inova.jor

inova.jor

TIM investe em banda larga via fibra óptica para crescer

O serviço TIM Live deve ser expandido de cinco para pelo menos 10 cidades em 2018 / Gonzalo Tapia/Creative Commons
O serviço TIM Live deve ser expandido de cinco para pelo menos 10 cidades em 2018 / Gonzalo Tapia/Creative Commons

A TIM Brasil planeja expandir sua rede óptica para crescer em serviços fixos.

“A partir de hoje, só vamos oferecer FTTH”, disse na sexta-feira (8/12) Fabiano Ferreira, diretor da Unidade de Negócios Residencial e de Pequenas e Médias Empresas da operadora.

FTTH é a sigla de Fiber To the Home, e refere-se ao tipo de rede em que a fibra óptica chega até a casa do assinante.

Até agora, a TIM Brasil vinha usando a solução de Fiber To the Curb (FTTC), em que a conexão final entre o cliente e a rede da operadora é feita com cabos de cobre.

A adoção de FTTH deve permitir à TIM oferecer conexões mais rápidas. As velocidades oferecidas hoje pelo serviço TIM Live vão de 35 megabits por segundo (Mbps) a 150 Mbps.

No terceiro trimestre deste ano, a receita com serviços fixos cresceu 7%, acima dos 4,7% de avanço registrado pela receita líquida total.

Levando-se em conta somente o TIM Live, o aumento foi de 54,1%.

O faturamento com serviços fixos, no entanto, ainda é pequeno. Ele somou R$ 200 milhões no trimestre, o que equivale a somente 5% do total.

Mais cidades

Atualmente, o TIM Live está presente em cinco cidades: São Paulo, Rio de Janeiro e mais três municípios da Baixada Fluminense.

Nessas cidades, a rede da operadora já passa por cerca de 40 mil residências.

A ideia, segundo Ferreira, é pelo menos dobrar o total de cidades com banda larga em fibra em 2018. Ele não revelou quanto é o investimento previsto para essa expansão.

“Temos um estudo muito expressivo, que indicam mais de 100 cidades com potencial de receber o serviço”, explicou o executivo.

Além do potencial de mercado, a TIM levará em conta, na escolha das novas cidades, a rede óptica que já opera para conectar suas antenas celulares.

Antes de ingressar na TIM, Ferreira trabalhou na GVT, que posteriormente foi comprada pela Vivo. A GVT tinha presença em 160 cidades.

O serviço fixo com a rede 4G da TIM está disponível em 16 cidades, principalmente do Nordeste e Centro-Oeste.

Ele deve ser expandido para todos os municípios em que esteja livre a faixa de 700 MHz, que era ocupada pela TV analógica.

O desligamento da TV analógica começou no ano passado no Brasil.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A multinacional brasileira, fundada por Marco Stefanini, promove seu primeiro hackathon no Rio / Renato Cruz/inova.jor

Stefanini promove hackathon sobre telecomunicações no Rio

A Stefanini vai promover, em 19 de janeiro, seu primeiro hackathon no Rio de Janeiro. As inscrições terminam em 15 de janeiro. Com até cinco integrantes, as equipes terão como objetivo encontrar uma solução criativa e economicamente viável para melhorar a experiência do usuário de telecomunicações. A equipe vencedora receberá[…]

Leia mais »
Setor brasileiro de telecomunicações depende menos das grandes operadoras / Oleg Zaytsev/Creative Commons

‘Cenário da competição nas telecomunicações começa a mudar’

O mercado brasileiro de telecomunicações está menos dependente dos grandes players. Operadoras competitivas têm conseguido criar alternativas tanto no acesso e na rede de transporte quanto em conexões internacionais. A participação de mercado das empresas competitivas chegou a 18,8% em agosto deste ano. No fim de 2015, era de 14%.[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami