inova.jor

inova.jor

O chip de celular vai deixar de existir. O que muda?

Com o eSIM, mudar de operadora será tão fácil quanto fazer login num aplicativo / Sam Carpenter/Creative Commons
Com o eSIM, mudar de operadora será tão fácil quanto fazer login num aplicativo / Sam Carpenter/Creative Commons

O SIM card, chip que identifica o número e a operadora do celular, vai em breve deixar de existir. Essa identificação passará a ser feita por software e isso trará grandes mudanças para consumidores, fabricantes e operadoras.

Na verdade, o chamado SIM eletrônico, ou eSIM, já existe. O primeiro equipamento a usá-lo foi o relógio inteligente Samsung Gear S2, lançado no ano passado.

A transição de um chip físico para a autenticação por software é essencial para possibilitar o desenvolvimento da internet das coisas.

Dezenas de bilhões de dispositivos, muitos deles bem pequenos, vão se conectar pela rede celular.

A consultoria Strategy& chamou, em estudo recente, o SIM card de “algema dourada”, que atualmente prende o consumidor à sua operadora.

A disseminação do eSIM vai mudar esse cenário.

“Com o desaparecimento do cartão físico, a setor entra num período de dois ou três anos de grande mudança, com amplas fatias do mercado de telecomunicações potencialmente em disputa”, escreveram Olaf Acker, Jean-Thomas Célette, Tobias Bergtholdt e Mientje Krüger, da Strategy&.

Escolher um plano e usar uma nova operadora deve se tornar tão fácil quanto se conectar a uma rede wi-fi.

Incertezas e oportunidades

Operadoras que têm rede própria, como China Mobile, Vodafone, Airtel, América Móvil (Claro) e Telefônica (Vivo), são as que enfrentam as maiores incertezas.

Elas têm o desafio de manter os clientes na sua base, mesmo depois do fim do chip físico.

As maiores oportunidades, ainda segundo a consultoria, se apresentam aos fabricantes, que poderão oferecer conectividade juntamente com os aparelhos.

A Amazon, com o Kindle, já faz isso há alguns anos, antes mesmo de o SIM card desaparecer.

Além da facilidade de escolha, os consumidores poderão começar a acrescentar múltiplos aparelhos num mesmo plano, o que deve reduzir preços e simplificar o gerenciamento de contratos.

Também será muito mais fácil fugir das tarifas de roaming internacional, já que conectar-se a uma nova operadora será tão simples quanto fazer login num aplicativo.

Segundo o estudo da Ericsson, 28 bilhões de equipamentos serão candidatos ao uso do eSIM em 2021. A Cisco estima que, em 2020, haverá 50 bilhões de equipamentos conectados no mundo.

eSIM: A evolução do SIM card / Fonte: Strategy&

 

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Vivien Suruagy, da Contic, destaca a importância da tecnologia da informação e da comunicação para a competitividade do país / inova.jor

Contic: ‘Brasil precisa estar preparado para a revolução digital’

A Confederação Nacional da Tecnologia da Informação e Comunicação (Contic) foi criada em outubro do ano passado, a partir da união da Federação Brasileira de Telecomunicações (Febratel), da Federação Nacional das Empresas de Informática (Fenainfo) e da Federação Nacional de Instalação e Manutenção de Infraestrutura de Redes de Telecomunicações e[…]

Leia mais »
Startups selecionadas podem passar por processo de aceleração com acompanhamento da ACE / Divulgação

Enel busca startups para parcerias e investimento

A Enel, empresa italiana de energia, busca startups para investimento ou parcerias comerciais estratégicas. Seu programa Energy Start está com as inscrições abertas até 30 de setembro. As startups interessadas precisam ter projetos nos seguintes setores: digitalização (internet das coisas), energias renováveis e armazenamento, desenvolvimento social, eficiência energética, fintech, cidades[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami