inova.jor

inova.jor

Startup de inteligência artificial LegalBot vai representar o Brasil em Tóquio

Inteligência artificial: Alexandre Bess, CEO da LegalBot, apresentou a startup na semifinal, no Brasil / Mariana Lima / inova.jor
Alexandre Bess, presidente da LegalBot, apresentou a startup durante semifinal no Brasil / Mariana Lima/inova.jor

A LegalBot, startup que usa inteligência artificial para lidar com normas e regulações, será a representante brasileira na final da Global Open Innovation Business Contest 5.0, no próximo mês, em Tóquio.

A empresa venceu a semifinal hoje (2/2) em São Paulo. Outras cinco startups participaram da última etapa no Brasil: Beenoculus, Naked Monkey Games, LightUp, Fisioatual e Inside Places.

O principal produto da LegalBot é o Monitor Regulatório, uma plataforma que usa inteligência artificial e robôs digitais para facilitar o tratamento de dados regulatórios.

O modelo de software como serviço (SaaS, na sigla em inglês) foi o escolhido pela empresa.

Antiburocracia

A plataforma coleta normas de forma automática e utiliza inteligência artificial para identificá-las, classificá-las, ordená-las e priorizá-las.

A partir daí, aplica um algoritmo de recomendação com aprendizagem dinâmica, que personaliza a distribuição dos documentos e facilita o trabalho burocrático.

Segundo o presidente da LegalBot, Alexandre Bess, o Monitor Regulatório aumenta em até 3 mil vezes a produtividade, precisão e controle de quem precisa lidar com normas diariamente.

“Para alguns setores que precisam de muita atenção com as normas regulatórias, como instituições financeiras, o Monitor Regulatório facilita muito as atividades diárias”, disse.

Atualmente, segundo Bess, o produto é usado por 80 usuários.

Final no Japão

A startup foi escolhida por especialistas e executivos convidados pela NTT Data e pela Everis, organizadoras do evento. A escolha se deu devido a sinergia de interesses das empresas no produto criado pela startup.

Caso vença a etapa internacional, a LegalBot ganhará US$ 30 mil para aplicar no desenvolvimento do projeto.

Além disso, a equipe vencedora trabalhará por três meses com funcionários da NTT Data para desenvolver um protótipo para ser oferecido aos clientes da companhia.

A consultoria Everis é controlada pela japonesa NTT Data.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Operadoras brasileiras passam por processo de transformação digital / Senado Federal/Creative Commons

‘Maioria das operadoras brasileiras ainda opera como commodity’

Com a nova Lei Geral de Telecomunicações travada no Congresso após embate na Justiça, os investimentos no setor para neste ano não devem ser muito diferentes do que em 2016. A crise econômica e a instabilidade na aprovação da lei têm segurado investimentos das operadoras, que continuam sendo constantemente pressionadas[…]

Leia mais »
Internet: Interfaces de voz, como o Echo, da Amazon, é uma das principais tendências / Rob Albright/Creative Commons

Quando as máquinas aprendem a conversar de verdade

Máquinas que entendem comandos de voz já viraram lugar comum, mas os sistemas de inteligência artificial ainda não são capazes de participar de uma conversa de verdade, como o C-3PO, de Star Wars (ou o HAL 9000, de 2001, para dar um exemplo não tão benigno). A Amazon quer mudar isso, e[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami