inova.jor

inova.jor

Nextel: ‘Consideramos amigas as empresas de internet’

Francisco Valim, presidente da Nextel, apresentou o Happy, nova aposta da operadora / Foto: Mariana Lima/Inovajor
Francisco Valim, presidente da Nextel, apresentou o Happy, nova aposta da operadora / Mariana Lima/inova.jor

Você acha difícil entrar em contato com a operadora de telefonia móvel para mudar o plano? A Nextel quer tornar totalmente digitais os processos de contratação, pagamento e controle do pacote de dados.

A empresa anunciou hoje (6/12) o Happy, plano flexível que tem como base um aplicativo. Ele é ativado no momento em que o chip é colocado no aparelho.

“Vamos vender os chips a R$ 10 em mais de 300 mil postos de venda”, afirmou Francisco Valim, presidente da Nextel Brasil. “Entre eles, as máquinas de venda automáticas que estão distribuídas em diferentes estabelecimentos da cidade.”

Opções de pagamento

Ao abrir o aplicativo, o cliente poderá montar o pacote de dados que usará nos próximos sete ou 30 dias. Entre as opções, está a possibilidade de o cliente não contratar nenhum minuto de pacote de voz.

Nesse novo modelo, será possível escolher também a forma de pagamento. O valor pode ser descontado no cartão de crédito, débito ou débito automático.

O modo de pagamento escolhido também poderá ser alterado em sete ou 30 dias.

“Estamos transferindo todo o poder da operadora para a mão do usuário. Será ele que vai escolher e quando ele quiser”, disse Valim.

A proposta prevê ainda que o uso de aplicativos como WhatsApp sem cobrança de dados, incluindo chamadas de voz.

“Consideramos amigas as OTTs (empresas que prestam serviços pela internet). Nossa estratégia é muito diferente dos nossos concorrentes”, disse o executivo.

Disponibilidade

Com o produto, a empresa pretende atrair clientes insatisfeitos com a burocracia das operadoras.

Os valores dos pacotes são baseados nas combinações feitas pelo usuário para aquele mês. Os planos de sete dias para dados custam de R$ 8 a R$ 13. Já os de 30 dias, de R$ 35 a R$ 80.

As cidades com DDD 13 e 19, no litoral e interior de São Paulo, serão as primeiras a receberem o produto, neste mês. Rio de Janeiro e São Paulo serão as primeiras capitais, a partir do começo de 2017.

“Já está disponível na internet o pré-cadastro para quem estiver interessado no serviço. Quem realizar esse processo receberá descontos no futuro”, adiantou Valim.

A criação de aplicativos para relacionamento com clientes faz parte da tendência de transformação digital. Recentemente, a Oi também anunciou uma iniciativa nesse sentido.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Telefonia móvel acabou se tornando responsável pela universalização das telecomunicações / Geraldo Magela/Agência Senado

Expansão do setor melhora a competitividade

As telecomunicações são ferramentas essenciais para a inovação em todos os setores da economia, e as empresas brasileiras encontram-se num momento em que precisam aumentar sua capacidade de competir no cenário mundial. Na edição mais recente do Relatório de Competitividade Global, do Fórum Econômico Mundial, o Brasil caiu seis posições e[…]

Leia mais »
O serviço TIM Live deve ser expandido de cinco para pelo menos 10 cidades em 2018 / Gonzalo Tapia/Creative Commons

TIM investe em banda larga via fibra óptica para crescer

A TIM Brasil planeja expandir sua rede óptica para crescer em serviços fixos. “A partir de hoje, só vamos oferecer FTTH”, disse na sexta-feira (8/12) Fabiano Ferreira, diretor da Unidade de Negócios Residencial e de Pequenas e Médias Empresas da operadora. FTTH é a sigla de Fiber To the Home,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *