inova.jor

inova.jor

Como fica a Oi após a aprovação do plano de recuperação

Maioria dos credores aprovou o plano de recuperação judicial da Oi / Pablo Gonzalez/Creative Commons
Maioria dos credores aprovou o plano de recuperação judicial da Oi / Pablo Gonzalez/Creative Commons

A Oi diminuiu 19% desde 2010, ano em que comprou a Brasil Telecom.

Segundo a consultoria Teleco, a operadora tinha registrado receita líquida de R$ 29,5 bilhões naquele ano. No período de 12 meses até setembro de 2017, o acumulado ficou em R$ 23,9 bilhões.

Na madrugada de ontem (20/12), a maioria dos credores aprovou o plano de recuperação da companhia.

Concessionária de telefonia fixa em todos os Estados menos São Paulo, a Oi havia anunciado pedido de recuperação judicial em junho do ano passado.

Apesar do resultado favorável da Assembleia Geral de Credores, existem questões importantes em aberto.

A principal delas é a posição da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que votou contra o plano de recuperação.

O conselho da agência concluiu que não poderia aprovar parcelamento de multas devidas pela empresa, como previsto pelo acordo, sem que houvesse respaldo em lei.

Por causa disso, a Anatel planeja contestar na Justiça o plano aprovado. A Oi deve R$ 14,5 bilhões em multas ao regulador.

A agência chegou a sugerir que o governo editasse uma medida provisória que permitisse o parcelamento das multas, conforme o proposto pelo plano. Não foi atendida.

A decisão da Anatel, e também da Advocacia Geral da União (AGU), de contestar o plano na Justiça pode inviabilizar a injeção de R$ 4 bilhões em recursos dos atuais credores para capitalização da Oi.

Uma das condições para que se concretize a capitalização é que o governo abra mão de ações judiciais contra o plano.

Oposição

O fundo Société Mondiale, acionista minoritário da Oi, também planeja ir aos tribunais contra o plano. Ligado ao investidor Nelson Tanure, o fundo tem cerca de 5% da operadora.

Com a conversão de dívida em ações prevista pelo plano, a participação dos acionistas atuais pode cair em 75%.

É importante que uma operadora do porte da Oi volte a atuar sem problemas. Em várias cidades do país, ela é ainda a única opção dos consumidores.

A aprovação do plano de recuperação foi um passo importante. Existem, no entanto, desafios para ele se concretizar.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Showroom da Oi em São Paulo tem demonstrações de internet das coisas e big data / Renato Cruz/inova.jor

Como o big data das telecomunicações pode ajudar as cidades

A análise das informações recolhidas pelas operadoras de telefonia móvel, como as mudanças na localização dos clientes durante o dia, abre uma grande possibilidade de melhora da vida nas cidades. Problemas de áreas como mobilidade urbana, educação, trabalho, turismo e segurança podem ser mais bem entendidos a partir do tratamento[…]

Leia mais »
A WND planeja investir US$ 50 milhões em sua rede de comunicação de dados em três anos / inova.jor

WND quer conectar coisas à internet com baixo custo

Pessoas querem cada vez mais capacidade na conexão à internet. Objetos como sensores e medidores, por outro lado, não consomem grandes volumes de dados. Eles precisam de soluções de baixo consumo de energia e de baixo custo. A WND é responsável pela operação dos serviços da SigFox na América Latina[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami