inova.jor

inova.jor

Como combater o discurso de ódio na internet

O combate ao discurso de ódio foi um dos principais temas do Dia da Internet Segura / Renato Cruz/inova.jor / Renato Cruz/inova.jor
O combate ao discurso de ódio foi um dos principais temas do Dia da Internet Segura / Renato Cruz/inova.jor

Desde 2006, a SaferNet Brasil recebeu mais de 2 milhões de denúncias de crimes de ódio. A ONG promoveu hoje (6/2), em parceria com o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), a 10ª edição brasileira do Dia Mundial da Internet Segura.

O tema da campanha deste ano é “Crie, conecte e compartilhe respeito”. O combate ao discurso de ódio na internet foi um dos principais temas do evento realizado em São Paulo.

A SaferNet define discurso de ódio como “manifestações que atacam e incitam ódio contra determinados grupos sociais baseadas em raça, etnia, gênero, orientação sexual, religiosa ou origem nacional”.

A ONG é responsável pela Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos, em parceria com a Polícia Federal e o Ministério Público.

Liberdade de expressão e dignidade

Walter Rothenburg, procurador regional da República, deu exemplos concretos de manifestações de discurso de ódio no Brasil.

Numa página antitabagista na rede social, um participante comentou: “Não fumo porque o cigarro deixa o meu pulmão preto, e de preto eu quero distância”.

“O discurso de ódio pode surgir onde menos se espera”, afirmou Rothenburg. Uma página com mensagem positiva, a favor da saúde das pessoas, recebeu comentário que expressa discriminação étnica.

Outra página defendia a descriminalização (legalização) do estrupo. “Ela trazia até instruções sobre como cometer uma violência sexual”, disse o procurador, citando um trecho do texto.

A questão é delicada, pois contrapõe direitos fundamentais, como liberdade de expressão e defesa da dignidade humana. “Deve haver mais tolerância no campo artístico”, exemplificou Rothenburg.

A Justiça brasileira considera a liberdade de expressão um direito preferencial, que se sobrepõe a outros.

Recentemente, os tribunais negaram pedido de liminar do Ministério Público de São Paulo para impedir que o bloco Porão do Dops 2018 saia às ruas.

O bloco, que tem página no Facebook, homenageia torturadores da ditadura militar.

Contranarrativas

Para combater o discurso de ódio, o SaferLab, da SaferNet, criou um concurso para produzir contranarrativas, conteúdos que estimulem o diálogo, o respeito e a diversidade.

Podem participar jovens de 16 a 25 anos, que vão concorrer a bolsas de R$ 1,5 mil a R$ 20 mil para colocar suas ideias em prática. As inscrições vão até 1º de março.

O SaferLab também publicou um guia para ensinar a criar contranarrativas. Entre as boas práticas estão buscar entender o outro, evitar a lógica do nós contra eles e não bancar o justiceiro nas redes sociais.

A iniciativa do SaferLab recebeu apoio de youtubers como Murilo Araújo, do canal Muro Pequeno. Ele é gay, negro e católico, e muitos consideram ser gay e católico uma contradição.

“Acabo tomando porrada de todo lado”, disse Araújo. “Mas as pessoas não podem se prender a estereótipos.”

Silvana Helena Bahia, do Olabi e do PretaLab, aponta que o racismo no Brasil é estrutural.

“Não é somente quando xingam alguém de macaco”, afirmou. “Ele se manifesta quando entramos na universidade e não encontramos nenhum professor negro.”

O PretaLab é um projeto para mapear a participação de mulheres negras e indígenas em tecnologia e inovação. “Nossa pesquisa já recebeu mais de 600 respostas”, apontou Bahia.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

WannaCry explora vulnerabilidade que já era conhecida da comunidade de segurança / Creativity103/Creative Commons

WannaCry é ponto de inflexão na indústria de segurança

Como já é de amplo conhecimento público, o código malicioso WannaCry atingiu escala mundial, afetando, até o momento desta analise, cerca de 200 mil sistemas em mais de 150 países. Desse total, a Rússia aparece como o pais mais afetado, com 113.692 sistema, e o Brasil é o quinto da lista, com[…]

Leia mais »
Mark Zuckerberg, do Facebook, foi convidado a falar no Senado dos EUA sobre os Trending Topics / Divulgação

Como o Facebook escolhe as notícias que você lê

No começo do mês, o Facebook foi acusado de manipular informações ao não publicar textos de inclinação conservadora no Trending Topics, ferramenta que apresenta notícias e tendências na rede social, ainda não disponível no Brasil. Mark Zuckerberg, presidente do Facebook, recebeu uma carta e foi chamado a ir ao Senado[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami