inova.jor

inova.jor

Como a Samsung quer se aproximar de startups brasileiras

Empresas apoiadas pela Samsung na Coreia do Sul apresentaram produtos na CES, em Las Vegas / Renato Cruz/inova.jor
Empresas apoiadas pela Samsung na Coreia do Sul apresentaram produtos na CES, em Las Vegas / Renato Cruz/inova.jor

Startups brasileiras com soluções em realidade virtual, saúde digital, educação digital, bem-estar, vestíveis, convergência e internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) estão na mira da Samsung.

A gigante sul-coreana lançou recentemente a segunda rodada do Programa de Promoção da Economia Criativa, que busca startups com soluções inovadoras para a empresa.

Durante nove meses, 13 startups de todo o Brasil participarão do processo de aceleração, tendo como base processos aplicados no Centro de Economia Criativa e Inovação da Coreia do Sul.

Para a aplicação do programa no Brasil, a Samsung fechou parceria com a Anprotec e sua rede de incubadoras associadas espalhadas por todas as regiões do País.

Alcance nacional

José Aranha, vice-presidente da Anprotec, acredita que a dimensão do projeto em relação aos demais programas de incubação promovido por empresas é um dos diferenciais do Programa de Promoção de Economia Criativa.

“O diferencial do projeto da Samsung é que eles expandem para o Brasil todo, diferentemente da maioria das empresas que procuram startups em apenas determinadas regiões, limitando bastante”, diz Aranha.

A segunda turma começou neste mês e deve contar com a mentoria e participação intensiva de executivos da Samsung.

Durante três dias, as startups escolhidas receberam minicursos, workshops e mentorias da Samsung e de gestores da Anprotec, focados em conteúdos de diversos temas sobre empreendedorismo e inovação. O evento aconteceu em São Paulo.

Nos oito meses restantes do programa, as startups vão participar do processo em incubadoras parceiras da Anprotec espalhadas pelas suas regiões.

O uso de incubadoras por região foi uma das adaptações brasileiras ao programa da Coreia do Sul. O trabalho regional feito com as startups é totalmente acompanhado pela Samsung.

Investimento

Ao fim do programa, startup que desenvolveram projetos interessantes para a Samsung podem receber um aporte de até R$ 250 mil.

A procura de empresas de grande porte por startups faz parte de uma tendência mundial, segundo explica Aranha. Para ele, o número tende a crescer nos próximos anos.

“Vemos bancos e empresas de telecomunicações abrindo seus espaços para receber startups e isso faz parte de suas perspectivas de inovação aberta. Vemos agora o interesse de empresas saindo dos eixos sul-sudeste e buscando essas startups também em outras regiões”, completa Aranha.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Setor de tecnologia precisa de mais mulheres

As mulheres ainda são minoria no mercado de tecnologia do mundo inteiro. Elas ocupam apenas 24% dos postos de trabalho em empresas de tecnologia de todo o mundo, segundo dados da CompTIA, associação do setor de Tecnologia da Informação (TI). A disparidade aumenta em cargos de liderança, onde as mulheres[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami