inova.jor

inova.jor

Johnson & Johnson busca parceria com startups brasileiras para atender idosos

Desafio para startups da J&J quer atender necessidade dos idosos / SESC SP/Creative Commons
Desafio para startups da J&J quer atender necessidade dos idosos / Sesc SP/Creative Commons

A Johnson & Johnson busca startups latino-americanas que tenham soluções de saúde voltadas para idosos.

O programa Innovation Challenge on Aging Consumers aconteceu no Brasil por meio de parceria com a 100 Open Startups.

Está prevista para abril a divulgação do nome da startup vencedora do desafio. Ela vai desenvolver um projeto com técnicos da Johnson & Johnson, no laboratório da multinacional, no Texas, por seis meses.

Estratégia

John Bell, da Johnson & Johnson / Divulgação
John Bell, da Johnson & Johnson / Divulgação

Segundo John Bell, vice-presidente de inovação da Johnson & Johnson, as parcerias com startups fazem parte da estratégia mundial da companhia.

“Quando iniciamos nosso processo de inovação, sempre olhamos para as necessidades dos consumidores, pacientes e médicos. Em muitos casos, trabalhamos com startups, universidades e grandes empresas, de modo a combinar as forças deles com nossos pontos fortes”, disse Bell, em entrevista ao inova.jor.

Com o desafio, a multinacional quer desenvolver produtos inovadores voltados exclusivamente para a terceira idade. A ideia surgiu da tendência de haver, nos próximos anos, cada vez mais idosos ativos.

A multinacional não descarta novas conexões com startups brasileiras, além do programa em andamento.

“Estamos muito satisfeitos com a qualidade das idéias que as startups apresentaram e estamos ansiosos para ajudar a criar um ecossistema vibrante de startups e empreendedores inovadores no Brasil e na América Latina como um todo”, completou Bell.

Diferenças entre países

O especialista ressaltou as dificuldades de empresas multinacionais inovarem na área da saúde por conta das leis e burocracias específicas de cada país.

“Seria útil se mais países adotassem leis e regulamentações comparáveis, pois isso poderia acelerar o lançamento de soluções que beneficiem pacientes e consumidores”, disse. “Mas, dentro dos limites desses regulamentos e leis, há muitas oportunidades para a inovação.”

Ainda não foi divulgado quando a empresa abrirá uma nova rodada do programa de startups no Brasil.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Camargo Corrêa Infra seleciona startups para serem fornecedoras ou parcerias / Divulgação

Camargo Corrêa Infra seleciona startups

A Camargo Corrêa Infra recebe inscrições para seu primeiro programa de startups, chamado Infra i9. O prazo termina em 29 de julho e os interessados podem se inscrever aqui. O programa procura startups que estejam pelo menos no estágio de produto mínimo viável (MVP, na sigla em inglês) desenvolvido e/ou[…]

Leia mais »
O Grupo Boticário não faz testes de cosméticos em animais desde 2000 / Guilherme Pupo/Divulgação

Boticário vai simular órgãos humanos num chip

O Grupo Boticário não faz testes com animais desde 2000. No ano passado, foi pioneiro no Brasil ao desenvolver pele humana reconstituída em laboratório. O novo projeto de pesquisa do Boticário na área de testes tem o objetivo de simular órgãos humanos num chip. “Trabalhamos com métodos alternativos há muito tempo”,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami