inova.jor

inova.jor

O que os bots têm a ver com a transformação digital

Bots em aplicativos de mensagens como WhatsApp são a aposta do mercado nacional / Edu Alpendre/Creative Commons
Bots em aplicativos de mensagens como WhatsApp são a aposta do mercado nacional / Edu Alpendre/Creative Commons

Os bots são uma das apostas do mercado brasileiro para a transformação digital das empresas. Esses robôs de bate-papo substituem atendentes humanos em operações repetitivas de acesso à informação.

O tema foi debatido durante o Bots Experience Day, hoje (20/03) em São Paulo.

Os bots tornaram-se famosos no ano passado com a divulgação do ChatBot, uma funcionalidade do Facebook que permite a conversa entre clientes e empresas por meio do Messenger.

O Brasil está entre os mercados mais promissores para o uso da tecnologia, segundo os especialistas. Isso porque, o País possui os usuários mais frequentes de aplicativos de mensagens instantâneas.

Usuários brasileiros

É o que diz a pesquisa sobre o Panorama da Mensageria no Brasil, concluído em fevereiro e apresentado no evento pela Mobile Time.

Segundo a pesquisa, 92% dos brasileiros usam WhatsApp todos os dias, seguido do Facebook Messeger (46,5%) e do Telegram (26,9%).

Quando são perguntados de possível interação com empresas por meio desses aplicativos, a pesquisa aponta que 76,3% dos usuários gostariam de fazê-lo pelo WhatsApp e 60,3% por meio do Facebook Messenger.

Transformação digital

Roberto Oliveira, presidente da Take, acredita que os bots nesses dois aplicativos de mensagens podem ajudar as empresas tradicionais.

“Os chatbots vão destravar o processo de transformação digital das empresas. Através deles é possível digitalizar a comunicação das grandes empresas e assim começar a transformação”, disse.

Entre os parceiros da Take, o Twitter é umas das empresas que mais tem apostado na tecnologia para se modificar.

Daniel Carvalho, diretor de desenvolvimento de novos negócios do Twitter para a América Latina, acredita que a tecnologia, junto com a internet das coisas, será responsável por novos mercados nos próximos anos.

“Com os bots é possível dar uma boa experiência para o usuário, assim como acontece com aplicativos. A diferença é que é muito mais barato fazer um bot, que não exige que se faça download para ser usado e não ocupa espaço no celular do usuário”, disse Carvalho.

Modelos de negócio

As formas de ganhar dinheiro com os bots ainda não foram totalmente estruturadas.

O Twitter, por exemplo, oferece serviços automatizados de forma gratuita para as empresas com perfis na rede social.

“Monetizamos com a promoção dos tweets. As empresas promovem ações e nos pagam para que essas ações sejam vistas”, completou.

Para Oliveira, o melhor modelo ainda é a cobrança de uma taxa usuário ou ainda por mensagens enviadas. “A primeira opção visa a experiência do cliente e é sem dúvida melhor”

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Foi lançado na USP o livro 'Automação & Sociedade: Quarta Revolução Industrial, um olhar para o Brasil' / Renato Cruz/inova.jor

Indústria 4.0: ‘Brasil subestima impacto da economia digital’

Os impactos da economia digital foram um tema importante para os chefes de Estado que participaram neste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. O economista Octavio de Barros, cofundador da Quantum4, acompanhou o evento. Segundo ele, representantes das 10 principais economias do mundo dedicaram mais da metade[…]

Leia mais »
Para Rudy De Waele, disrupção costuma criar valor para poucos / Divulgação

‘A disrupção tem impacto negativo na sociedade’

No desenho Wall-E, da Pixar, seres humanos obesos servidos por robôs já não conseguem resolver problemas simples sozinhos. Tudo está disponível ao clique de um botão. Ao mesmo tempo, os recursos naturais da Terra foram consumidos a ponto de o ambiente não ser mais favorável à vida. Na semana passada,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *