inova.jor

inova.jor

Startups oferecem serviços para reduzir preços de viagem

Cresce o número de startups que tornam a viagem mais barata / Infraero/Creative Commons
Cresce o número de startups que tornam a viagem mais barata / Infraero/Creative Commons

Diante da situação econômica desafiante, os brasileiros têm procurado alternativas mais baratas de hospedagem e transporte aéreo para conseguir viajar.

MaxMilhas é uma plataforma lançada em 2013 como um marketplace de passagens de aviões.

A startup coloca em contato quem quer vender milhas e quem busca passagens mais baratas. Como retorno, recebe uma comissão de 15% a 30% do valor dos bilhetes.

“As pessoas se cadastram para vender, escolhem o valor das milhas oferecidas e nós mostramos no nosso site e aplicativo as oportunidades para quem quer comprar”, diz Max Oliveira, presidente da MaxMilhas

A plataforma compara os preços das passagens oferecidas por milhas pelos cadastrados com as disponíveis nos sites das companhias aéreas.

Segundo a startup, um vendedor de milhas cadastrado pode ganhar até 50% a mais na plataforma do que na venda para agências de viagens.

Para o comprador, a economia média por compra de passagem é de R$ 550, afirma Oliveira.

“A crise trouxe um efeito positivo para o nosso negócio. Porque de um lado as pessoas querem e precisam viajar mais barato. De outro, vemos um movimento de antigos viajantes para o exterior aproveitando as milhas para ganhar uma renda a mais”, explica.

Max Oliveira, da Max Millhas / Divulgação
Max Oliveira, da Max Millhas / Divulgação

Até dezembro do ano passado mais de 150 mil pessoas haviam negociado passagens ou milhas pela plataforma.

No quarto ano de funcionamento e sem investidor externo, a startup tem vendas anuais de R$ 100 milhões. A expectativa para 2017 é chegar à marca de 1 milhão de bilhetes vendidos.

“Usamos a estratégia de crescimento baseada em bootstrapping, na qual a startup se desenvolve por meio do reinvestimento de recursos próprios. Como a MaxMilhas fatura desde o início de operação, conseguimos fazer esse reinvestimento constante para aprimorar plataforma e serviços”, completa o executivo.

Hospedagem

O Airbnb é uma das plataformas que mais cresce no mundo. A enorme variação de acomodações disponíveis – que vai de castelos a sofás na casa de desconhecidos – atrai quem quer economizar.

Somente no ano novo, a plataforma registrou 2 milhões de hóspedes pelo mundo, que conseguiram suas acomodações pelo aplicativo.

Os países mais requisitados foram Estados Unidos, França, Austrália, Espanha e Grã-Bretanha.

A empresa cobra uma taxa tanto dos anfitriões quanto dos hóspedes. Os que oferecem alojamento precisam pagar 3% do valor da reserva e os visitantes uma taxa entre 6% e 12% do valor.

No Brasil, o Airbnb tem ganhado cada vez mais adeptos. Ao todo, são 100 mil anunciantes de hospedagem e 622 mil hóspedes registrados.

Em agosto do ano passado a empresa fez uma pesquisa, junto ao Instituto Datafolha, sobre a aceitação da plataforma por brasileiros.

Dos quase 2,7 mil entrevistados, 96% disseram ver vantagens tanto para quem quer economizar com hospedagem quanto para quem quer fazer dinheiro extra.

CORREÇÃO: Diferentemente do que foi noticiado na primeira versão deste texto, a MaxMilhas registra vendas anuais de R$ 100 milhões, e não faturamento. A expectativa para este ano é chegar a 1 milhão de bilhetes vendidos, e não 1 bilhão.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Incubadora de Sorocaba seleciona empreendedores

Startups e empreendedores com ideias inovadoras e soluções tecnológicas podem se inscrever até o fim deste mês no processo de seleção da Hubiz, incubadora do Parque Tecnológico de Sorocaba (PTS), no interior de São Paulo. Atualmente 20 empresas estão sendo incubadas no parque. Durante o período de incubação, os empreendedores recebem consultoria e assessorias,[…]

Leia mais »
A startup argentina Nuvem Shop mira no e-commerce para empreendedor por necessidade do Brasil / Divulgação

Startups apostam no crescimento do comércio eletrônico

O comércio eletrônico tem crescido a passos largos no País. Com a crise econômica, empreendedores por necessidade têm apostado na internet para fazer negócios. Somente em 2015, 39,1 milhões de pessoas compraram online, totalizando 106,5 milhões de pedidos, segundo pesquisa da Ebit. Os valores do ano passado ainda não foram divulgados, mas a estimativa[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami