inova.jor

inova.jor

Óculos inteligentes podem ser bem diferentes do Google Glass

Os óculos inteligentes Vue parecem normais, mas são equipados com fone, microfone e sensores de movimento / Divulgação
Os óculos inteligentes Vue parecem normais, mas são equipados com fone, microfone e sensores de movimento / Divulgação

O Google Glass foi um projeto que não deu certo. As pessoas ao redor do usuário ficavam incomodadas com a câmera e a bateria durava pouco.

A tecnologia de realidade aumentada, que sobrepunha imagens digitais ao ambiente físico, foi considerada insegura pelas autoridades de trânsito.

Os usuários do Google Glass eram alvo de piadas e chegaram a receber até o apelido de Glassholes.

Diante dessa experiência ruim, têm surgido propostas diferentes de óculos inteligentes. Uma delas é o Vue, que levantou quase US$ 800 mil no site de financiamento coletivo Kickstarter.

Olhando para os óculos, não parece haver nada de diferente neles.

O Vue vem, no entanto, equipado com alto-falantes de condução óssea (que dispensam fone de ouvido), microfone, touchpad, sensores de movimento, conexão bluetooth e um led que avisa a respeito de atividades no smartphone.

Com o dispositivo, é possível ouvir música, fazer chamadas e medir atividades físicas. O lançamento está previsto para julho de 2017.

Com o crescimento das interfaces de voz, um equipamento como o Vue passa a fazer muito mais sentido. Além disso, são óculos inteligentes para quem usa óculos.

Câmeras

Os Spectacles, do Snapchat, começaram a ser vendidos na semana passada em algumas máquinas automáticas nos Estados Unidos.

Para evitar o problema enfrentado pelo Google Glass, os óculos do Snapchat acendem uma luz quando a câmera está em funcionamento.

São óculos escuros com câmera que funcionam somente para fazer vídeos para o aplicativo.

A consultoria Gartner estima que, neste ano, serão vendidos 274,6 milhões de eletrônicos vestíveis em todo o mundo, o que representa um aumento de 18,4% sobre 2015.

Desse total, a maioria serão fones bluetooth (128,5 milhões), seguidos de relógios inteligentes (50,4 milhões).

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Para onde vai a internet em 2017, segundo Mary Meeker

O Internet Trends, elaborado por Mary Meeker, sócia da empresa de capital de risco Kleiner Perkins Caufield & Byers, é o relatório anual de tendências da internet mais aguardado pelo mercado. Ele foi apresentado na semana passada, durante a Code Conference, organizada pela Vox Media. No ano passado, os principais focos da apresentação foram[…]

Leia mais »
A Local Motors desenvolveu o ônibus autônomo Olli / Frank Gruber/Creative Commons

Quando a internet das coisas se torna inteligente

A tão falada internet das coisas já está presente em nossas vidas e na estratégia de companhias dos mais diversos setores, mostrando que é um caminho sem volta. A chamada IoT também é uma das tendências tecnológicas que cada vez mais consumirá investimentos em pesquisa e inovação. Estamos falando de[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami