
Garmin 3,2% 20,5%
Lenovo 3,4%
Pebble 2,2% 3,2%
Outros 13,5% 17,2%

 

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Geotecnologias: A Agrotools quer oferecer serviços em nuvem ao pequeno produtor / Secretaria de Agricultura e Abastecimento/Creative Commons

Como as geotecnologias ajudam o agronegócio

Quando estava à frente da Intel Brasil, no ano passado, Fernando Martins anunciou a criação, em parceria com a Jacto, do Centro de Inovação no Agronegócio (CIAg), para aplicar conceitos de big data e internet das coisas ao setor. Martins acaba de assumir a presidência da AgroTools, uma empresa brasileira de[…]

Leia mais »
Depois dos 12 anos, o interesse dos jovens pelos tablets diminui consideravelmente / Steve Paine/Creative Commons

Como o tablet acabou virando coisa de criança

O lançamento do iPad, em 2010, foi acompanhado com um misto de desconfiança e euforia. Enquanto alguns se perguntavam para que as pessoas usariam um tablet, outros achavam que ele tinha potencial para resolver problemas de vários setores da economia (inclusive do jornalismo). A realidade acabou ficando entre esses dois[…]

Leia mais »

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami