inova.jor

inova.jor

Qual é a relação entre software pirata e segurança

Software não licenciado pode tornar o computador vulnerável a vírus / Frerieke/Creative Commons
Software não licenciado pode tornar o computador vulnerável a vírus / Frerieke/Creative Commons

Os investimentos em tecnologia da informação e segurança têm crescido no Brasil. A preferência por software pirata, no entanto, ainda é grande por aqui.

Jodie Kelley, conselheira geral e vice-presidente sênior de combate à pirataria da BSA, esteve no Brasil na última semana.

Ela falou ao inova.jor sobre os riscos para as empresas que optam por produtos piratas.

Que riscos o software não licenciado pode trazer?

Os riscos para a segurança dos computadores são muitos. Isto é especialmente sério agora que as empresas gerenciam altos volumes de informações, informações pessoais de clientes, dados financeiros etc. No ano passado, a BSA encomendou à IDC uma pesquisa sobre a correlação entre as taxas de software não licenciado e malware. Eles encontraram foi uma correlação muito alta. Quanto maior a taxa de software de PC não licenciado, maior a probabilidade de os usuários experimentarem um malware potencialmente debilitante.

Há estudos nesse sentido sobre o Brasil?

Sim. Um outro estudo mostrou que o Brasil tem uma taxa de presença de malware de 31% em softwares não licenciados. Dados como esse mostram a escala potencial do problema que pode levar a questões graves, incluindo ameaças de segurança cibernética, riscos legais e financeiros associados às penalidades de utilização de software não licenciado, bem como os possíveis riscos de reputação.

É possível proteger o produto pirata da mesma forma que o licenciado?

Essencialmente não há nenhuma evidência de que o software não licenciado pode ser protegido com o mesmo grau de eficácia que o software licenciado. Principalmente, isso se deve ao fato de que o software não licenciado não receber upgrades contínuos como o licenciado. À medida que novas formas de malware são criadas a cada dia (por exemplo, 1 milhão de malwares foram criados a cada dia em 2014), as atualizações contínuas de software são criticamente importantes para manter o sistema o mais seguro possível.

Quais são os principais tipos de ataques que ocorrem por meio de software não licenciado?

A gama é muito expansiva aqui em termos de tipos de ataques em geral. Segundo a Symantec, 6% das violações de dados são causadas por roubo de informações privilegiadas, 36% por atacantes e 58% são causadas por um dispositivo acidentalmente exposto (ou seja, sem licença ou desprotegido), roubado ou perdido.

Jodie Kelley, da BSA / Divulgação
Jodie Kelley, da BSA / Divulgação

Como isso pode afetar uma empresa?

Somente em 2015, os ataques cibernéticos custaram a empresas em todo o mundo mais de US $ 400 bilhões, com 430 milhões de novas peças de malware descobertas naquele ano (36% de crescimento a partir de 2014). Sabemos também, graças à Symantec, que 65% de todos os ciberataques dirigidos em 2015 atingiram globalmente organizações de pequeno e médio porte. Um outro estudo mostrou que os brasileiros acreditam que a confiabilidade (93%) e o acesso ao suporte técnico (92%) são as maiores vantagens do software licenciado.

Quais são as razões que levam as pessoas a não usar software licenciado?

Ainda não sabemos exatamente, mas o principal motivo parece ser que os software sem licença ainda são muito mais baratos. É impossível competir com os programas piratas que não tem custos de pesquisa e desenvolvimento. Há casos de má gestão de licenças em que o usuário não está ciente ou faz pouco esforço para estar ciente de quantas licenças ele é realmente autorizados a usar. Na BSA, incentivamos todos os usuários a estar cientes de suas licenças e nunca sobreimplantar quaisquer licenças. Também incentivamos os usuários a desinstalar (e, portanto, não pagar em excesso) softwares que eles não utilizam atualmente.

O que pode acontecer com as empresas que usam programas piratas?

No Brasil, as medidas para violações de direitos autorais de software são duras, mas justas. A violação de direitos autorais no Brasil está sujeita a penalidades civis e criminais. Os danos estatutários no Brasil são projetados para servir a um propósito dissuasivo e para desencorajar a conduta ilícita.

Como assim?

A legislação brasileira estabelece que o software deve ser comparado a obras literárias e, como tal, determina que, sempre que o número de cópias infratoras não possa ser determinado, o tribunal deve aplicar um multiplicador de 3 mil vezes. Portanto, é definitivamente do interesse da organização utilizar software legal e evitar as conseqüências econômicas potencialmente graves associadas à captura com software não licenciado.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Projeto da Celesc com a Fundação Certi instalou dois eletropostos em Florianópolis / Bruno Berretta/Divulgação

Florianópolis ganha dois postos para abastecer veículos elétricos

  Florianópolis ganhou neste mês dois postos para abastecer veículos elétricos. Um dos eletropostos foi instalado no campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e outro no bairro Itacorubi. Santa Catarina conta ainda com um eletroposto em Araquari, no norte do Estado. Os postos fazem parte de um programa[…]

Leia mais »
Crescimento da computação em nuvem contribuiu para a queda da pirataria de software no Brasil / blockdev/Creative Commons

Como proteger as suas informações na nuvem

Nos últimos anos, a computação em nuvem despontou como uma solução eficiente para o mercado da tecnologia na medida em que o modelo permite ao consumidor comprar apenas as ferramentas que de fato precisa e irá usar. Ou seja, faz o software caber no bolso de quem não tem poder[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami