inova.jor

inova.jor

O que os bots têm a ver com a transformação digital

Bots em aplicativos de mensagens como WhatsApp são a aposta do mercado nacional / Edu Alpendre/Creative Commons
Bots em aplicativos de mensagens como WhatsApp são a aposta do mercado nacional / Edu Alpendre/Creative Commons

Os bots são uma das apostas do mercado brasileiro para a transformação digital das empresas. Esses robôs de bate-papo substituem atendentes humanos em operações repetitivas de acesso à informação.

O tema foi debatido durante o Bots Experience Day, hoje (20/03) em São Paulo.

Os bots tornaram-se famosos no ano passado com a divulgação do ChatBot, uma funcionalidade do Facebook que permite a conversa entre clientes e empresas por meio do Messenger.

O Brasil está entre os mercados mais promissores para o uso da tecnologia, segundo os especialistas. Isso porque, o País possui os usuários mais frequentes de aplicativos de mensagens instantâneas.

Usuários brasileiros

É o que diz a pesquisa sobre o Panorama da Mensageria no Brasil, concluído em fevereiro e apresentado no evento pela Mobile Time.

Segundo a pesquisa, 92% dos brasileiros usam WhatsApp todos os dias, seguido do Facebook Messeger (46,5%) e do Telegram (26,9%).

Quando são perguntados de possível interação com empresas por meio desses aplicativos, a pesquisa aponta que 76,3% dos usuários gostariam de fazê-lo pelo WhatsApp e 60,3% por meio do Facebook Messenger.

Transformação digital

Roberto Oliveira, presidente da Take, acredita que os bots nesses dois aplicativos de mensagens podem ajudar as empresas tradicionais.

“Os chatbots vão destravar o processo de transformação digital das empresas. Através deles é possível digitalizar a comunicação das grandes empresas e assim começar a transformação”, disse.

Entre os parceiros da Take, o Twitter é umas das empresas que mais tem apostado na tecnologia para se modificar.

Daniel Carvalho, diretor de desenvolvimento de novos negócios do Twitter para a América Latina, acredita que a tecnologia, junto com a internet das coisas, será responsável por novos mercados nos próximos anos.

“Com os bots é possível dar uma boa experiência para o usuário, assim como acontece com aplicativos. A diferença é que é muito mais barato fazer um bot, que não exige que se faça download para ser usado e não ocupa espaço no celular do usuário”, disse Carvalho.

Modelos de negócio

As formas de ganhar dinheiro com os bots ainda não foram totalmente estruturadas.

O Twitter, por exemplo, oferece serviços automatizados de forma gratuita para as empresas com perfis na rede social.

“Monetizamos com a promoção dos tweets. As empresas promovem ações e nos pagam para que essas ações sejam vistas”, completou.

Para Oliveira, o melhor modelo ainda é a cobrança de uma taxa usuário ou ainda por mensagens enviadas. “A primeira opção visa a experiência do cliente e é sem dúvida melhor”

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Ericson Scorsim lança o livro eletrônico 'Direito das Comunicações' / Divulgação

Como o direito das comunicações afeta as empresas

Apesar de usar intensivamente os serviços de comunicações (telefonia, internet e televisão), o brasileiro ainda conhece pouco as leis que regulamentam essas atividades e as obrigações das empresas do setor. Diante da escassez de livros sobre o tema, o advogado Ericson M. Scorsim, especialista em Direito das Comunicações, lançará nova[…]

Leia mais »
Fintechs: A Magnetis oferece planejamento de investimentos / Divulgação

Como as fintechs tornam o investimento mais acessível

Antes de criar a Magnetis, Luciano Tavares atuou por quase duas décadas como gestor de investimentos. Ao fundar a startup, sua ideia foi oferecer, a um público amplo, o planejamento financeiro que normalmente era restrito a quem tem muito dinheiro. A Magnetis é uma das fintechs (empresas de tecnologia que oferecem serviços financeiros)[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami