inova.jor

inova.jor

Finep: ‘Empresa brasileira precisa investir mais em pesquisa’

Marcos Cintra, presidente da Finep, participa de evento sobre IoT / Renato Cruz/inova.jor
Marcos Cintra, presidente da Finep, participa de evento sobre IoT / Renato Cruz/inova.jor

“As empresas brasileiras precisam investir mais em pesquisa e desenvolvimento. O maior investimento ainda é do governo e não vamos melhorar se continuarmos assim”, afirmou Marcos Cintra, presidente da Finep.

Cintra participou ontem (15/3) do Fórum Estadão IoT e Infraestrutura.

Segundo ele, o Brasil investe cerca de 1,3% do Produto Internet Bruto (PIB) em pesquisa e desenvolvimento, sendo o governo responsável por um 1%.

Na Coreia do Sul, o governo também investe 1% do PIB em pesquisa, mas a iniciativa privada investe outros 3%.

“O esforço do poder público tem sido gigantesco e respeitado no mundo inteiro. Mas o setor privado não tem respondido da mesma forma”, disse Cintra.

Produtividade

O presidente da Finep também classificou a evolução da produtividade do País como preocupante.

“Os índices hoje de produtividade do Brasil são vexatórios se comparados com outros países também em desenvolvimento”, disse Cintra. “O nosso índice cresceu apenas 4% nos últimos 14 anos, muito impulsionado por questões pontuais e externas.”

Segundo ele, a baixa produtividade do País dificulta a competição com outros países em desenvolvimento.

Itens usados para avaliar a competitividade dos países, como o nível da educação, tem transformado o Brasil num país menos atraente ao investimento.

A internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) é considerada uma ferramenta importante para auxiliar o Brasil a melhorar a produtividade.

O governo brasileiro prepara um Plano Nacional de Internet das Coisas.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O coworking possui área de descanso e relaxamento, inspirados nos escritórios do Vale do Silício / Divulgação

Aceleradora do Google busca startups brasileiras

A Launchpad Accelerator, aceleradora do Google, está recrutando startups que desejam participar da terceira turma de seu programa. O projeto será voltado para startups do Brasil, Índia, Indonésia e México. Com duração de seis meses, o programa terá início em 30 de janeiro do próximo ano. A primeira parte do[…]

Leia mais »
O acelerador de partículas Sirius tem aplicações em setores como saúde, energia e alimentação / Divulgação

Para que vai servir o novo acelerador de partículas brasileiro

O maior projeto científico brasileiro em andamento é o Sirius, acelerador de partículas que está sendo construído pelo Laboratório Nacional de Luz Síncroton (LNLS), em Campinas (SP). O LNLS faz parte do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). Com orçamento total de R$ 1,8 bilhão, o Sirius[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami