inova.jor

inova.jor

Fábio Gandour, da IBM: ‘É preciso aprender a fazer a pergunta adequada’

Fábio Gandour, cientista-chefe da IBM Brasil, vai se aposentar na segunda-feira (12/2). Ele conversou com o inova.jor a respeito de sua trajetória e sobre a preparação de profissionais para o mercado.

Médico de formação, Gandour liderou o esforço que culminou na instalação de um laboratório de pesquisas da IBM no Brasil, em 2010.

Segundo o executivo, o laboratório foi resultado da convergência de diversos fatores, tendo como catalisador o bom momento que vivia o país.

Em 2009, a revista britânica The Economist havia publicado uma capa em que mostrava o Cristo Redentor decolando, para retratar a expansão da economia brasileira.

“Nesse cenário, ficou claro que tínhamos uma oportunidade única de trazer para o Brasil a presença oficial da IBM Research Division”, disse Gandour. “Trabalhamos em silêncio, até ter um objeto de discussão, que eu mesmo levei à corporação. Quando expliquei a intenção de implantar no Brasil um laboratório que praticasse o modelo de ciência como negócio, essa ideia chamou atenção.”

O laboratório tem operações em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Computação cognitiva

Gandour destacou a importância de ensinar aos estudantes brasileiros a trabalhar com computação cognitiva, para formar bons profissionais para o mercado de tecnologia.

“Um bom caminho é treinar a mão de obra que vai trabalhar no país para conviver com um tipo de ferramenta capaz de produzir cognição automática”, afirmou. “Nossos estudantes vão ao engenho de busca e recebem uma resposta toda estruturada. Eles usam aquela resposta do jeito que ela vem e se satisfazem com isso. Seria preciso educar os estudantes de tal maneira que eles pudessem fazer a pergunta adequada.”

Com a aposentadoria, Gandour planeja trabalhar em projetos relacionados à saúde e à sustentabilidade.

Para saber mais, acompanhe a entrevista em vídeo de Fábio Gandour, da IBM Brasil, ao inova.jor.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Internet: Interfaces de voz, como o Echo, da Amazon, é uma das principais tendências / Rob Albright/Creative Commons

Quando as máquinas aprendem a conversar de verdade

Máquinas que entendem comandos de voz já viraram lugar comum, mas os sistemas de inteligência artificial ainda não são capazes de participar de uma conversa de verdade, como o C-3PO, de Star Wars (ou o HAL 9000, de 2001, para dar um exemplo não tão benigno). A Amazon quer mudar isso, e[…]

Leia mais »
O Watson, sistema de computação cognitiva da IBM, editou um trailer para o filme 'Morgan' / Reprodução

E quando robôs forem capazes de fazer o seu trabalho?

Há algumas décadas, os robôs começaram a substituir humanos nas fábricas, assumindo tarefas repetitivas e de risco. Com o avanço da inteligência artificial, máquinas tornam-se cada vez mais capazes de realizar trabalhos intelectuais especializados. Um exemplo disso é o trailer do filme Morgan feito pelo Watson (disponível abaixo). A plataforma de computação cognitiva da[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami