inova.jor

inova.jor

Quais redes vão conectar a internet das coisas

Rede SigFox deve estar disponível em 12 grandes cidades e em propriedades rurais no Mato Grosso / Renato Cruz/inova.jor
Rede SigFox deve estar disponível em 12 grandes cidades e em propriedades rurais no Mato Grosso / Renato Cruz/inova.jor

Apesar de toda discussão sobre a importância das comunicações móveis de quinta geração (5G), o desenvolvimento da internet das coisas deve demandar outros tipos de conectividade.

Uma peça importante desse quebra-cabeça são as redes de longo alcance e baixa potência (LPWAN, na sigla em inglês), cujas principais alternativas são SigFox e LoRa.

Enquanto a tecnologia LoRa está disponível para qualquer empresa que queira construir sua rede, a SigFox decidiu por licenciar sua tecnologia para um único operador por região.

No Brasil, a empresa responsável por construir e operar a rede SigFox é a WND. A expectativa de lançamento é setembro, com cobertura em 12 grandes cidades brasileiras e em propriedades agrícolas no Mato Grosso.

Baixa velocidade

Algumas aplicações de internet das coisas vão exigir longa duração de bateria e baixo preço de comunicação. Por exemplo, um medidor de temperatura numa geladeira ou um sensor de porta.

As tecnologias de LPWAN são voltadas para esse tipo de aplicação. A ideia é que a bateria dos dispositivos dure vários anos.

“O 5G está no topo da pirâmide, para aplicações que precisam transportar megabytes”, explica Alexandre Silva Reis, diretor de operações da WND. “Nossa rede é para quem precisa de transportar bytes.”

O executivo afirma que sua rede é complementar à infraestrutura das operadoras celulares. A Telefônica, dona da Vivo, por exemplo, tem um acordo mundial com a Sigfox.

Frequências livres

A tecnologia usa frequências livres, que não exigem licença da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). São as mesmas pelas quais trafega o sinal de wi-fi.

A WND planeja investir US$ 50 milhões em três anos. Atualmente, sua rede já cobre 30% da população brasileira.

De acordo com Reis, a conectividade de uma dispositivo que gera pouco volume de dados à rede celular fica entre US$ 2 e US$ 3 ao mês. Na rede SigFox, o preço começa em US$ 1 ao ano.

Eduardo Iha, diretor de negócios da WND, afirma que setores importantes para a empresa são serviços públicos, transporte e logística, segurança, agricultura e cidades inteligentes.

A WND também opera redes SigFox em outros países da América Latina e no Reino Unido.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Brasil precisa de mais estudos em IoT e computação cognitiva, dizem especialistas / Mariana Lima/inova.jor

No Brasil, a internet das coisas está só começando

A internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) representa um mercado de grande potencial. Segundo estudo encomendado pela Progress à Frost & Sullivan, o impacto positivo da tecnologia na economia mundial, levando-se em conta corte de gastos e novas receitas, deve ultrapassar US$ 1 trilhão. A adoção da tecnologia,[…]

Leia mais »
Centro de São Paulo vai trabalhar em colaboração com outros 10 centros distribuídos pelo mundo / Divulgação

Capgemini cria centro de excelência para digital e nuvem

A Capgemini, consultoria francesa de tecnologia, abriu um centro de excelência para digital e nuvem em São Paulo. Com cerca de 120 profissionais, a equipe brasileira vai trabalhar em colaboração com outros 10 centros de inovação que a companhia mantém pelo mundo. O centro conta com uma infraestrutura para realizar provas[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami