inova.jor

inova.jor

Quais são as vantagens de um MBA internacional no setor de TI

MBA: Uma experiência no exterior amplia horizontes profissionais, culturais e pessoais / Don McCullough/Creative Commons
Uma experiência no exterior amplia horizontes profissionais, culturais e pessoais / Don McCullough/Creative Commons

O segmento de tecnologia da informação (TI) e todo o ecossistema derivado dessa importante indústria gera um volume incrível de conhecimento novo a cada dia, em todo o mundo.

Esse universo que se reinventa diariamente, de forma veloz e exponencial, produz, além de muitas oportunidades de carreira e de novos negócios, ansiedade nos profissionais do setor.

Os especialistas sabem da importância e da necessidade de se reciclarem de forma quase que constante. O risco de ficar de fora das novas tendências em TI é ter os movimentos limitados nessa evolução.

Mas, num cenário real, com agendas repletas de compromissos profissionais, longas reuniões para desenvolvimento de projetos, muitas horas gastas em deslocamentos nas principais cidades, uma opção a ser levada em consideração, com o devido e necessário planejamento prévio, é uma imersão no exterior para promover essa atualização essencial, tanto sob o ponto de vista profissional como também sob uma ótica mais pessoal.

Duração e preço

As opções são vastas, a começar pelos países que oferecem esses programas. Existem ótimas opções na Europa, no Canadá e inclusive no Brasil. Mas os Estados Unidos ainda lideram nesse quesito.

O tempo médio de duração desses cursos costuma ser de um ano, mas isso pode variar muito, inclusive nos preços. Os mais extensos, com mais disciplinas e conteúdos, ou com maior procura por vaga costumam ser mais caros.

Mas uma atitude prudente antes de se lançar nessa jornada é buscar informações sobre o programa e sobre a escola, conversar com ex-alunos e tentar obter o máximo de detalhes possível.

Se a escola e o curso não forem coerentes com a sua atual área ou com um futuro campo em que se planeja iniciar uma transição, talvez seja melhor calibrar o foco em busca de algo que realmente atenda suas expectativas e seja condizente com seu orçamento.

Vale lembrar que muitas universidades oferecem bolsas parciais ou na totalidade para alguns estudantes.

O valor do MBA

Leonardo Freitas, da Hayman-Woodward / Divulgação
Leonardo Freitas, da Hayman-Woodward / Divulgação

Um outro ponto a ser destacado é o fato de que cursar um programa cobiçado não significa que o profissional recém-qualificado terá sucesso automático, promoções ou aumento de salários.

Isso pode acontecer, mas depende de muitos aspectos.

O valor de um MBA na carreira muitas vezes é atribuído pelo próprio mercado, ou seja, por quem contrata o profissional.

Para muitas empresas, ter um especialista com certificações, como em gestão de projetos, ou até mesmo em produtos específicos é mais importante do que um funcionário com um master.

Mas isso não é uma regra, apenas um aspecto do mundo do trabalho que também precisa ser contextualizado.

Os programas de MBA no setor de TI em geral cumprem um papel importante ao alinhar a visão do profissional com os aspectos mais gerenciais dos projetos e e do business.

Sendo, dessa forma, uma ponte entre a atuação de campo propriamente dita e a formulação e gestão das estratégias de desenvolvimento dos negócios.

Experiência no exterior

Como muitas operações envolvendo tecnologia estão voltadas para melhoria dos processos operacionais e administrativos, ampliação da eficiência e geração de valor para o negócio, um MBA pode contribuir muito com os profissionais do setor.

Independente do curso ou do programa escolhido, a experiência adquirida nesse processo é algo de valor intangível, muito valioso mas difícil de quantificar pelo fato de ser uma situação única, absorvida de forma diferente de pessoa para pessoa.

Uma experiência no exterior amplia horizontes profissionais, culturais e pessoais por causa de muitos fatores: contato com outras línguas, etiqueta social diferente, conduta social e corporativa diferenciada entre outros.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A internet das coisas pode fazer o trânsito fluir entre 5% e 25% melhor / Renato Cruz/inova.jor

O que esperar do Plano Nacional de IoT

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançaram recentemente o Plano Nacional de IoT (internet das coisas, na sigla em inglês). O documento pretende guiar políticas públicas e ações da área entre 2018 e 2022 em quatro vertentes[…]

Leia mais »
Presidente da Abrint destaca que a internet das coisas depende da expansão da banda larga / Groman123/Creative Commons

Ampliação da banda larga depende de fundo garantidor

Levar fibra óptica aos municípios menores e mais afastados dos grandes centros não é tarefa fácil nem barata. O esforço dos provedores regionais para que isso aconteça tem contribuído para o crescimento anual de 4,79% no número de acessos fixos, totalizando cerca de 26 milhões. Apesar desse crescimento, há ainda[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami