inova.jor

inova.jor

Para onde vai o mercado de aplicativos

Christopher Klotzbach, diretor da Flurry, fala sobre o mercado de aplicativos
Christopher Klotzbach, diretor da Flurry, fala sobre o mercado de aplicativos / Mariana Lima/inova.jor

Para Christopher Klotzbach, diretor da Flurry Analytics, a experiência dos usuários de aplicativos entra numa nova fase, que ele chama de Mobile 2.0.

O executivo tem uma visão privilegiada desse mercado. Pertencente ao Yahoo, a Flurry opera uma plataforma usada por desenvolvedores para entender e acompanhar o perfil dos usuários de seus aplicativos.

Klotzbach faz análises de mercado a partir informações geradas por mais de 940 mil aplicativos. Entre seus parceiros mais famosos estão o Snapchat e o Vine.

A nova fase da mobilidade é marcada por uma indústria madura, ampla base de consumidores e maior predisposição para oferecer serviços em diferentes tipos de dispositivos.

“Em 2016, tivemos um momento histórico que foi a estabilização e maturação do mercado móvel”, diz o especialista, acrescentando que o cenário atual é mais propício para a criação de aplicações disruptivas.

Inteligência artificial

Um exemplo são as assistentes de voz que utilizam inteligência artificial. Grandes empresas já oferecem a tecnologia em seus dispositivos, como a Siri, da Apple, e a Alexa, da Amazon.

Atualmente, as assistentes virtuais ajudam os consumidores a executarem tarefas como mandar mensagens por aplicativos ou controlar as lâmpadas da casa.

Além disso, os aplicativos devem se tornar cada vez mais presentes em outros dispositivos conectados.

“Com a internet das coisas, o desenvolvedor terá uma maior variedade de dispositivos do que tem hoje. As possibilidades de novas experiências para o usuário são inúmeras”, completa Klotzbach.

Outra área promissora são a realidade virtual e a realidade aumentada. Segundo a Flurry, só no ano passado foram investidos US$ 2 bilhões em aplicativos que usam essas tecnologias.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Vista aérea de Brasília: pouca compra de produtos tecnológicos pelo governo está entre os fatores da avaliação ruim

Por que o Brasil está ficando para trás em inovação

Na edição mais recente do ranking de competitividade do Fórum Econômico Mundial, o Brasil foi o país que apresentou o pior desempenho, ao perder 18 posições e ficar na 75.ª posição, entre 140 países. Em inovação, um dos indicadores que compõem o ranking, o tombo foi ainda maior: o Brasil[…]

Leia mais »
Existem grandes diferenças entre o ambiente móvel e o desktop / Maurizio Pesce/Creative Commons

Como saber se seu anúncio digital é realmente visto

As discussões sobre viewability (oportunidade de a publicidade ser realmente vista) começaram há cerca de quatro anos, com questionamentos de grandes anunciantes sobre o verdadeiro impacto das impressões em consumidores reais. Em 2017, por exemplo, os anunciantes devem perder aproximadamente US$ 6,5 bilhões por conta de bot frauds (visualizações ou cliques[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami