inova.jor

inova.jor

Ontário: ‘Inovação é chave para o sucesso dos negócios’

Ontário: O cineasta David Cronenberg observa uma impressora 3D no TIFF Bell Lightbox / George Pimentel/Creative Commons
O cineasta David Cronenberg observa uma impressora 3D no Tiff Bell Lightbox / George Pimentel/Creative Commons

O mercado de tecnologia deve movimentar US$ 54,6 bilhões no Brasil em 2016.

No entanto, ainda precisamos falar sobre a importância da área de pesquisa e desenvolvimento (P&D) para o setor e da necessidade de incentivarmos a inovação no País.

Temos visto que a prática de inovação e investimento em P&D tem sido adotada até por empresas que não possuem o DNA em tecnologia.

As companhias já perceberam que a inovação é chave para o sucesso do negócio.

A província de Ontário, localizada no Canadá, é um dos exemplos dessa tendência. O setor de ciências da vida representa cerca de 51% de todos os gastos do Canadá em P&D.

Outras práticas do mercado canadense podem servir de modelo de inspiração para o avanço de pesquisa e desenvolvimento no Brasil.

A montadora GM, por exemplo, anunciou uma expansão de seu centro de P&D na província canadense para a fabricação de carros autônomos.

A previsão é de contratação de 700 engenheiros para o projeto tecnológico – uma demonstração de que além dos avanços em inovação, P&D tem impacto positivo na geração de empregos.

Fundos para inovação

Todd Barrett, cônsul de Ontário / Divulgação
Todd Barrett, cônsul de Ontário / Divulgação

A integração entre o setor privado e o público é fundamental para a inovação.

Em Ontário são investidos, anualmente, 14 bilhões de dólares canadenses em pesquisa e desenvolvimento e há, ainda, diversos fundos que ajudam empresas a tirarem seus projetos do papel.

Um deles é o Eastern Ontario Development Fund, que desde 2013 investiu cerca de 35 milhões de dólares canadenses para projetos que têm como premissa criar empregos, encorajar inovação e colaboração e desenvolver pólos.

Apesar do cenário de instabilidade econômica, a indústria brasileira prevê investimentos de R$ 6,8 bilhões em P&D para este ano, número 4,9% maior do que os R$ 6,5 bilhões de 2015.

Mas incentivos fiscais são necessários para manter investimentos e crescimento.

Em Ontário, há um programa de incentivo no qual o investidor consegue deduzir, a cada 100 dólares canadenses gastos em pesquisa e desenvolvimento, de 37 a 61 dólares canadenses após impostos.

No Brasil, temos a Lei do Bem, que cria a concessão de incentivos fiscais às pessoas jurídicas que realizarem P&D de inovação tecnológica e concede deduções ou reduções nas alíquotas de IRPJ, CSLL e IPI.

Mas ainda temos pontos a melhorar.

Pesquisa acadêmica

Taxas e incentivos fiscais precisam estar interligados com investimentos em educação, que é ponto-chave para o crescimento da área de inovação.

Criar mecanismos para o profissional exercitar o desenvolvimento de novas tecnologias também no ambiente acadêmico é fundamental.

Na província de Ontário, empresas do setor privado investem em universidades para o desenvolvimento de pesquisas.

Essa parceria torna a força de trabalho mais preparada para criar novas tecnologias e também incentiva o empreendedorismo entre jovens profissionais recém-formados.

Reunir os esforços dos setores privados e públicos, além do investimento em educação, são algumas das alternativas para fortalecer a área de pesquisa e desenvolvimento no mercado brasileiro.

Modelos que são aplicados na América do Norte, como o da província de Ontário, podem servir de inspiração para o Brasil potencializar a inovação.

  • Todd Barrett é cônsul comercial de Ontário

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Regulamentação define que investidor-anjo não será considerado sócio / Andrew Eland

Como foi regulamentada a atividade de investidor-anjo no Brasil

Recentemente publicada, a Lei Complementar nº. 155/2016 trouxe uma série de novidades, como a ampliação do limite da receita bruta anual, para fins de enquadramento como empresa de pequeno de porte, aplicando-se, a partir de 1º de janeiro de 2018, o teto de R$ 4,8 milhões; e, em relação ao microempreendedor[…]

Leia mais »
As fintechs brasileiras receberam investimento de R$ 450 milhões no ano passado / Divulgação

O que explica o sucesso das fintechs no Brasil

O termo fintech se tornou comum, sobretudo para quem circula no mundo da tecnologia. Ele define o segmento das startups que criam inovações na área de serviços financeiros. E, justamente, por ter como base o uso da tecnologia, têm desafiado instituições financeiras tradicionais. Há inclusive quem diga que o fim[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami