inova.jor

inova.jor

Startup quer transformar clientes em chefs de cozinha por um dia

Chefs: Os pratos podem ser finalizados em até 12 minutos / Divulgação
Os pratos vendidos pelo iChefs podem ser finalizados em até 12 minutos / Divulgação

O ritmo de vida atual tornou comum o hábito de comer fora de casa, principalmente nas grandes cidades.

O setor de food service cresceu uma média de 14% ao ano no período de 2006 a 2016, de acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia).

Em 2016, esse mercado movimentou R$ 154 bilhões no Brasil, um crescimento de 7,1% em comparação ao ano anterior.

De olho nessa tendência, Fernando Barão e Maurício Tilhe lançaram a iChefs Brasil, startup que conecta chefs de cozinha e clientes que buscam experiências gastronômicas a preços acessíveis.

Cada receita traz foto e currículo do chef que desenvolveu, com um breve resumo sobre sua carreira e os locais em que trabalhou.

O diferencial da iChefs em relação aos demais serviços de delivery é que o cliente participa do processo, terminando os pratos em casa.

Cada pedido acompanha um passo a passo e a empresa garante que todos os pratos podem ser finalizados em até 12 minutos.

Cozinha própria

No modelo atual, só entra na plataforma o chef que possui cozinha própria. A empresa se encarrega de habilitar a cozinha de acordo com o Manual de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“É como um motorista do Uber, que quer dirigir, mas não possui carro. Assim como eles têm a maior frota de carros do mundo sem ter carros, nosso objetivo é ser a maior rede de restaurante sem ter restaurante”, explica Maurício Tilhe.

A refeição é entregue em embalagens fechadas à vácuo. Esse cuidado mantém o isolamento térmico do produto, o que garante o frescor dos ingredientes. As refeições podem ser conservadas na embalagem por até 48 horas na geladeira.

Expansão do negócio

Operando inicialmente no Rio de Janeiro, a ideia dos fundadores da iChefs Brasil é consolidar a startup no mercado carioca e, ainda este ano, expandir para outros estados, como São Paulo e Curitiba.

De acordo com Tilhe, a vantagem da startup é a capilaridade. “Ao habilitar a cozinha dos próprios chefs, é possível ter diversos espaços, espalhados em vários lugares e isso permite expandir o negócio com maior velocidade.”

A iChefs não tem funcionários. Toda a estrutura da iChefs é terceirizada, desde desenvolvedores, marketing, cozinheiros.

O negócio conta com um investimento inicial de R$ 150 mil dos sócios. Lançada em 2016, a empresa não divulga o faturamento e tem previsão de alcançar a lucratividade até o fim deste ano.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Rafael Steinhauser, da Qualcomm, quer fomentar o mercado brasileiro de internet das coisas / Renato Cruz/inova.jor

Qualcomm premia projetos de internet das coisas

A Qualcomm abriu as inscrições do Prêmio Tecnologias de Impacto para projetos brasileiros inovadores de internet das coisas, com uso de tecnologias de comunicação sem fio. O prazo termina em 30 de outubro. “A inovação é fundamental”, afirma Rafael Steinhauser, presidente da Qualcomm América Latina. “Queremos fomentar o mercado brasileiro[…]

Leia mais »
A aceleradora Wayra, associada a Abraii, passa a integrar o grupo da Anprotec / Divulgação

Fusão entre Anprotec e Abraii aproxima incubadoras e aceleradoras

A fusão entre a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e a Associação Brasileira de Empresas Aceleradoras de Inovação e Investimentos (Abraii) deve fortalecer o ambiente de empreendedorismo no País. Isso porque, juntas, as associações criam uma rede completa formada por startups, aceleradoras, incubadoras, parques tecnológicos e investidores interessados.[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami