inova.jor

inova.jor

Qual é o significado do fim da neutralidade de rede nos EUA

A FCC decidiu acabar com a neutralidade de rede por três votos a dois / Stephen Melkisethian/Creative Commons
A FCC decidiu acabar com a neutralidade de rede por três votos a dois / Stephen Melkisethian/Creative Commons

A Federal Communications Commission (FCC), agência norte-americana de comunicações, decidiu hoje (14/12), por três votos a dois, acabar com as regras que garantiam a neutralidade de rede nos Estados Unidos.

Mas o que significa isso? A neutralidade de rede define que toda informação que trafega pela internet deve ser tratada de forma isonômica.

Ou seja, impede que uma operadora de telecomunicações bloqueie, dificulte o acesso ou crie uma via rápida para determinado conteúdo ou serviço.

Ajit Pai, presidente do conselho da FCC e ex-advogado da operadora Verizon, comemorou o fim da neutralidade como a “restauração da liberdade da internet”.

Grupos de ativistas consideram a medida o contrário disso. Com o fim da neutralidade, argumentam, grandes operadoras poderão decidir que tipo de serviço ou conteúdo seus clientes vão consumir.

Superficialmente, pode parecer um debate ideológico. Indicado por Donald Trump, Pai seria a favor da desregulamentação do mercado de telecomunicações.

Ao impor limites à oferta de banda larga, a neutralidade de rede inibiria investimento em infraestrutura e inovação.

Os defensores da neutralidade de rede, por outro lado, seriam a favor da intervenção do Estado no mercado.

O objetivo das regras seria defender consumidores do abuso do poder econômico por parte de grandes corporações, num setor concentrado como as telecomunicações.

Telecom versus internet

Na verdade, a questão é bem mais complicada do que isso.

As operadoras de telecomunicações querem um pedaço da receita de empresas como Google, Facebook e Netflix. Com o fim da neutralidade de rede, elas poderiam cobrar pedágio desses gigantes da internet.

As operadoras têm reclamado que, com a demanda por conexões cada vez mais rápida e a queda no uso de serviços convencionais, é cada vez mais difícil remunerar o investimento em rede.

A questão é o que aconteceria com a startup sem dinheiro suficiente para pagar pedágio.

Além disso, o mercado vem se consolidando verticalmente.

Por exemplo, a Verizon, operadora para a qual o presidente da FCC trabalhava, é dona da Oath, empresa de conteúdo que reúne marcas como Yahoo, America Online e Huffington Post.

Com o fim da neutralidade, seria possível para a Verizon dar prioridade para o seu próprio conteúdo, em detrimento de outros serviços.

A decisão da FCC não deve ser recebida pacificamente pelas companhias de internet e por grupos que defendem direitos dos indivíduos.

A Netflix prometeu, num tuíte, combater a medida nos tribunais.

Marco Civil

No Brasil, a neutralidade de rede é definida pelo Marco Civil da Internet. A internet por aqui é considerada um serviço de valor adicionado, fora da jurisdição da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

A solução de regulamentar a neutralidade de rede por meio de uma lei específica está sendo discutida nos EUA também, apesar de ser vista como difícil de ser implementada, num Congresso dominado pelos republicanos.

A regulação de 2015, derrubada hoje pela FCC, considerava o acesso à internet um serviço público de telecomunicações.

Ainda deve haver grandes embates nos EUA sobre a neutralidade de rede, e isso pode influenciar a maneira como a questão é encarada em todo o mundo.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Edital de Inovação da Indústria busca soluções de reconhecimento de imagem e para o setor automotivo / Renato Cruz/inova.jor

Edital oferece R$ 53,6 milhões para inovação na indústria

O Edital de Inovação da Indústria, do Sebrae, Senai e Sesi, oferece até R$ 53,6 milhões para desenvolver projetos inovadores. Startups, micro e pequenas empresas podem se inscrever até 10 de novembro. Cada projeto selecionado receberá até R$ 150 mil de investimento para o desenvolvimento da ideia e sua execução. Em[…]

Leia mais »
Internet: Interfaces de voz, como o Echo, da Amazon, é uma das principais tendências / Rob Albright/Creative Commons

Quando as máquinas aprendem a conversar de verdade

Máquinas que entendem comandos de voz já viraram lugar comum, mas os sistemas de inteligência artificial ainda não são capazes de participar de uma conversa de verdade, como o C-3PO, de Star Wars (ou o HAL 9000, de 2001, para dar um exemplo não tão benigno). A Amazon quer mudar isso, e[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *