inova.jor

inova.jor

CES 2017: O que muda com a chegada da 5G

Mollenkopf, da Qualcomm, comparou o lançamento da 5G à chegada da eletricidade / Renato Cruz/inova.jor
Mollenkopf, da Qualcomm, comparou o lançamento da 5G à chegada da eletricidade / Renato Cruz/inova.jor

LAS VEGAS

A quinta geração das comunicações móveis (5G) deve apoiar a criação de até 22 milhões de empregos em todo mundo até 2035, segundo Steve Mollenkopf, presidente mundial da Qualcomm.

“O lançamento da 5G terá um impacto similar à introdução da eletricidade ou do automóvel”, afirmou Mollenkopf na sexta-feira (6/1), durante a CES 2017, evento de eletrônicos que terminou ontem (8/1) em Las Vegas.

O executivo divulgou os primeiros números de um estudo chamado A Economia da 5G, que ouviu mais de 3.500 pessoas em várias partes do mundo.

Segundo o estudo, o resultado econômico pleno da tecnologia será atingido globalmente em 2035. Ela deve suportar a produção de até US$ 12 trilhões de bens e serviços.

Somente a cadeia de valor, que inclui fabricantes, operadoras, criadores de conteúdo e desenvolvedores, deve registrar US$ 3,5 trilhões em negócios.

A 5G deve ser padronizada em 2019 e lançada comercialmente no ano seguinte. Os pilotos em andamento pelo mundo ainda utilizam uma versão pré-padronização da tecnologia.

Internet das coisas

Mollenkopf destacou a importância da 5G para concretizar a tendência de internet das coisas. A tecnologia deve ser adotada em aplicações de missão crítica, em que não pode haver falhas, como telemedicina e carros autônomos.

Segundo o executivo, a tecnologia não será somente mais uma melhora na conectividade: “Será um novo tipo de rede, dando suporte a uma vasta diversidade de equipamentos com escala, velocidade e complexidade sem precedentes”.

A Qualcomm anunciou, durante a CES, uma parceria com a AT&T e com a Ericsson.

  • O jornalista viajou a convite da Samsung

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Hughes lança banda larga via satélite para residências

O Brasil será o primeiro país, depois dos Estados Unidos, a receber banda larga residencial por satélite oferecida pela Hughes. A aposta da empresa são regiões do país que não têm banda larga ou que são atendidas por serviços de baixa qualidade. A partir de 1.º de julho, consumidores e pequenos empresários[…]

Leia mais »
A USP lidera a produção científica mundial sobre cosméticos / Juanedc/Creative Commons

Quais foram as 10 reportagens mais lidas de 2016

Big data, internet das coisas, expansão da banda larga e investimentos em startups foram alguns dos temas de tecnologia e inovação em destaque neste ano. Isso se reflete na relação das dez reportagens mais lidas de 2016 no inova.jor. De certa forma, a lista também serve como retrospectiva do ano. Apesar da[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami