inova.jor

inova.jor

Fabricantes de celular apostam no público jovem para voltar a crescer

Nova linha da LG mira em jovem que quer trocar de celular / Mariana Lima / inova.jor
Nova linha da LG mira consumidores jovens que querem trocar de celular / Mariana Lima/inova.jor

RIO DE JANEIRO

Os aparelhos de celular criados para o público jovem e de preço intermediário são as apostas dos fabricantes para retomar o crescimento das vendas em 2017.

A expectativa da consultoria IDC Brasil é que, neste ano, a venda de celulares cresça 3,5%. O volume ainda deve ficar abaixo das vendas de 2015, quando o mercado estava em alta, mas já é considerado animador.

A consultoria acredita que ao menos 37% dos celulares que estão sendo usados hoje devem ser substituídos até o fim do ano.

A média é calculada a partir do tempo de uso, e no caso, tem como parâmetro a grande quantidade aparelhos comprados antes de 2015.

Os jovens que são usuários frequentes de celulares e que estão sempre em busca da melhor experiência estão no foco do lançamento das empresas este ano.

Aparelhos intermediários

Ontem (8/2), no Rio de Janeiro, a LG apresentou os novos produtos da linha K formada por aparelhos intermediários. Os celulares já estão a venda na loja da marca e devem chegar ao varejo até o fim da semana.

Com preços sugeridos entre R$ 700 e R$ 1,5 mil, os celulares da linha K quer atrair jovens que pretendem trocar aparelhos que já se tornaram obsoletos paras vídeos, fotos e armazenamento de vários aplicativos.

“Fizemos um longo estudo e desenvolvemos um produto baseado no que é importante para o jovem. Por isso vamos apostar nossas campanhas de publicidade em duas funcionalidades específicas: a câmera de selfie de 120° e uma bateria de maior duração”, explica Bárbara Toscano, gerente executivo de marketing LG no Brasil.

No fim de janeiro, a também coreana Samsung lançou a nova geração da família A com publicidade específica para mais novo que deseja inovação. Os preços variam de R$ 2,1 mil a R$ 2,3 mil.

Os novos celulares da Samsung foram apresentados como ideais para quem quer produzir conteúdo e tem como destaque a bateria, quantidade de armazenamento e resistência à água e a poeira.

Propaganda

Os dois fabricantes vão investir pesado em comerciais de televisão em horário nobre e em escala nacional, redes sociais, social medias e sites especializados, num esforço para atingir esse público.

“Queremos atrair tanto os jovens que já são nossos consumidores fiéis quanto aqueles que não se prendem a nenhuma marca, que estão em busca de produtos inovadores que atendem suas necessidades”, completa Toscano.

  • A repórter viajou a convite da LG

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Projeto do Instituto TIM, AWC estimula universitários a empreender / Divulgação

‘Falta apoio ao empreendedorismo nas universidades’

A cultura do empreendedorismo, tão difundida em países como Estados Unidos, ainda é pouco difundida nas universidades brasileiras, o que limita o interesse dos estudantes. Especialista no assunto, Diogo Dutra é coordenador de conteúdo do programa Academic Working Capital (AWC). O projeto é fruto de uma iniciativa do Instituto TIM,[…]

Leia mais »
Guilherme Bressane, do Google, falou sobre o relacionamento entre bancos e fintechs / Mariana Lima/inova.jor

Bancos buscam integração com fintechs

A disposição atual dos bancos brasileiros, e também das grandes empresas de cartão, é mais de integração que de competição com as fintechs (empresas de tecnologia que oferecem serviços financeiros). Pelo menos essa é a visão de Guilherme Bressane, líder para o setor financeiro do Google. Ontem (16/8), ele participou[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami