inova.jor

inova.jor

De onde deve vir o crescimento no mercado de mídia

Mídia: David Lynch interpreta Gordon Cole na volta do seriado Twin Peaks / Reprodução
David Lynch interpreta Gordon Cole na volta do seriado Twin Peaks / Reprodução

O mercado de entretenimento e mídia está desacelerando. A PwC prevê que, nos próximos cinco anos, o crescimento médio global do setor deve ficar em 4,2%.

A projeção do ano passado era de 4,4% de expansão anual.

A participação de entretenimento e mídia no Produto Interno Bruto (PIB) global deve cair de 2,54% neste ano para 2,39% em 2021.

Muitos grandes mercados parecem ter alcançado um ponto de saturação, segundo a consultoria:

    “Conforme consumidores compram assinaturas de streaming no lugar de downloads de músicas, e anunciantes fazem aquisições segmentadas online no lugar de buscar a mídia de massa, seus gastos gerais talvez não cresçam tão rápido quanto no passado.”

Áreas de crescimento

Somente jornais e revistas devem apresentar queda em números absolutos.

Os motores do crescimento, com avanço acima da média da economia, serão quatro: vídeo via internet, publicidade online, videogames e acesso à internet.

O estudo não levou em conta os segmentos de e-sports e realidade virtual, pois, por partirem de uma base muito pequena, têm crescimentos projetados elevados.

Projeção de crescimento do mercado de mídia e entretenimento / Fonte: PwC

O faturamento do vídeo via internet deve registrar um crescimento médio anual de 6%, já descontada uma expansão de 5,6% do PIB mundial.

Os jornais, por outro lado, devem diminuir 8,3% ano ano. A TV e o vídeo tradicionais têm uma queda esperada de 4,2%.

Foco nos fãs

O relatório da PwC sugere que as empresas de entretenimento e mídia devem focar nos fãs de seus produtos e construir seu negócio em torno deles.

Com os fãs, é possível conseguir maior engajamento, fidelidade e gasto per capita, diferentemente de uma audiência ocasional e de baixo valor.

A consultoria faz quatro recomendações:

  • Saiba quem são os fãs. As empresas precisam melhorar sua capacidade de captar informações e segmentar a audiência. Para isso, precisam fortalecer análise de dados, medição e gestão.
  • Aumente a agilidade e flexibilidade do negócio. As organizações precisam estar conectadas, ter equipes multidisciplinares e responder rapidamente a novas preferências, modelos de negócio e tecnologias.
  • Monetize o relacionamento total com fãs. Estenda as marcas preferidas dos fãs a novos mercados e gere receita por meio de múltiplos modelos de negócio, como publicidade, assinaturas e transações.
  • Adote um foco centrado no fã. As empresas precisam de criar relacionamento direto com o consumidor. Isso significa deixar de operar no atacado e oferecer experiências fim a fim diretamente aos usuários.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Em janeiro, 105,40 mil pessoas deixaram de ser assinantes de TV paga no Brasil / D. Reichardt / Creative Commons

TV paga perde 105 mil assinantes em janeiro

No mês passado, 105,4 mil pessoas deixaram de ser assinantes de TV paga no Brasil. Os dados são da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Conforme a Anatel, apenas a Oi e a Cabo apresentaram crescimento no número de assinantes no começo do ano. Todos os demais grupos apresentaram baixas e cancelamentos. No[…]

Leia mais »

A inteligência artificial pode ser uma ameaça?

O acidente envolvendo um robô de segurança e uma criança, na última semana num shopping center do Vale do Silício, retomou a discussão social sobre a segurança – ou falta dela – na relação entre humanos e máquinas com inteligência artificial. Até o momento, ninguém sabe explicar o motivo de o robô K5, da[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami