inova.jor

inova.jor

Stefanini: ‘Terceirização traz investimento e crescimento’

Stefanini afirma que outros países não fazem diferença entre atividade meio e atividade fim na terceirização / Renato Cruz/inova.jor
Stefanini afirma que outros países não fazem diferença entre atividade meio e atividade fim na terceirização / Renato Cruz/inova.jor

A Stefanini é uma empresa brasileira de tecnologia da informação que atua em 39 países. No Brasil, emprega 12 mil funcionários.

O inova.jor conversou com Marco Stefanini, presidente global e fundador do grupo que leva seu nome, sobre a projeto de lei de terceirização aprovado ontem (22/3) pela Câmara.

O que o senhor achou da aprovação do projeto?

É muito positiva a aprovação para mim. Ela faz parte de uma agenda muito positiva de reformas que trarão o Brasil para um patamar melhor de investimento e, consequentemente, de crescimento.

É mais um ponto de uma agenda corajosa que o governo está implementando.

É uma lei que ficou muitos anos parada. Uma lei simples, superobjetiva e que trará sem dúvida – no conjunto total, não é somente ela – uma perspectiva positiva para o Brasil ao longo do tempo.

O que muda para a Stefanini com a aprovação?

Até por força de um histórico, somos hoje 100% CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). E vamos continuar. Não vai mudar nada.

Essa lei não pretende regulamentar a relação da empresa prestadora de serviço com seu funcionário. Para essa regulamentação, existe a CLT.

O que ela regulamenta é a relação da Stefanini, e de qualquer empresa prestadora de serviço, com seu cliente.

A oposição acaba criando uma crítica habilidosa para confundir.

A lei regulamenta a relação do prestador de serviço com seu cliente. Ao fazer isso, tira incerteza jurídica. Menos incerteza jurídica é sinônimo de mais investimento e mais crescimento.

Quando a lei desburocratiza e tira algumas amarras das empresas, dá segurança jurídica e, automaticamente, deixa a economia fluir.

Que tipo de cliente o senhor consegue atender com segurança jurídica que antes não conseguia?

Na prática, o conceito de terceirização é global. É intenso em qualquer lugar do mundo. No Brasil também.

A relação fica mais organizada, mais consolidada, com a possibilidade de se especializar ainda mais. A lei é muito clara: é terceirização de serviços especializados.

Acho que é um ganho para o País.

O que o senhor acha do argumento de que o Brasil vai virar um país de pessoas jurídicas?

Por isso que eu falo é que uma crítica infundada. Quem regulamenta a minha relação com meus funcionários é a CLT, não é o contrato de terceirização.

O contrato de terceirização regulamenta minha relação com o cliente.

O que ele muda? O call center trabalha para banco e daí o funcionário do call center, que é CLT, vai lá e fala que é bancário.

Ele não é funcionário do banco. É funcionário de uma empresa de call center. Está fisicamente em outro lugar. A regra de subordinação é com a empresa de call center. O local de trabalho, as ordens, tudo isso.

Então por que ele vai falar que é bancário? Por causa dessa confusão. A lei termina essa confusão.

Agora o call center vai continuar contratando as pessoas como CLT. Eles criam essa confusão para defender sua posição.

É um conceito mundial a terceirização. Não é o Brasil que inventou. Aliás, o Brasil é bem mais atrasado por causa dessa confusão entre atividade fim e atividade meio.

Hoje é muito difícil de saber o que é atividade fim e atividade meio numa empresa.

Como o senhor vê a crítica de que o aumento da terceirização vai achatar salários, porque existe um intermediário que ganha dinheiro?

De novo, é uma desculpa muito restrita, muito sem visão, esse tipo de comentário. É exatamente o contrário.

De novo, a lei fala em terceirização especializada. O negócio de uma indústria é manufatura. O negócio do varejo é vender e comprar. Quem conhece de tecnologia somos nós.

Então, são criados níveis de especialização na mão de obra. Claramente, qual é o nível de carreira que essas empresas podem oferecer, ao contrário de nós, em que o core é tecnologia.

São comentários que procuram distorcer a realidade. É igual à reforma da previdência. As pessoas acabam manipulando um pouco as informações para defender o ponto de vista delas, que nem sempre é o correto.

A lei também permitiu aumentar o prazo de contratação do funcionário temporário. Qual é a sua opinião sobre isso?

Para nós, isso muda muito pouco. É uma regra que existe em todo lugar do mundo. Eu tenho vários países em que a gente pode contratar temporário dois anos.

Sabe quanto é no Peru? Cinco anos. Antes de virar funcionário. E a gente paga os direitos dele do mesmo jeito.

Esse aspecto é menor.

Como o senhor compara as regras de terceirização aprovadas ontem com a de outros países em que a Stefanini atua?

Nenhum país do mundo tem esse conceito de atividade fim e atividade meio. Somos sempre diferentes para pior. E não são só nos Estados Unidos, mas na Europa, que tem estado de bem estar social.

É uma distorção que está sendo corrigida.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Curso da THNK será oferecido no Brasil em junho / Divulgação

Quais são os desafios de ser um líder inovador

A inovação exige trabalho duro. Um grande desafio das empresas é, depois de coletar ideias, colocar em prática os projetos de inovação. Mark Vernooij, sócio da THNK, escola holandesa de liderança criativa, conversou com o inova.jor, sobre os desafios de ser um líder inovador. Ele destacou cinco características: É preciso[…]

Leia mais »
UPX investiu US$ 1,5 milhão na expansão para os Estados Unidos / Divulgação

UPX Technologies, de Campinas, expande atuação nos EUA

Especializada em segurança e infraestrutura de internet, a UPX Technologies se conectou, no início deste ano, a um dos principais pontos de troca de tráfego (PTTs) dos Estados Unidos, a FL-IX, na Flórida. Os PTTs funcionam como uma espécie de hubs em que provedores podem conectar os servidores, assim facilitam[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami