inova.jor

inova.jor

Como preparar o Brasil para competir no ambiente de inovação

A Universidade Stanford é essencial para o ecossistema de inovação da Califórnia / Jeff Plentz/Divulgação
A Universidade Stanford é peça essencial do ecossistema de inovação da Califórnia / Jeff Plentz/Divulgação

No cenário atual global, tanto para empresas quanto para nações, a palavra de ordem é inovar ou morrer. No campo empresarial, a competição é ferrenha, seja no setor de serviços, seja na indústria tradicional.

A velocidade com que mudanças ocorrem nos mercados consumidores coloca em cheque ideias convencionais, que na maioria das vezes só conseguem evoluir de forma orgânica, incremental.

Todavia, a chave da sobrevivência está na disruptura e na inovação radical.

A empresa brasileira está pronta para competir nesse ambiente? E o Brasil como nação? Temos a cultura e as ferramentas para isso?

Um elemento fundamental da cultura de competitividade é a criatividade. Quando é escassa, nada acontece.

Ecossistemas e recursos

Jeff Plentz, da TechTools / Divulgação
Jeff Plentz, da TechTools / Divulgação

Podemos ficar tranquilos nesse quesito porque o Brasil é considerado um dos países mais criativos do mundo. Por outro lado, embora essencial, a criatividade não é o único elemento necessário. Existem variáveis indispensáveis.

Uma delas é a existência de ecossistemas eficazes e capazes de fazer ideias evoluírem e se transformarem em valor para a sociedade (o famoso da teoria à prática).

Outra é a abundância de recursos (financeiros, entre outros, mas nunca esquecendo do capital humano capacitado). Se essas variáveis não estão presentes, não tem como fomentar a inovação.

Há décadas ouvimos que o Brasil é um gigante adormecido, com dificuldade para acordar.

E uma infinidade de razões endêmicas mantém o país numa letargia, sem estímulo para competitividade: nem dormindo, nem acordado, o País perde a oportunidade de se posicionar globalmente como nação inovadora e competitiva.

Dois de nossos maiores soníferos são a burocracia e a falta de planejamento, processos e métodos.

Precisamente, a ausência desses últimos ingredientes faz com que chegada a hora da execução, nossa produção seja sempre amadora, marcada por pobres indicadores de desempenho.

O número de patentes brasileiras por habitante é insignificante se comparado às outras sete maiores potências mundiais.

Nesses países existem estruturas que favorecem a inovação. Há investimentos conscientes em recursos crescentes e substanciais no desenvolvimento do potencial inovador das empresas.

Isso acontece porque existe a compreensão que processos inovadores, novos produtos e patentes estão diretamente ligados ao desenvolvimento econômico e ao aumento da renda per capta.

Eficiência de inovação

Em estudo recente, publicado pela Universidade Cornell, pelo Insead e pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual em 130 países que correspondem a 98% do Produto Interno Bruto (PIB) global, os primeiros colocados em eficiência de inovação são a Suíça, a Grã-Bretanha, a Suécia, a Holanda e os Estados Unidos.

Muito longe desse pódio, o Brasil está classificado como inovador ineficiente. Não é de espantar.

O Brasil investe apenas 1,2% do seu PIB em pesquisa e desenvolvimento. A China e o bloco europeu, mais inovadores, investem o dobro (dados da OCDE).

O problema foi diagnosticado. Agora a questão é tomar o remédio para se curar.

Duas das medidas urgentes para aumentar a eficiência do Brasil e suas empresas são a criação de um sistema nacional de inovação eficiente e o apoio para que as empresas possam tomar as rédeas da transformação da pesquisa e desenvolvimento em aplicações comerciais comprovadas, por meio do fortalecimento da colaboração entre empresa privada e universidades.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A startup argentina Nuvem Shop mira no e-commerce para empreendedor por necessidade do Brasil / Divulgação

Startups apostam no crescimento do comércio eletrônico

O comércio eletrônico tem crescido a passos largos no País. Com a crise econômica, empreendedores por necessidade têm apostado na internet para fazer negócios. Somente em 2015, 39,1 milhões de pessoas compraram online, totalizando 106,5 milhões de pedidos, segundo pesquisa da Ebit. Os valores do ano passado ainda não foram divulgados, mas a estimativa[…]

Leia mais »
A Neurotech usa o reconhecimento facial para combater fraudes no varejo / Divulgação

Reconhecimento facial pode ser usado até em pagamentos

Grandes varejistas são vítimas de tentativas diárias de fraude. Com documentos falsos, criminosos tentam tirar cartões de crédito ou conseguir crediários. Segundo Wagner Coppede Jr., diretor de Soluções e Engenharia da NEC no Brasil, são registradas em média 5 mil tentativas diárias de fraude em lojas brasileiras. Para combater esse[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami