inova.jor

inova.jor

Johnson & Johnson busca parceria com startups brasileiras para atender idosos

Desafio para startups da J&J quer atender necessidade dos idosos / SESC SP/Creative Commons
Desafio para startups da J&J quer atender necessidade dos idosos / Sesc SP/Creative Commons

A Johnson & Johnson busca startups latino-americanas que tenham soluções de saúde voltadas para idosos.

O programa Innovation Challenge on Aging Consumers aconteceu no Brasil por meio de parceria com a 100 Open Startups.

Está prevista para abril a divulgação do nome da startup vencedora do desafio. Ela vai desenvolver um projeto com técnicos da Johnson & Johnson, no laboratório da multinacional, no Texas, por seis meses.

Estratégia

John Bell, da Johnson & Johnson / Divulgação
John Bell, da Johnson & Johnson / Divulgação

Segundo John Bell, vice-presidente de inovação da Johnson & Johnson, as parcerias com startups fazem parte da estratégia mundial da companhia.

“Quando iniciamos nosso processo de inovação, sempre olhamos para as necessidades dos consumidores, pacientes e médicos. Em muitos casos, trabalhamos com startups, universidades e grandes empresas, de modo a combinar as forças deles com nossos pontos fortes”, disse Bell, em entrevista ao inova.jor.

Com o desafio, a multinacional quer desenvolver produtos inovadores voltados exclusivamente para a terceira idade. A ideia surgiu da tendência de haver, nos próximos anos, cada vez mais idosos ativos.

A multinacional não descarta novas conexões com startups brasileiras, além do programa em andamento.

“Estamos muito satisfeitos com a qualidade das idéias que as startups apresentaram e estamos ansiosos para ajudar a criar um ecossistema vibrante de startups e empreendedores inovadores no Brasil e na América Latina como um todo”, completou Bell.

Diferenças entre países

O especialista ressaltou as dificuldades de empresas multinacionais inovarem na área da saúde por conta das leis e burocracias específicas de cada país.

“Seria útil se mais países adotassem leis e regulamentações comparáveis, pois isso poderia acelerar o lançamento de soluções que beneficiem pacientes e consumidores”, disse. “Mas, dentro dos limites desses regulamentos e leis, há muitas oportunidades para a inovação.”

Ainda não foi divulgado quando a empresa abrirá uma nova rodada do programa de startups no Brasil.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Neurotech usa o reconhecimento facial para combater fraudes no varejo / Divulgação

Reconhecimento facial pode ser usado até em pagamentos

Grandes varejistas são vítimas de tentativas diárias de fraude. Com documentos falsos, criminosos tentam tirar cartões de crédito ou conseguir crediários. Segundo Wagner Coppede Jr., diretor de Soluções e Engenharia da NEC no Brasil, são registradas em média 5 mil tentativas diárias de fraude em lojas brasileiras. Para combater esse[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami