inova.jor

inova.jor

PECE-Poli ensina a aplicar tecnologias inovativas aos negócios

Aluno do PECE-Poli pode optar por se aprofundar em Indústria 4.0 / inova.jor
Aluno do PECE-Poli pode optar por se aprofundar em Indústria 4.0 / inova.jor

Existem grandes oportunidades para empreender em áreas como aprendizado de máquina, internet das coisas (IoT), Indústria 4.0 e entretenimento digital.

O Programa de Educação Continuada da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (PECE-Poli) está com inscrições abertas para o curso Novos Negócios com Tecnologias Inovativas.

Por ser um curso de difusão, não exige que o candidato tenha graduação. Sua duração é de 12 meses, com carga horária mínima de 180 horas.

“O aluno é preparado para empreender e aplicar novas tecnologias, seja dentro de uma empresa, seja por iniciativa própria”, afirma Paulo Patullo, gerente de Relacionamento Institucional do PECE-Poli.

O curso é dividido em duas partes. Na primeira, o estudante aprende a respeito de novas tecnologias, empreendedorismo, marketing e gestão.

O primeiro módulo é formado por duas disciplinas obrigatórias de 30 horas.

Na segunda, opta por uma entre quatro linhas, dependendo de seu interesse:

  • Aprendizado de máquina com deep-learning;
  • Internet industrial e Indústria 4.0;
  • Indústria 4.0; e
  • Games e entretenimento digital.

Com quatro disciplinas de 30 horas cada, cada módulo eletivo conta com coordenador e corpo docente próprio especializado.

A escolha do segundo módulo é feita no ato da matrícula.

Empreendedorismo

Um dos objetivos do curso é preparar o aluno para criar uma startup baseada em tecnologias emergentes. “O aluno aprende de forma bem prática, pondo a mão na massa”, explica Patullo.

Inovar é levar ao mercado um produto, serviço ou processo novo ou significantemente melhorado, e obter resultados a partir dele.

Por conta disso, o curso ensina, além das novas tecnologias, como gerir uma nova empresa e como promovê-la.

Muitas vezes o empreendedor tem conhecimento técnico, mas enfrenta dificuldades na hora de criar uma empresa e mantê-la operando. O curso ajuda a suprir essa lacuna.

Dois módulos eletivos são voltados à indústria, sendo um deles com ênfase em internet das coisas e outro em manufatura avançada.

Adotar o conceito de Indústria 4.0, em que tecnologias como inteligência artificial, IoT e big data são aplicados à produção, é essencial para elevar a produtividade do setor industrial brasileiro.

“Fazemos parte desse esforço para recuperar a indústria como um todo”, diz Patullo.

Criado em 1973, o PECE-Poli oferece cursos voltados à especialização, ao aperfeiçoamento profissional e ao mercado.

As aulas acontecem na Cidade Universitária, fora do horário de expediente. As turmas presenciais costumam ter cerca de 30 alunos.

Cerca de 2 mil alunos passam anualmente pelos cursos do programa. Mais de 30 mil profissionais já foram qualificados pelo PECE-Poli.

Os cursos do programa são pagos.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

São Paulo ficou em primeiro lugar entre as cidades com frequência de eventos para empreendedoras / Divulgação

São Paulo é a 42ª cidade para mulheres empreendedoras

São Paulo está entre as 50 melhores cidades para mulheres empreendedoras, segundo o estudo 2017 Women Entrepreneur Cities Index (WE Cities), da Dell. Somente duas cidades da América do Sul entraram na lista: São Paulo, em 42.º lugar, e Lima, em 46.º. No ano passado, São Paulo teve um colocação[…]

Leia mais »
Rede social: Venturus aposta em projetos de casa conectada / Divulgação

Você está pronto para a rede social das coisas?

Na casa conectada, os equipamentos vão trocar informações e formar uma verdadeira “rede social das coisas”, na visão do Venturus, centro de pequisa e desenvolvimento localizado em Campinas. Marcelo Abreu, gerente executivo do Venturus, acredita que essa rede social mostrará, por exemplo, quais eletrônicos trabalham bem juntos, o que ajudará,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami