inova.jor

inova.jor

CES 2017: O que muda com a chegada da 5G

Mollenkopf, da Qualcomm, comparou o lançamento da 5G à chegada da eletricidade / Renato Cruz/inova.jor
Mollenkopf, da Qualcomm, comparou o lançamento da 5G à chegada da eletricidade / Renato Cruz/inova.jor

LAS VEGAS

A quinta geração das comunicações móveis (5G) deve apoiar a criação de até 22 milhões de empregos em todo mundo até 2035, segundo Steve Mollenkopf, presidente mundial da Qualcomm.

“O lançamento da 5G terá um impacto similar à introdução da eletricidade ou do automóvel”, afirmou Mollenkopf na sexta-feira (6/1), durante a CES 2017, evento de eletrônicos que terminou ontem (8/1) em Las Vegas.

O executivo divulgou os primeiros números de um estudo chamado A Economia da 5G, que ouviu mais de 3.500 pessoas em várias partes do mundo.

Segundo o estudo, o resultado econômico pleno da tecnologia será atingido globalmente em 2035. Ela deve suportar a produção de até US$ 12 trilhões de bens e serviços.

Somente a cadeia de valor, que inclui fabricantes, operadoras, criadores de conteúdo e desenvolvedores, deve registrar US$ 3,5 trilhões em negócios.

A 5G deve ser padronizada em 2019 e lançada comercialmente no ano seguinte. Os pilotos em andamento pelo mundo ainda utilizam uma versão pré-padronização da tecnologia.

Internet das coisas

Mollenkopf destacou a importância da 5G para concretizar a tendência de internet das coisas. A tecnologia deve ser adotada em aplicações de missão crítica, em que não pode haver falhas, como telemedicina e carros autônomos.

Segundo o executivo, a tecnologia não será somente mais uma melhora na conectividade: “Será um novo tipo de rede, dando suporte a uma vasta diversidade de equipamentos com escala, velocidade e complexidade sem precedentes”.

A Qualcomm anunciou, durante a CES, uma parceria com a AT&T e com a Ericsson.

  • O jornalista viajou a convite da Samsung

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Setor brasileiro de telecomunicações depende menos das grandes operadoras / Oleg Zaytsev/Creative Commons

‘Cenário da competição nas telecomunicações começa a mudar’

O mercado brasileiro de telecomunicações está menos dependente dos grandes players. Operadoras competitivas têm conseguido criar alternativas tanto no acesso e na rede de transporte quanto em conexões internacionais. A participação de mercado das empresas competitivas chegou a 18,8% em agosto deste ano. No fim de 2015, era de 14%.[…]

Leia mais »
CDO tem aparecido frequentemente nas listas de profissões do futuro / flikr/Creative Commons

Por que é importante ter um chief digital officer

Ele é o executivo responsável por liderar a transformação digital das empresas. A cada dia, tem sido mais requisitado por companhias de diversos segmentos, como indústria, tecnologia, varejo e instituições financeiras. O chief digital officer (CDO) tem aparecido frequentemente na lista das profissões do futuro. De acordo com o Gartner,[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami