inova.jor

inova.jor

‘Nunca foi tão necessário entender o comportamento do consumidor’

O varejo usa inteligência artificial para personalizar a experiência do consumidor / Senado Federal/Creative Commons
O varejo usa inteligência artificial para personalizar a experiência do consumidor / Senado Federal/Creative Commons

As tecnologias de análise de dados e de inteligência artificial têm conquistado espaço no varejo brasileiro. Com isso, é possível entender melhor os hábitos do consumidor e tornar a experiência cada vez mais personalizada.

“Nossos motores de personalização rastreiam o consumo de milhões de consumidores e tomam milhares decisões automatizadas em tempo real”, explica Israel Nacaxe, um dos fundadores da Propzmedia, em conversa com o inova.jor.

A Propzmedia tem clientes como Bradesco, Via Varejo, Cencosud e Dotz.

Como a inteligência artificial tem sido aplicada no varejo?

A inteligência artificial deixou de ser prova de conceito e passou a ser uma realidade no varejo brasileiro. A principal aplicação da inteligência artificial é identificar que cada consumidor tem sua característica única e apresenta engajamento, perfil de necessidades e métricas financeiras particulares. Como no varejo a competição pelo consumidor é constante, fica muito difícil detectar o real motivo que leva um cliente decidir por um estabelecimento ou seu concorrente.

Israel Nacaxe, da Propzmedia / Divulgação
Israel Nacaxe, da Propzmedia / Divulgação

A crise impactou o mercado?

2016 foi um ano extremamente importante para nosso segmento. A crise no consumo e o aumento da competitividade estimularam investimentos em tecnologia e inovação. Os maiores e mais importantes varejistas, muitos deles nossos parceiros, saíram na frente e já se beneficiam dos resultados gerados por essa tecnologia.

Como a tecnologia de aprendizado de máquina ajuda nas vendas?

A rentabilidade das campanhas no varejo deve ser medida analisando o impacto na frequência dos clientes nas lojas, no aumento no tíquete médio consumido e na escolha de produtos com maior margem de lucro. Nossos modelos de machine learning e metodologia de CRM (sigla em inglês de gestão de relacionamento com o cliente) têm aumentado, em média, 10% as taxas de respondentes das campanhas. O incremento na receita aparece através do aumento da frequência e tíquete médio, que crescem entre 4% e 6%. Em alguns casos, observamos incremento de até 15% na quantidade de itens consumidos a partir da oferta de produtos com maior potencial de venda cruzada.

Como a análise de informações do cliente pode impactar nas vendas?

É preciso considerar que a competição não é somente entre estabelecimentos comerciais e promoções, mas pela atenção e consideração do cliente. Não há espaço para erros na precificação, ofertas pouco relevantes e contatos em momentos inoportunos. Portanto, nunca foi tão necessário entender o comportamento do cliente e seu perfil de necessidades para ativá-lo com a máxima relevância. Só assim será possível destacar-se num cenário de competição extrema, dinâmica e constante que o varejo representa.

Tem crescido a procura por essa tecnologia nos supermercados brasileiros?

O interesse tem aumentado exponencialmente. Não somos procurados somente por supermercados, mas também por atacarejos, redes de farmácias, postos de gasolina, lojas de conveniências e instituições financeiras.

Qual outro mercado deve adotar o aprendizado de máquina nos próximos anos?

Saindo do mundo do varejo, os três mercados que chamam atenção são esportes, serviços sob demanda e entretenimento.

Por quê?

O mercado esportivo é um enorme gerador de dados, fortemente influenciado por estatísticas. É natural que sejam integradas as mais diversas maneiras de obtenção de dados como processamento de imagens, sensores nos atletas e torcedores e monitoramento de redes sociais. Por meio da nossa parceria com a Chime Sports Marketing (CSM), já participamos de diversas iniciativas para melhorar a experiência de torcedores e simpatizantes do esporte ao mesmo tempo que viabilizamos o acesso à marcas e produtos interessados nesta audiência.

E os outros exemplos?

No caso dos serviços sob demanda, como Uber, Spotify, Netflix e diversas outras plataformas de assinatura de conteúdo ou serviços, vemos uma dependência cada vez maior de modelamento estatístico e algoritmos de machine learning para oferecer mais conveniência, melhores recomendações de conteúdo, além de melhor utilização e compartilhamento de recursos. A indústria do entretenimento não fica atrás e explora cada vez mais a ciência de dados para modelar o comportamento dos consumidores no consumo do conteúdo pelos diversos canais, na busca de uma experiência cada vez mais personalizada, multicanal e colaborativa.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Empresas se sentem menos preparadas para enfrentar ameaças digitais

Suas informações estão seguras na internet?

No seriado Mr. Robot, um grupo de hackers decide atacar um conglomerado chamado E Corp., e apagar todas as dívidas do mundo. Christian Slater, que interpreta o “Mr. Robot” do título, disse à Business Insider que trabalhar no seriado o tornou um pouco paranoico em relação à tecnologia. “Descobri como uma coisa maravilhosa[…]

Leia mais »
Jovens ribeirinhos receberam acesso à internet com projeto de energia solar / Divulgação

Ribeirinhos recebem qualificação em tecnologia e energia fotovoltaica

Trinta e sete jovens do interior do Amazonas participaram de um curso gratuito em tecnologia e energia fotovoltaica realizado pelos institutos Cooperforte e de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, em parceria com a Huawei. O programa Energia Solar para a Inclusão Digital teve início em julho do ano passado e terminou em[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami