inova.jor

inova.jor

Startup aposta em reparos domésticos feitos por mulheres

Não é fácil encontrar o contato de mulheres que prestem serviços de reparos domésticos / royalty free/Creative Commons
Não é fácil encontrar o contato de mulheres que prestem serviços de reparos domésticos / royalty free/Creative Commons

Tem aumentado a procura por mulheres que prestem serviços de reparos domésticos. Com medo de receber orçamentos inflados ou de sofrer assédio durante a visita de um profissional, o público feminino começa a dar preferência a prestadoras de serviços.

Mas nem sempre é fácil encontrar o contato de mulheres disponíveis para realizar atividades como instalação de ar condicionado, montagem de móveis e reparos hidráulicos e elétricos.

Foi com base nessa necessidade que a BemCombinado incorporou à sua plataforma de contratação de serviços domésticos a Manas à Obra, especializada em mão de obra feminina qualificada.

No site da BemCombinado, o cliente pode escolher se quer ser atendido por uma profissional mulher. A empresa é responsável pelo agendamento, processo de pagamento e garantia do serviço.  Os contratos são executados em até 24 horas.

Rodrigo Thedin, diretor de marketing e cofundador da BemCombinado, afirma que a equipe conta com 10 profissionais femininas de manutenção e mais equipe de obra, mas a ideia é ampliar esse número, de acordo com a procura.

Desde o início da operação, a opção pelo atendimento feminino foi feita em quatro a cada dez pedidos.

“Muitas mulheres, cisgêneras ou transgêneras, se sentem seguras ao serem atendidas por outras mulheres, e o mesmo ocorre com gays e lésbicas. Identificamos a necessidade de fazer parceria com empresas inclusivas, já que o setor ainda é, de certa forma, composto principalmente por homens”, comenta Thedin.

Quebra de barreiras

A BemCombinado não divulga números, mas Thedin afirma que o crescimento da empresa está em 20% ao mês. O negócio recebeu um aporte de US$ 25 mil da Porto Seguro, após passar por um processo de aceleração na Oxigênio, e os sócios fundadores investiram outros R$ 55 mil.

“Não podemos, em pleno século 21, aceitar que haja qualquer tipo de preconceito e a Manas à Obra vêm para nos ajudar nesse quesito”, diz o executivo.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Amos Genish, da Vivo, diz que empresas precisam ser mais inovadoras

‘Brasil precisa criar centros tecnológicos’, diz presidente da Vivo

“O Brasil precisa criar centros tecnológicos aqui”, afirmou ontem Amos Genish, presidente da Vivo, durante a inauguração da nova sede da Wayra, aceleradora de startups do grupo espanhol. “Para saírem da crise, as empresas brasileiras precisam inovar mais, para se tornarem mais competitivas.” Segundo Genish, não falta competência aos profissionais[…]

Leia mais »
A TegUp é o braço de corporate venture capital da Tegma Gestão Logística / Divulgação

Aceledora TegUp seleciona startups de logística

A TegUp, aceleradora da Tegma Gestão Logística, abre na quinta-feira (1/6) seu processo de seleção de startups de tecnologia na área de logística. As inscrições vão até 30 de julho. O programa dá preferência a empresas com alto potencial de crescimento, que já tenham clientes e receitas recorrentes e estejam prontas para[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami