inova.jor

inova.jor

Por que o Ripple tornou-se a segunda maior criptomoeda

Criada pela Ripple, a criptomoeda XRP subiu 38.000% no ano passado / Ivan Malkin/Creative Commons
Criada pela Ripple, a criptomoeda XRP subiu 38.000% no ano passado / Ivan Malkin/Creative Commons

O bitcoin tem recebido muita atenção nos últimos meses. No lugar de ser utilizada para comprar coisas, a moeda digital acabou se tornando um ativo para investimentos de alto retorno e também de alto risco.

A criptomoeda de maior valorização no ano passado, no entanto, é o XRP, também conhecido por Ripple, nome da empresa que o lançou.

No ano passado, o XRP subiu 38.000%, passando de US$ 0,006 em 1º de janeiro para US$ 2,30 em 31 de dezembro. Hoje (4/1), era negociado no meio do dia a US$ 3,65, acumulando valorização de 58% em 2018.

O bitcoin é anônimo e descentralizado. Funciona a partir de uma rede formada pelos próprios detentores da moeda. Ninguém sabe a identidade de real de seu criador, que adota o pseudônimo Satoshi Nakamoto.

O XRP, por outro lado, foi criado pela empresa Ripple, que fornece serviços de transferências internacionais para instituições financeiras, baseados na tecnologia blockchain.

Todos os participantes da rede são identificados.

A tecnologia blockchain também serve de base para as demais criptomoedas, como o bitcoin e o ether.

Segurança e baixo custo

O blockchain aumenta a segurança e reduz os custos das transações financeiras, ao dispensar a necessidade de autenticação e de câmaras de compensação.

O processamento das transações é distribuído, e o registro delas fica armazenado nos computadores de todos os participantes da rede de blockchain, o que dificulta fraudes.

A Ripple informa ter como clientes mais de 100 instituições financeiras em todo o mundo. Alguns clientes adotam a tecnologia da empresa sem usar o XRP como moeda.

Um dos grandes problemas do bitcoin é a capacidade de processamento das transações. Uma transferência de bitcoin pode demorar mais de uma hora para ser processada.

A Ripple promete transações com XRP processadas em quatro segundos. As transações com o ether, considerado por muito tempo a principal alternativa ao bitcoin, levam mais de dois minutos.

Liquidez

Os sistemas tradicionais adotados por bancos demoram de três a cinco dias para processarem transferências internacionais.

Além dessa demora, também existe um problema de liquidez. Segundo a Ripple, os bancos precisam deixar US$ 10 trilhões disponíveis em contas ao redor do mundo para viabilizar transferências internacionais.

Com a adoção do blockchain, as transações tornam-se praticamente instantâneas, sem a necessidade de manter esse dinheiro todo parado.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O primeiro workshop do ano será no Osmose Coworking / Patricia Barão/inova.jor

Participe do workshop sobre inovação na mídia

O mercado de comunicação tem mudado rapidamente. Avanços tecnológicos tornam possíveis novos modelos de comunicação, ao mesmo tempo em que colocam em risco negócios estabelecidos. Conduzido por Renato Cruz, editor do inova.jor, o workshop vai apresentar conceitos de inovação e discutir o impacto da transformação digital no mercado de comunicação. O evento tem entre seus objetivos[…]

Leia mais »
A estratégia de internet das coisas da Samsung passa por todas linhas de produtos / Renato Cruz/inova.jor

CES 2017: Samsung quer que você converse com a geladeira

LAS VEGAS A Samsung anunciou hoje (4/1) a segunda geração de sua linha de geladeiras conectadas, chamada de Family Hub 2.0. Uma das principais novidades foi a incorporação de comandos de voz. É possível, por exemplo, pedir para a geladeira (que tem uma tela sensível ao toque integrada) tocar músicas[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami