inova.jor

inova.jor

WannaCry é ponto de inflexão na indústria de segurança

WannaCry explora vulnerabilidade que já era conhecida da comunidade de segurança / Creativity103/Creative Commons
WannaCry explora vulnerabilidade que já era conhecida da comunidade de segurança / Creativity103/Creative Commons

Como já é de amplo conhecimento público, o código malicioso WannaCry atingiu escala mundial, afetando, até o momento desta analise, cerca de 200 mil sistemas em mais de 150 países.

Desse total, a Rússia aparece como o pais mais afetado, com 113.692 sistema, e o Brasil é o quinto da lista, com 2.114.

Ontem (15/5), já circulavam nos fóruns de discussão técnica os nomes das empresas, envolvendo desde grandes operadoras de telecomunicações, provedores de acesso, multinacionais de tecnologia no país, data centers, área de transportes e governos estaduais, além do mercado corporativo.

O preço pelo resgate dos dados (o,1781 bitcoin, cerca de U$ 300) que ficaram encriptados pelo ransomware foi estipulado na moeda digital pela impossibilidade de rastreamento.

Apesar do elevado número de sistemas afetados, estima-se que apenas 231 pagamentos já tenham sido feitos, totalizando U$ 60.898.

Essa quantia pode parecer irrisória perante a extrema visibilidade e impactos que esse incidente, ainda em curso, esta causando.

Físico e digital

Leonardo Scudere. da SSIC / Divulgação
Leonardo Scudere. da SSIC / Divulgação

No meu livro Risco Digital (2006) e na sua sequência em Risco Digital na Web 3.0 (2015), descrevi como em algum momento a sociedade do mundo chamado de físico seria afetada pelo digital.

Culturalmente os usuários têm a percepção de que o físico domina o digital, sendo que esse foi construido a partir de decisões envolvendo construção de redes, data centers e demais infraestruturas tecnológicas na dimensão física.

Porém, à medida em que o ambiente digital tornou-se a plataforma predominante de negócios, lazer e entretenimento e suporte a áreas como educação e saúde, por exemplo, esse domínio começou a adquirir vida própria e a definir todo um novo modelo operativo que é de quase total desconhecimento e/ou incompreensão pela sociedade em geral.

Sempre que atuo na investigação cibernética de casos e ocorrências percebo – em função da crise e criticidade da situação – o envolvimento direto do nível executivo das empresas, na ânsia frenética de saber os motivos e encontrar o mais rapidamente possível os envolvidos.

Porém, em outros momentos, digamos de normalidade, o chamado C-level não busca envolvimento nas decisões de investimentos de segurança cibernética.

Distância

Já há algum tempo tenho atuado como advisor (conselheiro) de cyber-security no conselho de empresas, em reuniões periódicas para tomada de decisões corporativas.

Nesses momentos, opino junto aos gestores sobre demandas das áreas técnicas e, em muitos casos, faço o papel de “ponte de conhecimento e linguagem” para que eles entendam essas solicitações, seus objetivos e consequentes benefícios pretendidos.

Torna-se portanto óbvio que, apesar da grande evolução do mercado tecnológico com a entrada de empresas de todas as partes do mundo nos mais variados aspectos da segurança cibernética (temos hoje cerca de 25 tecnologias especificas), existem um grande vácuo entre os CIOS/CISOs e o restante do chamado C-level.

Nesse ataque em andamento, cidadãos comuns das mais variadas partes do mundo subitamente têm sua dinâmica de vida e compromissos afetados. Uma consulta no posto de saúde não pode ser feita, não há sistemas, uma audiência jurídica tem de ser reagendada, pagamentos não podem ser honrados no vencimento e assim por diante, numa extensa lista de múltiplas consequências ainda imprevisíveis.

O valor absoluto dos resgates já pagos (U$ 60.898) é ínfimo perante o custo indireto de todas essas milhares de situações que não puderam seguir seu ritmo normal.

Ponto de inflexão

Do ponto de vista puramente técnico, trata-se de uma vulnerabilidade que já era de conhecimento da comunidade de segurança, como centenas de outras a que temos acesso nos fóruns de discussão.

Porém, do ponto de vista executivo e pela ampla cobertura da mídia internacional, o WannaCry será sem dúvida um ponto de inflexão na indústria de segurança.

Enquanto as empresas e órgãos governamentais não creditarem à segurança cibernética sua adequada importância na chamada transformação digital , mantendo esse imenso vácuo de comunicação entre as áreas técnicas e os níveis de tomada de decisão, mais e mais incidentes como estes vão ocorrer.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Evento do inova.jor, com patrocínio da Unisys, reuniu líderes do setor bancário em mesa redonda sobre transformação digital

Quais são os caminhos dos bancos para a transformação digital

O setor bancário, assim como outros segmentos da economia, enfrenta um momento de grandes mudanças rumo à transformação digital. Nessa jornada, mais que mudar a infraestrutura de tecnologia da informação (TI) e processos, as empresas do setor devem passar por uma transição cultural para atender às novas demandas dos clientes.[…]

Leia mais »
A internet das coisas pode fazer o trânsito fluir entre 5% e 25% melhor / Renato Cruz/inova.jor

O que esperar do Plano Nacional de IoT

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançaram recentemente o Plano Nacional de IoT (internet das coisas, na sigla em inglês). O documento pretende guiar políticas públicas e ações da área entre 2018 e 2022 em quatro vertentes[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami