inova.jor

inova.jor

Fabricantes de celular apostam no público jovem para voltar a crescer

Nova linha da LG mira em jovem que quer trocar de celular / Mariana Lima / inova.jor
Nova linha da LG mira consumidores jovens que querem trocar de celular / Mariana Lima/inova.jor

RIO DE JANEIRO

Os aparelhos de celular criados para o público jovem e de preço intermediário são as apostas dos fabricantes para retomar o crescimento das vendas em 2017.

A expectativa da consultoria IDC Brasil é que, neste ano, a venda de celulares cresça 3,5%. O volume ainda deve ficar abaixo das vendas de 2015, quando o mercado estava em alta, mas já é considerado animador.

A consultoria acredita que ao menos 37% dos celulares que estão sendo usados hoje devem ser substituídos até o fim do ano.

A média é calculada a partir do tempo de uso, e no caso, tem como parâmetro a grande quantidade aparelhos comprados antes de 2015.

Os jovens que são usuários frequentes de celulares e que estão sempre em busca da melhor experiência estão no foco do lançamento das empresas este ano.

Aparelhos intermediários

Ontem (8/2), no Rio de Janeiro, a LG apresentou os novos produtos da linha K formada por aparelhos intermediários. Os celulares já estão a venda na loja da marca e devem chegar ao varejo até o fim da semana.

Com preços sugeridos entre R$ 700 e R$ 1,5 mil, os celulares da linha K quer atrair jovens que pretendem trocar aparelhos que já se tornaram obsoletos paras vídeos, fotos e armazenamento de vários aplicativos.

“Fizemos um longo estudo e desenvolvemos um produto baseado no que é importante para o jovem. Por isso vamos apostar nossas campanhas de publicidade em duas funcionalidades específicas: a câmera de selfie de 120° e uma bateria de maior duração”, explica Bárbara Toscano, gerente executivo de marketing LG no Brasil.

No fim de janeiro, a também coreana Samsung lançou a nova geração da família A com publicidade específica para mais novo que deseja inovação. Os preços variam de R$ 2,1 mil a R$ 2,3 mil.

Os novos celulares da Samsung foram apresentados como ideais para quem quer produzir conteúdo e tem como destaque a bateria, quantidade de armazenamento e resistência à água e a poeira.

Propaganda

Os dois fabricantes vão investir pesado em comerciais de televisão em horário nobre e em escala nacional, redes sociais, social medias e sites especializados, num esforço para atingir esse público.

“Queremos atrair tanto os jovens que já são nossos consumidores fiéis quanto aqueles que não se prendem a nenhuma marca, que estão em busca de produtos inovadores que atendem suas necessidades”, completa Toscano.

  • A repórter viajou a convite da LG

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A startup argentina Nuvem Shop mira no e-commerce para empreendedor por necessidade do Brasil / Divulgação

Startups apostam no crescimento do comércio eletrônico

O comércio eletrônico tem crescido a passos largos no País. Com a crise econômica, empreendedores por necessidade têm apostado na internet para fazer negócios. Somente em 2015, 39,1 milhões de pessoas compraram online, totalizando 106,5 milhões de pedidos, segundo pesquisa da Ebit. Os valores do ano passado ainda não foram divulgados, mas a estimativa[…]

Leia mais »
Com a compra da Whole Foods, a Amazon deve passar a mapear o comportamento do cliente em lojas físicas / Divulgação

Internet das coisas converte visitante do varejo em cliente

A compra da rede de supermercados Whole Foods pela Amazon na semana passada consolida um movimento muito forte do varejo mundial: a dissolução das barreiras entre o mundo digital e as operações tradicionais de comércio. A Amazon está acostumada a mapear as buscas e decisões de compra de seus usuários[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami