inova.jor

inova.jor

Brasil cai no ranking de inovação em tecnologia limpa

Tecnologia limpa: O etanol celulósico é uma das áreas promissoras para o Brasil nos próximos anos / Secr. Agricultura SP/Creative Commons
O etanol celulósico é uma das áreas promissoras para o Brasil nos próximos anos / Secr. Agricultura SP/Creative Commons

O Brasil caiu cinco posições no ranking de inovação em tecnologia limpa, ficando em 30.º lugar entre 40 países analisados.

A informação está disponível na terceira edição do relatório Global CleanTech Innovation Index, do WWF. O estudo anterior havia sido divulgado em 2014.

A principal queda do Brasil foi no indicador de inovação de tecnologia limpa comercializada, em que o País passou do 2.º lugar para o 29.º.

Segundo o diretor executivo do WWF-Brasil, Maurício Voivodic, o foco no pré-sal fez com que o Brasil perdesse, nos últimos anos, espaço em biocombustíveis e outras fontes renováveis de energia.

O destaque positivo para o Brasil foi na atividade empreendedora em estágio inicial, em que o País ficou em 1.º entre os 40 países.

Isso significa que o mercado brasileiro é promissor no médio e no longo prazo, desde que haja fontes de financiamento e políticas públicas favoráveis.

O coordenador do programa Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, destaca oportunidades para o País nas seguintes áreas:

  • etanol celulósico,
  • uso de algas para produção de energia,
  • mini e microgeração de eletricidade,
  • bioquerosene para aviação, e
  • agricultura de baixo carbono

Cenários de inovação

As três melhores posições do índice foram ocupadas por Dinamarca, Finlândia e Suécia.

O estudo levou em conta três cenários de inovação em tecnologia limpa:

  • criadores de ecossistemas, em que se destacam países como Dinamarca, Suécia e Estados Unidos;
  • criadores de startups, como Israel, Finlândia e Canadá; e
  • comercializadores, como Alemanha, Cingapura e Coreia do Sul.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Capgemini promove competição mundial de startups

Startups de todo o mundo podem se inscrever na competição InnovatorsRace50, criado pela consultoria Capgemini. Cinco startups serão premiadas com US$ 50 mil em investimento equity-free, ou seja, sem participação acionária em troca do aporte. Ao todo, 50 novas empresas serão selecionadas e divididas em cinco grupos de interesses: govtech & empresas[…]

Leia mais »
O lago do Januacá é uma das regiões escolhidas para estudar os impactos ambientais na Amazônia / Rodrigo Borges

Sensores monitoram mudança climática na Amazônia

Um grupo de 150 cientistas de diversos países vai aplicar sensores e análise de dados para estudar o funcionamento da Amazônia em condições naturais e como ele será afetado pelas mudanças no uso de solo e clima. A agenda foi definida em encontro do Programa de Grande Escala Biosfera-Atmosfera na Amazônia[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami