inova.jor

inova.jor

Como a Indigosoft, startup do Vale do Silício, virou brasileira

Solução da Indigosoft permite criar novas regras de negócio sem mudar as aplicações / Divulgação
Solução da Indigosoft permite criar novas regras de negócio sem mudar as aplicações / Divulgação

Fabrício Martins percebeu as oportunidades da automação de processos quando estava no comando da empresa de centrais de atendimento Vikstar.

O  executivo queria aumentar a produtividade. A taxa de troca de funcionários no setor de call centers é alta e alguns funcionários tinham resultados dezenas de vezes melhores que o restante dos atendentes.

Com automação, seria possível levar as melhores práticas desses atendentes que se destacam para os demais.

“Call center é mais tecnologia do que gente”, explicou Fabricio Martins, atualmente presidente da Indigosoft. “O problema é que os sistemas são muito velhos e normalmente pertencem ao cliente.”

Em busca de uma solução, Martins, ainda na Vikstar, conheceu a Indigosoft, empresa fundada em 2013 por um pesquisador indiano e outro russo em Mountain View, no Vale do Silício.

“Apesar de não ter sido desenvolvido com o mercado de call centers em mente, trouxemos o sistema deles para o Brasil e em 15 dias estava funcionando”, afirmou o executivo.

“A automação da Indigosoft acontece na camada de protocolo”, afirmou Martins. Isso quer dizer que as empresas não precisam mexer em aplicações antigas para analisar dados e criar novas regras de negócio.

“Isso é essencial para a transformação digital.”

Reconhecimento de voz

O resultado que teve como cliente foi tão bom que Martins resolveu se tornar acionista da startup e assumir sua operação.

Os fundadores norte-americanos já não estão na empresa. Atualmente, o executivo brasileiro é sócio da Atrium e da KVA, que investiram US$ 28 milhões na companhia.

A Indigosoft comprou a empresa TT&S, que pertencia a Roberto Martinelli, pioneiro brasileiro em sistemas de reconhecimento de voz.

A tecnologia foi incorporada pela companhia, que conta com cinco patentes no Brasil.

Segundo Martins, a Indigosoft faturou R$ 32 milhões em 2015 o e, para este ano, a expectativa são R$ 100 milhões. Entre seus clientes estão Vivo, Nextel e Sky.

Para o ano que vem, a aposta é a internacionalização, com foco na América Latina. A Indigosoft também tem oferecido serviços como agentes virtuais e monitoria de atendimento.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O coworking possui área de descanso e relaxamento, inspirados nos escritórios do Vale do Silício / Divulgação

Campus São Paulo busca startups para programa de residência

O Campus São Paulo, espaço do Google para empreendedores, seleciona startups para a terceira turma de seu programa de residência. As inscrições vão até 8 de dezembro. Os escolhidos terão seis meses de espaço de trabalho, acesso a especialistas e produtos do Google e oportunidade de participar em programas globais[…]

Leia mais »

Estácio apoia o desenvolvimento de startups

RIO A Universidade Estácio busca startups. Seu programa de pré-aceleração Startup Nave, que está na quinta edição, oferece mentoria, workshops e espaço de coworking, de forma gratuita e sem a necessidade de ceder parte da empresa no fim do processo. O coworking fica a poucos metros do Museu do Amanhã, novo local para exposição[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami