inova.jor

inova.jor

Como os brinquedos inteligentes podem transformar a educação

Brinquedos inteligentes: O Rute, kit de eletrônica de baixo custo, foi desenvolvido no Brasil / Reprodução
O Rute, kit de eletrônica de baixo custo para crianças, foi desenvolvido no Brasil / Reprodução

Ciência e raciocínio lógico podem ser ensinados com brinquedos inteligentes. Esse tipo de conhecimento é cada vez mais demandado pelo mercado de trabalho, com o crescimento da automação e do uso da tecnologia nas empresas.

Entretanto, levar para as escolas a cultura maker, do faça você mesmo, ainda custa caro.

O estudo Brinquedos inteligentes: hardware, apps & tecnologias 2015-2020, da Juniper Research, apontou o preço como um dos maiores obstáculos para os consumidores.

Apesar do grande interesse do público, é esperado que o preço comece a cair somente no final desta década.

Em 2015, as vendas de brinquedos inteligentes atingiram U$2,8 bilhões no mundo.

Iniciativa brasileira

No Brasil, o Rute, um kit de eletrônica para crianças, quer democratizar o acesso a essa cultura de aprender fazendo.

Criado pela Makers Brasil, empresa de educação, prototipagem e desenvolvimento de produtos, o kit ganha destaque pelo custo baixo.

Ricardo Cavallini, idealizador do projeto, conta que a ideia era criar algo simples e que pudesse ser produzido com pouco dinheiro.

“Trabalhando na minha empresa, atendi escolas particulares e senti falta de utilizar um kit de baixa curva de aprendizado. Existem kits importados maravilhosos, mas com impostos e taxas acabam ficando muito caros até mesmo para grandes escolas particulares”, explica Cavallini.

O Rute usa componentes simples que podem ser encontrados em qualquer loja e em sucata. Por ter licença aberta, pais e escolas públicas podem fabricar seus próprios kits por um custo baixo.

A empresa ainda pretende lançar kits prontos para quem deseja uma solução mais rápida para desenvolvimento.

Para Cavallini, os brinquedos inteligentes podem colaborar no aprendizado de disciplinas tradicionais e preparar os alunos para o futuro do mercado de trabalho.

“Sozinhos, os brinquedos podem divertir e servir como porta de entrada para eletrônica e programação. Usado em oficinas e aulas, podem trazer muitos outros benefícios diretos e indiretos que fazem parte da nova cultura maker e estão bem mais adaptados para a realidade tecnológica atual”, destaca Cavallini.

Experiências internacionais

Preparar a nova geração para entender melhor a tecnologia é uma preocupação de grandes empresas inovadoras. Muitas investem em projetos educacionais com brinquedos inteligentes para se aproximar dos futuros consumidores e profissionais.

No início do mês, a Amazon anunciou um plano de assinatura mensal do Stem Club, sigla em inglês de ciência, tecnologia, engenharia e matemática, que oferece brinquedos educativos por US$ 20 ao mês.

Ao fazer a assinatura, os usuários recebem kits de química, robótica e ferramentas para ensinar matemática e lógica de programação.

O Google também entrou no negócio de brinquedos inteligentes com o Bloks, ainda em fase de pesquisas, que conta com a colaboração de pais e educadores.

A ideia é criar um hardware aberto para que crianças tenham experiências físicas de programação.

A Apple oferece o Swift, uma plataforma voltada para o ensino de código para as crianças que tenham um iPad.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Martijn de Waal defende o uso de ferramentas digitais em projetos de urbanização / Renato Cruz/Inova.jor

Quatro maneiras de hackear sua cidade

Martijn de Waal, pesquisador da Universidade de Ciências Aplicadas de Amsterdã, não gosta do conceito de cidade inteligente. Ontem (16/3), durante apresentação no Red Bull Station, em São Paulo, ele mostrou uma série de imagens de cidades inteligentes. “Quando as pessoas falam desse assunto, normalmente acabam em coisas como estas”, afirmou,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami