inova.jor

inova.jor

Maioria dos bancos não se sente capaz de detectar crime cibernético

Para a maioria dos clientes dos bancos, a segurança de dados é essencial / Ning Ham / Creative Commons
Para a maioria dos clientes dos bancos, a segurança de dados é essencial / Ning Ham/Creative Commons

Estudo realizado pela Capgemini, The currency of trust: why banks and insurers must make customer data safer and more secure (A moeda da confiança: por que bancos e seguradoras precisam tornar mais segura a transferência de dados do cliente), aponta que a maioria dos bancos não se sente capaz de detectar violação na segurança de seus sistemas.

Segundo o relatório, apenas um em cada cinco executivos bancários está altamente confiante na capacidade de detectar uma violação.

O índice de confiança dos próprios executivos é preocupante, pois 65% dos consumidores consultados consideram a segurança e a privacidade dos dados como um item extremamente importante na hora de escolher um banco.

O estudo ouviu 7,6 mil consumidores e mais de 180 profissionais de privacidade e segurança de dados de bancos e seguradoras em oito países.

O sistema financeiro brasileiro não foi consultado na pesquisa.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O MindSphere, da Siemens, permite analisar em tempo real dados gerados por máquinas / Renato Cruz/inova.jor

Siemens procura desenvolvedores de aplicativos para a indústria

HANNOVER Na chamada Indústria 4.0, as máquinas são conectadas e geram informações a partir de sensores. O software que controla o chão de fábrica está ligado ao sistema de gestão empresarial. É possível receber eletronicamente os pedidos dos clientes e fabricar produtos personalizados sem paradas da linha de produção para reconfigurá-la.[…]

Leia mais »
Stefanini afirma que outros países não fazem diferença entre atividade meio e atividade fim na terceirização / Renato Cruz/inova.jor

Stefanini: ‘Terceirização traz investimento e crescimento’

A Stefanini é uma empresa brasileira de tecnologia da informação que atua em 39 países. No Brasil, emprega 12 mil funcionários. O inova.jor conversou com Marco Stefanini, presidente global e fundador do grupo que leva seu nome, sobre a projeto de lei de terceirização aprovado ontem (22/3) pela Câmara. O[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami