inova.jor

inova.jor

É preciso garantir conectividade de qualidade antes do 5G

O Brasil ainda tem muito o que avançar no 3G e no 4G antes da chegada do 5G / Renato Cruz/inova.jor
O Brasil ainda tem muito o que avançar no 3G e no 4G antes da chegada do 5G / Renato Cruz/inova.jor

Apesar de diversas regiões do Brasil lutarem ainda pelo sinal do 3G e a cobertura do 4G ser bastante restrita, a próxima geração já está em pauta, ou seja, o 5G.

Estima-se que 2020 será o ano da chegada da promessa de alta velocidade, alta capacidade e alta performance ao país.

Mas, a exemplo do 4G, que estaria a pleno vapor na Copa do Mundo de 2014 no Brasil e não se confirmou, é um cenário bem improvável que o 5G funcione antes de as gerações anteriores estarem operando dignamente.

Planejar a quinta geração de telefonia celular no momento é como construir um edifício sem alicerces, rodar com um carro sem pneus ou fazer uma criança correr sem aprender a andar.

Infraestrutura

Rudinei Santos Carapinheiro, da Skylane Optics / Divulgação
Rudinei Santos Carapinheiro, da Skylane Optics / Divulgação

Para tudo é preciso cumprir etapas, e não dá para decorar a casa antes de terminar a construção.

Embora o governo brasileiro já tenha anunciado em fevereiro de 2017 o Projeto 5G Brasil, e tenha firmado acordos de cooperação com a União Europeia e a Coreia do Sul, existe um abismo de distância para o bom funcionamento do 5G aqui.

Arrumar a infraestrutura atual deve ser um pré-requisito para qualquer avanço tecnológico.

Um recente relatório da SNS Research indica que as operadoras móveis vão ter de investir mais de US$ 21 bilhões por ano quando tiver início a implementação das tecnologias padronizadas para o 5G.

E a previsão é que o início dos investimentos comece em 2019. E a previsão para o bom funcionamento das tecnologias atuais?

Se a tecnologia 5G estima uma velocidade de transmissão de até 20 gigabits por segundo, contra no máximo de 1 gigabit por segundo do 4G, isso deve representar um aumento intensivo na capacidade das redes para o uso de dados.

Mas o que precisamos de verdade é foco no bom funcionamento das redes 3G e 4G, que permitem a transmissão de dados por meio de redes móveis para celulares fornecidas pelas operadoras de telefonia.

É necessário ter um bom sinal de cobertura para que elas funcionem perfeitamente – e é aí que está o ponto de discussão.

Investimento

As grandes operadoras ainda não atendem devidamente a demanda por falta de preparo ante o crescimento rápido do uso de dados nos telefones celulares.

Com a falta de preparo, as estações radiobase (ERBs) não são suficientes e há necessidade de mais instalações.

A fibra óptica só chega às grandes cidades, deixando o interior desprovido – e conta com a conectividade de pequenas operadoras.

Na Amazônia, internet só com radiofrequência. Ou seja, não seria prioritário investir em melhoria das redes de fibra óptica e ERBs para depois pensar em investimentos de ponta?

Não que o 5G deva ser freado. Ao contrário, a tecnologia deve oferecer novas oportunidades de negócios a nível global por meio de um melhor desempenho.

O 5G aborda os recursos futuros, como taxa de dados, latência de ponta a ponta, cobertura, virtualização, computação em nuvem e promessa de criar hiperconectividade para oferecer serviços sem precedentes de forma segura e controlada.

No entanto, antes disso é preciso o foco das operadoras para levar conectividade de qualidade para todo o pais e depois investir na chegada do 5G.

  • Rudinei Santos Carapinheiro é diretor de novos negócios da Skylane Optics

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Nosso cérebro espelha o que somos e somos o que ele permite ser / Pedro Gabriel Ferreira/Creative Commons

Como o uso de aplicativos afeta o cérebro

O contato com aplicativos e dispositivos é cada dia mais comum para todo tipo de gente, de todas as idades. Um contato intenso, que, muitas vezes, deixa as pessoas isoladas, absorvidas em casulos imaginários, de olhos fixos em telas de todos os tamanhos. Não há lugar ou limite: pode ser na espera de[…]

Leia mais »
Setor elétrico aposta em iniciativas como inteligência artificial e automação da rede elétrica / Divulgação

Setor elétrico está na linha de frente da internet das coisas

Dispositivos computadorizados, interligados por meio da internet, e que trocam dados e realizam tarefas com base nas informações coletadas. Essa é a base da internet das coisas, tema amplamente comentado atualmente. Mas proponho aqui avançarmos mais um passo nessa discussão. Para que essa ideia possa se concretizar e fazer parte,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami