inova.jor

inova.jor

Óculos inteligentes podem ser bem diferentes do Google Glass

Os óculos inteligentes Vue parecem normais, mas são equipados com fone, microfone e sensores de movimento / Divulgação
Os óculos inteligentes Vue parecem normais, mas são equipados com fone, microfone e sensores de movimento / Divulgação

O Google Glass foi um projeto que não deu certo. As pessoas ao redor do usuário ficavam incomodadas com a câmera e a bateria durava pouco.

A tecnologia de realidade aumentada, que sobrepunha imagens digitais ao ambiente físico, foi considerada insegura pelas autoridades de trânsito.

Os usuários do Google Glass eram alvo de piadas e chegaram a receber até o apelido de Glassholes.

Diante dessa experiência ruim, têm surgido propostas diferentes de óculos inteligentes. Uma delas é o Vue, que levantou quase US$ 800 mil no site de financiamento coletivo Kickstarter.

Olhando para os óculos, não parece haver nada de diferente neles.

O Vue vem, no entanto, equipado com alto-falantes de condução óssea (que dispensam fone de ouvido), microfone, touchpad, sensores de movimento, conexão bluetooth e um led que avisa a respeito de atividades no smartphone.

Com o dispositivo, é possível ouvir música, fazer chamadas e medir atividades físicas. O lançamento está previsto para julho de 2017.

Com o crescimento das interfaces de voz, um equipamento como o Vue passa a fazer muito mais sentido. Além disso, são óculos inteligentes para quem usa óculos.

Câmeras

Os Spectacles, do Snapchat, começaram a ser vendidos na semana passada em algumas máquinas automáticas nos Estados Unidos.

Para evitar o problema enfrentado pelo Google Glass, os óculos do Snapchat acendem uma luz quando a câmera está em funcionamento.

São óculos escuros com câmera que funcionam somente para fazer vídeos para o aplicativo.

A consultoria Gartner estima que, neste ano, serão vendidos 274,6 milhões de eletrônicos vestíveis em todo o mundo, o que representa um aumento de 18,4% sobre 2015.

Desse total, a maioria serão fones bluetooth (128,5 milhões), seguidos de relógios inteligentes (50,4 milhões).

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Yihyun Lim, do MIT, falou sobre tendências como internet das coisas emocionais e biodesign / Renato Cruz/inova.jor

Prepare-se para a internet das coisas emocionais

E se uma luminária começasse a conversar com você no saguão do hotel, e oferecesse presentes, a partir de suas informações pessoais? Pode ser interessante, mas também pode ser muito estranho. Yihyun Lim, diretora do Design Lab do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), falou ontem[…]

Leia mais »
Planejamento é essencial na migração de sistemas para a nuvem / inova.jor

Como obter melhores resultados na migração para a nuvem

A migração para a nuvem é um caminho sem volta, mas nem sempre o processo é simples. Embora tenham conhecimento de vantagens como melhor custo-benefício, disponibilidade e escalabilidade, empresas ainda têm dúvidas e receios em relação à transferência de seus sistemas. Esses e outros temas foram debatidos por executivos de[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami