inova.jor

inova.jor

Claro Brasil investe em geração de energia limpa

José Antonio Felix anunciou a primeira fazenda de energia solar da Claro / Renato Cruz/inova.jor
José Antonio Felix anunciou o primeiro parque de geração de energia solar da Claro / Renato Cruz/inova.jor

A Claro Brasil anunciou ontem (14/12) um programa de geração distribuída de energia limpa.

Controlada pela mexicana América Móvil, a operadora tem como meta reduzir em mais de 100 mil toneladas métricas a emissão de dióxido de carbono por ano. Isso equivale a tirar quase 420 mil carros de circulação.

Além da Claro, a empresa é dona das marcas Embratel e NET. Segundo a operadora, trata-se do maior projeto de geração distribuída de uma empresa privada no país.

Energia renovável

A fontes renováveis utilizadas serão:

  • solar,
  • eólica,
  • hidrelétrica,
  • biogás e
  • cogeração qualificada (termelétrica).

O objetivo é que o programa forneça 80% da energia utilizada pelas operações da operadora em todo o Brasil, o que corresponde a mais de 600 mil MWh/ano.

Em novembro, a Claro inaugurou um complexo de usinas solares nas cidades de Várzea de Palmas e Buritizeiro, em Minas Gerais.

O complexo ocupa 45 hectares, e gera energia suficiente para suprir uma cidade de 250 mil habitantes.

“Recentemente, inauguramos Andrômeda, a primeira fazenda de energia solar a trabalhar para a Claro”, destacou José Antônio Félix, presidente da empresa no Brasil.

Menos gastos

No ano que vem, a Claro planeja inaugurar mais 20 parques solares, quatro parques eólicos e três operações de cogeração qualificada.

Durante 2018 também será incorporada ao projeto energia gerada por pequenas centrais hidrelétricas.

A empresa estima redução média de 30% nas despesas anuais com energia.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Google tem investimento direto em 11 cabos submarinos, inclusive no Brasil / Divulgação

Google amplia investimento em cabos submarinos

O Google tornou-se uma operadora de telecomunicações? Por muito tempo, as empresas tradicionais desse mercado têm se queixado das chamadas OTTs, sigla de over the top, companhias que prestam serviços via internet. As teles costumam reclamar do crescimento explosivo de tráfego de dados, que, segundo elas, não remunera o investimento[…]

Leia mais »
André Borges afirma que o MCTIC está comprometido com o fundo garantidor para provedores regionais / Herivelto Batista/ASCOM-MCTIC

MCTIC: ‘Estamos comprometidos com fundo garantidor’

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) está comprometido com o fundo garantidor para os provedores regionais de internet, segundo André Borges, secretário de Telecomunicações do MCTIC. Ontem (2/11), o inova.jor publicou um artigo assinado por Erich Rodrigues, presidente da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint),[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami