inova.jor

inova.jor

Invista em máquinas e também em pessoas

Pessoas: Números e pesquisas mostram que o problema não é da automação / Luis Pérez/Creative Commons
Números e pesquisas mostram que o problema não é da automação / Luis Pérez/Creative Commons

Que as máquinas estão substituindo o homem em diversas atividades é um fato que precisa ser aceito. Não há como fugir.

A questão agora vai para além disso: como capacitar as pessoas que ocupavam essas vagas para que exerçam outra função, combatendo os impactos da automação no mercado de trabalho?

Essa sim deve ser a preocupação das empresas daqui pra frente.

Esse é um problema que já existe e está sendo debatido fora do Brasil.

Precisamos falar sobre isso aqui também. Recentemente li uma reportagem que comentava sobre a mão de obra nas Filipinas – país que recebeu multinacionais de grande porte que estavam terceirizando principalmente seus call centers.

Agora, com a automação dessa atividade, as empresas estão discutindo como capacitar profissionais para que sejam realocados.

Segundo estudo da consultoria Tholons Capital, mais da metade dos empregos terceirizados nas Filipinas será perdida em alguns anos se não for feita uma reciclagem significativas com essas pessoas.

Nesse cenário, há exigência maior com as contratações a partir de agora.

Afinal, precisam ser pessoas que tenham um perfil resiliente – adaptando-se rapidamente aos novos desafios.

Também há preocupação com formação e experiência, quanto mais bem preparado for o profissional, mais chances possui de ser contratado, pois pode ser facilmente treinado para ocupar novas funções.

Atividades analíticas e estratégicas

Renan Vazquez, da Indigosoft / Divulgação
Renan Vazquez, da Indigosoft / Divulgação

Não é novidade que, com máquinas realizando as tarefas repetitivas, sobram as atividades mais analíticas e estratégicas, que exigem pessoas mais bem preparadas para serem executadas.

Certamente, cabe aos profissionais estarem sempre atentos às novidades e tendências da área em que atuam para que se capacitem e conquistem novos espaços em suas carreiras.

Mas as empresas também podem e devem colaborar com este movimento, afinal, a falta de mão de obra qualificada é um problema para todos.

Uma pesquisa realizada em 2016 pela Federação das Indústrias do Rio com cerca de 600 fábricas brasileiras mostrou que, apesar da crise, 60% delas tinham a intenção de aumentar o quadro de funcionários.

Contudo, 53% das empresas tentaram e não conseguiram preencher os postos de trabalho disponíveis por carência de pessoal especializado.

Esses dados nos levam a outro material, divulgado pelo Fórum Econômico Mundial, que coloca o Brasil na 78.ª colocação quando o tema é qualificação de mão de obra – são 124 países pesquisados.

Se focarmos somente na América Latina, o Brasil ocupa a 15.ª posição.

Para chegar a esses números, eles analisam a educação, distribuição da mão de obra, mercado de trabalho, percepção de negócios e treinamento das empresas, entre outros aspectos.

Ou seja, as empresas também têm responsabilidade na formação dos seus colaboradores.

Ainda falando sobre as Filipinas, a associação dos Contact Centers de lá estima que a receita das indústrias crescerá até 8% este ano até 2022, em comparação com taxas de crescimento superiores a 10% no passado.

Isso porque capacitar pessoas é tão ou mais difícil quanto colocar as máquinas em funcionamento.

Por isso, as empresas devem começar a se movimentar já, para se anteciparem aos problemas que a falta de mão de obra qualificada pode trazer.

Capital humano

Pessoas sem preparo possuem baixa produtividade e também costumam ficar menos tempo numa empresa. Tudo isso gera um custo que poderia ser evitado.

E assim como se deve ter cuidado e atenção na hora de contratar, é preciso investir no capital humano que a empresa já possui.

Mais uma vez, números e pesquisas mostram que o problema não é a automação, mas sim a postura da sociedade como um todo em relação às transformações sociais.

  • Renan Vazquez é arquiteto de Sistemas da Indigosoft

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Unisys: Até 2018, as áreas de negócios das companhias serão responsáveis por metade dos gastos com tecnologia / Divulgação

‘Toda empresa é uma empresa de tecnologia’

É fato que os papeis do diretor financeiro (CFO, na sigla em inglês) e do diretor presidente (CEO, na sigla em inglês) estão em constante evolução. Se antes o perfil de alguns deles era o de comandar a companhia de sua sala e conduzir as mudanças com base em benchmarking[…]

Leia mais »
A casa conectada deve tornar-se acessível para a maior parte dos cidadãos em pouco tempo / Renato Cruz/inova.jor

Você está preparado para viver numa casa conectada?

A internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) já não é apenas uma promessa para o futuro, mas uma realidade no presente. Apesar de ainda restrita por conta dos altos preços de alguns gadgets, muitos dos itens e tecnologias empregados devem tornar-se acessíveis para a maior parte dos cidadãos[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami