inova.jor

inova.jor

Cambly oferece curso de conversação em inglês por videoconferência

Carolina Zarur é a responsável pela Cambly no Brasil / Divulgação
Carolina Zarur é a responsável pela Cambly no Brasil / Divulgação

Conversação com nativos da língua inglesa disponíveis na hora e no dia que você quiser. Essa é a promessa da startup norte-americana Cambly, disponível tanto na versão desktop quanto para dispositivos móveis.

Para funcionar, basta informar que quer começar a aula, e a startup garante que em questões de segundos um professor irá iniciar o bate-papo por videoconferência.

Ex-Google

A ideia surgiu no Vale do Silício, em uma conversa entre dois engenheiros, à época, do Google, que tinham dificuldades em falar espanhol mesmo com o estudo tradicional.

“Em 2015, a empresa percebeu que muitos brasileiros usavam a plataforma, mesmo o site sendo todo em inglês. Na época, o Brasil já era o principal mercado da Cambly, mesmo sem investimento nenhum”, diz Carolina Zarur, atual responsável pela startup no Brasil.

A startup não abre números de quantos clientes têm no Brasil, mas diz que teve um crescimento orgânico de 40% em janeiro e desde então não para de adquirir novos alunos locais.

Pensando em se fortalecer no mercado nacional, a Cambly recebeu no ano passado R$ 1 milhão do fundo brasileiro de investimentos Monashees, que tem na sua carteira empresas como 99.

“Esperamos que a startup quadruplique o número de alunos brasileiros até o fim do ano. Mas pelos nossos cálculos recentes, já sabendo que vamos fechar essa meta antes do fim do ano”, diz Zarur que descarta novas rodadas de investimentos para os próximos meses.

Tecnologia

Para garantir o serviço os 15 funcionários da Cambly usam APIs (interface de programação de aplicativos, na sigla em inglês) de outras empresas para manter a estabilidade das videoconferências e gravar as aulas.

A análise de dados dos clientes, especialidade dos fundadores, também ajuda a manter a plataforma disponível por 24 horas e sete dias por semana.

“Colocamos os professores de diferentes fuso horário, em turnos específicos, de acordo com a demanda. Assim, garantimos que os alunos tenham aula sempre que quiserem e no horário que desejarem”, diz a executiva.

Público brasileiro

Na segunda quinzena de março, a plataforma lançou ainda a opção de vídeo-aulas em grupos. A demanda havia sido feita por brasileiros, que precisavam de um serviço a custo mais acessível.

A possibilidade de fazer aulas com outras pessoas já está disponível para os usuários de outros países, com preços 40% menores do que as aulas realizadas com professores particulares.

Os pacotes de aulas são definidos pelos próprios alunos, que escolhem quantas horas e dias da semana pretendem fazer a conversação. Os preços variam de R$ 29,40 a R$ R$587,40 por mês.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Nintendo tentou colocar a realidade virtual no mercado há 20 anos, com o Virtual Boy, mas não deu certo

Quando a realidade virtual era o futuro da tecnologia

O pesquisador Jaron Lanier é conhecido hoje por ser autor de livros como Gadget: você não é um aplicativo e Bem-vindo ao futuro, em que propõe que mudemos a forma como nos relacionamos com a tecnologia. No século passado, no entanto, ele era conhecido como o principal defensor da realidade virtual. Muita gente achava que[…]

Leia mais »
Fintechs: A Magnetis oferece planejamento de investimentos / Divulgação

Como as fintechs tornam o investimento mais acessível

Antes de criar a Magnetis, Luciano Tavares atuou por quase duas décadas como gestor de investimentos. Ao fundar a startup, sua ideia foi oferecer, a um público amplo, o planejamento financeiro que normalmente era restrito a quem tem muito dinheiro. A Magnetis é uma das fintechs (empresas de tecnologia que oferecem serviços financeiros)[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami