inova.jor

inova.jor

Uberlândia ganha protótipo de cidade inteligente

Algar Telecom quer sensibilizar gestores públicos com protótipo de cidade inteligente / Divulgação
Algar Telecom quer sensibilizar gestores públicos com protótipo de cidade inteligente / Divulgação

A cidade de Uberlândia (MG) vai sediar um protótipo de cidade inteligente. O projeto prevê soluções digitais para as áreas de transporte, comunicação, limpeza pública e urbanização.

A Cidade Conectada é fruto de parceria entre a Algar Telecom, PromonLogicalis, Nokia, Universidade Federal de Uberlândia e Instituto Cesar.

O bairro Granja Marileusa, que serve de modelo urbanístico para a cidade, foi escolhido para receber o projeto. No local, funcionava uma antiga fazenda do Grupo Algar.

“A ideia do nosso protótipo é montar vários ecossistemas e oferecer novos serviços que contribuam com a população. Queremos fazer mais pela cidade, com menos recursos e dispositivos mais modernos”, afirma Jean Borges, presidente da Algar Telecom.

Expansão

Segundo o executivo, ainda não há expectativas de o projeto ser replicado em outras áreas da cidade. Isso porque não existem contratos firmados com a prefeitura.

As conversas com gestores públicos, no entanto, têm ganhado força, diz Borges. Entre os motivos está a necessidade de os governantes oferecerem serviços em áreas como educação, saúde e segurança com mais qualidade e a menor custo.

“Queremos usar esse protótipo para chamar a atenção de agentes públicos. É importante existir essa entrada do poder público para conseguirmos mais parceiros no mercado”, diz.

Serviços

A Granja Marileusa receberá uma série de serviços nessa primeira fase.

Fruto da parceria com a Federal de Uberlândia, o sistema Easybus é um exemplo. A solução pretende identificar a lotação e o fluxo de passageiros dentro dos ônibus.

Enviados a uma central em tempo real, os relatórios ajudarão na administração e logística da frota para melhorar a experiência dos usuários.

A limpeza pública da região também passará por transformação. O projeto E-pontos, feito com a Global Bridge, colocará sensores em lixeiras de coleta de resíduos tecnológicos.

As lixeiras enviarão relatórios informando o volume de lixo descartado e a capacidade restante. A pessoa que descartou o lixo no local indicado receberá pontos, que poderão ser convertidos em prêmios.

Desenvolvidos com a PromonLogicalis, os bueiros inteligentes usam tecnologia de comunicação máquina a máquina e ultrassônica para monitoração.

O projeto prevê colocar a solução em módulos que se encaixam nos bueiros antigos. Assim, o volume de resíduos poderá ser monitorado e cruzado com outras informações exteriores como previsão do tempo e um sensor de ambiente.

A intenção é diminuir áreas de alagamentos, principalmente em períodos de chuva.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O bueiro inteligente foi desenvolvido por uma startup chamada Net Sensors / Renato Cruz/inova.jor

Para que serve um bueiro inteligente

RIO O Porto Maravilha, no Rio de Janeiro, tem 28 bueiros inteligentes. Cada bueiro é formado por um coletor de lixo sólido e um sensor volumétrico, que avisa via rede celular quando o coletor está cheio. O bueiro inteligente melhora o ambiente, pois limita a quantidade de lixo sólido que vai para[…]

Leia mais »
O Brasil precisa definir frequências e participar ativamente da definição do padrão de 5G / Ericsson/Divulgação

5G traz as comunicações móveis para a era do gigabit

A quinta geração (5G) coloca as comunicações móveis na era do gigabit. A tecnologia deve permitir acessos a 1 gigabit por segundo (Gbps), velocidade conseguida atualmente em acessos fixos de fibra óptica. Além disso, é componente essencial da internet das coisas (IoT, na sigla em inglês), ao oferecer latência (tempo[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami