inova.jor

inova.jor

Limitar a banda larga é limitar o desenvolvimento do País

A ampliação dos investimentos em infraestrutura de banda larga é fundamental / Divulgação
A ampliação dos investimentos em infraestrutura de banda larga é fundamental / Divulgação

O problema da limitação da banda larga, seja a fixa ou a móvel, vai além de uma questão governamental ou de um Projeto de Lei.

O ponto nefrálgico dessa discussão está em uma disputa entre operadoras e over the top (OTTs) – empresas que oferecem serviços sobre a Internet: jogos, buscadores, vídeos e áudios -, que têm no desequilíbrio da rentabilidade seu foco central.

Enquanto as primeiras, que investem em infraestrutura, precisam constantemente lidar com margens mais apertadas em suas receitas, as OTTs, que necessitam da criação de uma infraestrutura para ofertar seus serviços, encontram-se em uma situação mais cômoda.

A opção por limitar a banda larga não solucionaria esse problema, mas o ocultaria. Trata-se, portanto, de um grande equívoco, um retrocesso.

Em tempos em que discutimos e aspiramos pelo crescimento do movimento de inclusão digital e que clamamos por estimular o consumo, uma decisão como essa caminha na contramão do processo de desenvolvimento de um país e afeta substancialmente o acesso à cultura, à educação e à informação.

Projeto de lei

Rafael Pistono, da Angola Cables / Divulgação
Rafael Pistono, da Angola Cables / Divulgação

O Projeto de lei nº 174/2016, que proíbe a adoção de franquia limitada de dados nos planos de banda larga fixa no Brasil, foi aprovado no Senado Federal e tramita agora na Câmara dos Deputados, para posterior sanção ou veto do Presidente da República.

Foi a primeira vitória da coerência e da vontade da opinião pública – em menos de uma semana, um abaixo assinado online no site do Avaaz já reunia mais de 1,6 milhão de assinaturas contra a referida medida.

De igual modo, o DataSenado realizou uma enquete sobre a limitação de dados na internet de banda larga fixa e quase todos (99%) dos 608.470 internautas que participaram foram contra a medida.

Caso não passasse na primeira casa, a medida traria impactos devastadores à economia e à sociedade como um todo:

  • o brasileiro passaria a ter um limite para realizar práticas simples, como mandar um e-mail com foto anexada ou baixar e assistir a filmes e séries em serviços de streaming como o Netflix ou, ainda, fazer download e upload de arquivos;
  • empreendedores e profissionais autônomos passariam a ficar limitados, criando, assim, obstáculos para suas práticas comerciais;
  • grandes empresas, multinacionais e instituições financeiras teriam limite para efetuar transações e operações com o exterior;
  • entre outras consequências desastrosas que representariam uma freada ao desenvolvimento dos mercados corporativo e industrial, afetariam o setor econômico e a competitividade em um mundo cada vez mais globalizado, impediriam avanços de inovações.

Tendência mundial

Durante a discussão da limitação, houve quem apontasse a iniciativa como uma tendência mundial. Mas, de acordo com a Proteste – Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, dos 190 países monitorados pela União Internacional de Telecomunicações (UIT), 130 oferecem prioritariamente planos de banda larga fixa com internet ilimitada.

Apenas três dos dez países mais bem posicionados no ranking de tecnologias da informação e comunicação têm planos prioritariamente limitados.

Mais do que limitar a banda larga, existe a necessidade de uma redistribuição de receita, que necessita ser mais equilibrada, permitindo, desse modo, que a empresa que invista na infraestrutura consiga manter seu negócio estável e saudável.

A ampliação dos investimentos é fundamental para abrir novos caminhos para trafegar um volume cada vez maior de informações e dados, atender uma demanda que jamais pode ser reprimida e que tende a crescer ainda mais, impulsionar o acesso à informação e, sobretudo, continuar a promover o desenvolvimento econômico, social e cultural do país de forma contínua e ilimitada.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Operadoras competitivas são as que mais crescem, segundo estudo da TelComp e da Teleco / Renato Cruz/inova.jor

Onde está a competição nas telecomunicações brasileiras

Os consumidores podem ter a impressão de que a competição no mercado de telecomunicações se resume à telefonia móvel, em que há quatro grandes operadoras. Nos últimos anos, no entanto, o crescimento têm vindo de empresas menores, muitas delas startups, apesar de todas as adversidades. “As pessoas conhecem as quatro[…]

Leia mais »
Brasileiros têm concentrado comunicação em aplicativos como o WhatsApp

Como as fintechs ampliam o acesso ao crédito no Brasil

As fintechs, empresas que criam soluções tecnológicas e inovadoras para o mercado de serviços financeiros, têm transformado a economia e o modo como as pessoas se relacionam com suas finanças no mundo e no Brasil. No mercado de crédito, essas empresas, inclusive, têm contribuído significativamente para aumentar o acesso e[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami