inova.jor

inova.jor

Nos EUA, setor de TI segue aberto a profissionais brasileiros

EUA: O Vale do Silício, na Califórnia, concentra empresas e laboratórios de tecnologia / hjl/Creative Commons
O Vale do Silício, na Califórnia, concentra empresas e laboratórios de tecnologia / hjl/Creative Commons

O setor de tecnologia da informação (TI) sempre foi caracterizado pela inovação e pelo investimento intensivo de recursos financeiros em talentos profissionais.

Essa tem sido a característica marcante para garantir as condições necessárias ao desenvolvimento de serviços e soluções, em benefício de usuários (consumidores) e empresas, com reflexos na evolução sustentável da sociedade.

Muitos países se destacam nesse segmento, mas os Estados Unidos, maior economia do mundo, seguem liderando. O Vale do Silício, na Califórnia, concentra o maior número de companhias e laboratórios de inovação e tecnologia de ponta.

Sendo assim, é natural que o país atraia cada vez mais profissionais de TI interessados em fazer parte dessa história e do desenvolvimento de novas tendências e produtos.

Muitos brasileiros fazem parte desse momento, dando muitas contribuições. E muitos outros almejam uma oportunidade, seja via um empregador local, por meio de incentivos ou bolsas como pesquisadores ou até mesmo como empreendedores, criando ou participando do lançamento de startups.

Leonardo Freitas, da Hayman-Woodward / Divulgação
Leonardo Freitas, da Hayman-Woodward / Divulgação

Trabalho temporário

Após a posse de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos, muito se falou sobre possíveis restrições à entrada de imigrantes no país.

Mas é importante frisar que independente da retórica do mundo político, as normas e procedimentos administrativos do Departamento de Imigração dos Estados Unidos (USCIS) são constantemente revisadas.

Além disso, cidadãos brasileiros ou portadores de passaporte brasileiro não estão no centro das recentes medidas.

Os EUA seguem oferecendo diversas oportunidades a profissionais com sólida formação e com habilidades diferenciadas em suas áreas de atuação.

Especificamente na área de TI, o sonho de consumo de muitos profissionais é o visto H1-B que contempla uma autorização de trabalho temporário, geralmente com duração de até três anos, passível de ser renovado.

O foco principal dessa categoria de visto são profissionais qualificados, com formação universitária ou experiência de trabalho equivalente.

Essa categoria de visto normalmente atende uma demanda específica, como na área de tecnologia por exemplo, em que  a necessidade é muito maior do que a capacidade do país em suprir essa escassez.

Outras opções

Mas essa opção de visto H1-B é limitada, com cota de 65 mil por ano (cap season) e mais 20 mil ofertas para profissionais com mestrado e doutorado. Além disso, ela não é a solução para todos os perfis de profissionais.

Existem outras opções de vistos para profissionais com alto grau de qualificação acadêmica e sólida atuação profissional que garantem um Green Card direto, inclusive sem a necessidade de uma oferta formal de um empregador americano.

Mas cada caso é único. E precisa ser analisado dessa forma, levando-se em consideração as melhores alternativas disponíveis, seguindo sempre as regras e procedimentos legais.

Entre os muitos aspectos positivos está o fato, de que apesar da retórica adotada durante a campanha eleitoral, os EUA dependem da mão de obra dos imigrantes.

Não se consegue abrir mão desse potencial em um momento em que se planeja uma expansão mais forte da economia.

Além disso, a força de trabalho imigrante deve ajudar os EUA a escaparem dos efeitos nocivos da queda da curva demográfica e seus impactos na economia nas próximas décadas.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Em Florianópolis, as empresas de tecnologia já são as maiores geradoras de ISS para os cofres públicos / Divulgação

‘Precisamos acordar e usar a inovação para vencer a crise’

A última edição do Índice de Inovação da Bloomberg, divulgado no começo deste ano, coloca o Brasil numa situação bastante desconfortável. Entre as 50 economias mais inovadoras do estudo, estamos na 46ª posição. Atrás de nós estão países como Chipre, Cazaquistão e Marrocos, que não são notadamente reconhecidos pela vocação tecnológica.[…]

Leia mais »
No Rio, a região portuária recebeu uma série de novos serviços digitais / Renato Cruz/inova.jor

Por que nossas cidades precisam ser mais inteligentes

Entre os principais desafios das grandes cidades do mundo está a mobilidade urbana. Seja pela dificuldade cada vez maior para se deslocar, pela quantidade crescente de automóveis ou pela escassez de locais para estacionar os veículos, ver-se livre desses problemas exige, no curtíssimo prazo, mudar de endereço e escolher uma[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami