inova.jor

inova.jor

Como o tablet acabou virando coisa de criança

Depois dos 12 anos, o interesse dos jovens pelos tablets diminui consideravelmente / Steve Paine/Creative Commons
Depois dos 12 anos, o interesse dos jovens pelos tablets diminui consideravelmente / Steve Paine/Creative Commons

O lançamento do iPad, em 2010, foi acompanhado com um misto de desconfiança e euforia. Enquanto alguns se perguntavam para que as pessoas usariam um tablet, outros achavam que ele tinha potencial para resolver problemas de vários setores da economia (inclusive do jornalismo).

A realidade acabou ficando entre esses dois extremos. O tablet foi um produto de muito sucesso, mas não foi capaz de revolucionar o trabalho nem a forma como as pessoas consomem conteúdo.

A consultoria Deloitte, em seu relatório Technology, Media and Telecommunications Predictions 2017, questiona se o tablet já atingiu seu pico de mercado.

A previsão de vendas mundias para este ano são de 165 milhões de unidades, o que corresponde a uma queda de 10% sobre o ano passado.

Adolescência

Segundo a Deloitte, o tablet acabou perdendo espaço porque os smartphones acabaram se tornando maiores e os laptops  mais leves.

Dados da Deloitte mostram que o interesse dos jovens pelo tablet vai até os 12 anos. Na adolescência, cai consideravelmente e o principal dispositivo passa a ser o smartphone.

Posse de tablet e smartphone por idade / Deloitte

“Os tablets se tornaram rodinhas de bicicleta digitais”, afirmou Duncan Stewart, diretor de Pesquisa de Tecnologia, Mídia e Telecomunicações da Deloitte Canadá.

Ou seja, quando ganham mais experiência em dispositivos digitais, as crianças acabam preferindo smartphones.

Quando surgiu, o tablet foi visto como um instrumento promissor de automação de força de vendas, mas acabou sendo trocado por celulares de tela grande.

Atualmente, o espaço do dispositivo tornou-se mais restrito, sendo usado principalmente para consumo eventual de conteúdos, como Galinha Pintadinha ou Patrulha Canina.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Ronald Cesar Thompson, da Receita Federal, falou sobre reconhecimento facial no Start Eldorado / Divulgação

Start Eldorado: Como a Receita Federal usa o reconhecimento facial

A Receita Federal do Brasil adota reconhecimento facial  para combater evasão fiscal, crimes tributários e entrada de produtos proibidos em aeroportos internacionais. Na quarta-feira (27/6), Ronald Cesar Thompson, auditor da Receita, participou do programa Start Eldorado para falar sobre o tema. Você pode ouvir o programa abaixo: Quando ouvir O programa[…]

Leia mais »
Paulo Gallindo, da Brasscom, prevê que empresas vão operar no vermelho com o fim da desoneração / Divulgação

Brasscom: ‘Fim da desoneração da folha desorganiza o setor de TI’

O governo federal decidiu ontem (29/3) acabar com as medidas de desoneração da folha de pagamentos, para conseguir atingir a meta de déficit primário definida para o orçamento deste ano. A decisão afeta o setor de tecnologia da informação (TI). As empresas do setor podiam optar por recolher 4,5% do faturamento[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami