inova.jor

inova.jor

Como o tablet acabou virando coisa de criança

Depois dos 12 anos, o interesse dos jovens pelos tablets diminui consideravelmente / Steve Paine/Creative Commons
Depois dos 12 anos, o interesse dos jovens pelos tablets diminui consideravelmente / Steve Paine/Creative Commons

O lançamento do iPad, em 2010, foi acompanhado com um misto de desconfiança e euforia. Enquanto alguns se perguntavam para que as pessoas usariam um tablet, outros achavam que ele tinha potencial para resolver problemas de vários setores da economia (inclusive do jornalismo).

A realidade acabou ficando entre esses dois extremos. O tablet foi um produto de muito sucesso, mas não foi capaz de revolucionar o trabalho nem a forma como as pessoas consomem conteúdo.

A consultoria Deloitte, em seu relatório Technology, Media and Telecommunications Predictions 2017, questiona se o tablet já atingiu seu pico de mercado.

A previsão de vendas mundias para este ano são de 165 milhões de unidades, o que corresponde a uma queda de 10% sobre o ano passado.

Adolescência

Segundo a Deloitte, o tablet acabou perdendo espaço porque os smartphones acabaram se tornando maiores e os laptops  mais leves.

Dados da Deloitte mostram que o interesse dos jovens pelo tablet vai até os 12 anos. Na adolescência, cai consideravelmente e o principal dispositivo passa a ser o smartphone.

Posse de tablet e smartphone por idade / Deloitte

“Os tablets se tornaram rodinhas de bicicleta digitais”, afirmou Duncan Stewart, diretor de Pesquisa de Tecnologia, Mídia e Telecomunicações da Deloitte Canadá.

Ou seja, quando ganham mais experiência em dispositivos digitais, as crianças acabam preferindo smartphones.

Quando surgiu, o tablet foi visto como um instrumento promissor de automação de força de vendas, mas acabou sendo trocado por celulares de tela grande.

Atualmente, o espaço do dispositivo tornou-se mais restrito, sendo usado principalmente para consumo eventual de conteúdos, como Galinha Pintadinha ou Patrulha Canina.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Bancos já se tornaram empresas de tecnologia que oferecem serviços financeiros / Jennifer Morrow/Creative Commons

Com o avanço das fintechs, bancos travam corrida pelo futuro

“Aqui temos de correr tão rápido quanto possível só para ficarmos parados. Se você quiser ir a qualquer lugar, deve correr duas vezes mais rápido que isso.” A frase dita pelo Coelho Branco no clássico Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, não poderia definir melhor a situação dos[…]

Leia mais »
Produtores fazem análise de informações em tempo real com software de business intelligence / Kessy Silva/Creative Commons

Agronegócio mantém crescimento com tecnologia

No ano passado, quando o Produto Interno Bruto brasileiro caiu 3,8%, o único setor econômico a apresentar crescimento foi a agropecuária, que avançou 1,8%. Para ser competitivo no mercado internacional, o agronegócio faz uso intensivo de tecnologia. A tecnologia aplicada às commodities agrícolas vai de sementes geneticamente modificadas a internet das coisas para[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami