inova.jor

inova.jor

Como o compartilhamento de dados incentiva os corredores

Troca de informações entre corredores tem um impacto real e mensurável / Robson Leandro da Silva/Creative Commons
Troca de informações entre corredores tem um impacto real e mensurável / Robson Leandro da Silva/Creative Commons

No último final da semana, a Nike promoveu a Breaking2, em que corredores de elite tinham o objetivo de cumprir os 42 quilômetros que compõem uma maratona em menos de duas horas.

Em Monza, na Itália, os atletas Eliud Kipchoge, Zersenay Tadese e Lelisa Desisa tentaram bater esse recorde.

O melhor tempo foi de Kipchoge, que terminou a prova com 2:00:25, batendo o recorde mundial atual em 2 minutos e 32 segundos.

O resultado não foi considerado oficial por não seguir as regras da International Association of Athletics Federations.

Apesar de ser um evento fechado, qualquer pessoa com acesso à internet e redes sociais conseguiu acompanhar a preparação dos atletas, a corrida e a tecnologia utilizada durante o evento.

Para a marca, a ação não representou apenas uma corrida. Foi um momento de compartilhar dados de performance de um atleta de ponta e inspirar toda uma comunidade de corredores pelo mundo.

transmissão ao vivo da corrida teve mais de 550 mil visualizações. Segundo a ferramenta Brandwatch, a Nike teve quase 600 mil menções nas mídias sociais, com a hashtag #Breaking2 sendo usada mais de 400 mil vezes.

Competição e tecnologia

Os resultados alcançados pela Nike mostram uma tendência mundial no mundo esportivo.

Com a tecnologia dos vestíveis e o compartilhamento de dados de performance, corredores conseguem medir, registrar e comparar seu desempenho em tempo real.

Em um estudo recente publicado na Nature Communications, Sinan Aral e Christos Nicolaides, pesquisadores da MIT Sloan School of Management, registraram os padrões diários de exercícios, localizações geográficas e laços de redes sociais de mais de 1 milhão de pessoas que correram mais de 350 milhões de quilômetros em cinco anos.

Os cientistas conseguiram evidências de que o exercício físico é socialmente contagioso e que seu poder de contágio varia de acordo com os níveis de atividade e relações de gênero entre amigos.

Efeitos sociais no comportamento de corredores – S. Aral e C. Nicolaides Nature Commun. 8, 14753, 2017

Os corredores de menor desempenho influenciam os corredores de maior desempenho, enquanto o contrário não é verdade.

A maioria dos corredores neste estudo foi motivada por uma ambição de ​​manter-se à frente dos que apresentam menor desempenho do que eles.

E quando eles vêem seus amigos correr mais rápido e mais longe, eles se empenham em manter resultados maiores que os amigos.

Em relação ao gênero, os homens são afetados pelos padrões de corrida dos seus amigos do sexo masculino e feminino, enquanto as mulheres são influenciadas apenas por suas amigas.

De acordo com o estudo, foi possível concluir que pessoas que possuem muitos amigos em comum, proporcionam um incentivo adicional para acompanhar a performance dos amigos, pois há maiores oportunidades de recompensas sociais por comportamentos positivos dentro dos núcleos em comum.

Sensores e redes sociais

O estudo apresenta algumas evidências importantes sobre como os hábitos relacionados à prática esportiva podem se espalhar e, com isso, possam ser encorajados pela influência e pressão social.

Por causa disso, empresas esportivas podem ter cada vez mais sucesso em ações que unam sensores e redes sociais no lugar de campanhas de marketing tradicionais.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Unisys: Até 2018, as áreas de negócios das companhias serão responsáveis por metade dos gastos com tecnologia / Divulgação

‘Toda empresa é uma empresa de tecnologia’

É fato que os papeis do diretor financeiro (CFO, na sigla em inglês) e do diretor presidente (CEO, na sigla em inglês) estão em constante evolução. Se antes o perfil de alguns deles era o de comandar a companhia de sua sala e conduzir as mudanças com base em benchmarking[…]

Leia mais »
Martijn de Waal defende o uso de ferramentas digitais em projetos de urbanização / Renato Cruz/Inova.jor

Quatro maneiras de hackear sua cidade

Martijn de Waal, pesquisador da Universidade de Ciências Aplicadas de Amsterdã, não gosta do conceito de cidade inteligente. Ontem (16/3), durante apresentação no Red Bull Station, em São Paulo, ele mostrou uma série de imagens de cidades inteligentes. “Quando as pessoas falam desse assunto, normalmente acabam em coisas como estas”, afirmou,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami