inova.jor

inova.jor

Brasileiros preferem biometria a senhas

Biometria: A Visa lançou em 2017, com o Banco Neon, autenticação por selfie e digital / Divulgação
A Visa lançou em 2017, com o Banco Neon, autenticação por selfie e digital / Divulgação

Pesquisa da Visa, em parceria com a AYTM Market Research, apontou que 89% dos brasileiros consideram a biometria mais fácil de usar do que senhas.

Os entrevistados no Brasil também apontam tecnologias biométricas como mais rápidas (85%). A biometria inclui impressão digital, voz, reconhecimento facial e digitalização ocular.

Seis em cada dez brasileiros usam leitura de impressão digital regularmente.

Quarenta e oito por cento consideram a biometria mais segura que senhas, enquanto 46% acreditam que a tecnologia pode ajudar a eliminar a necessidade lembrar várias senhas.

A pesquisa apontou que 98% estão interessados em usar pelo menos uma tecnologia biométrica para verificar sua identidade. O mesmo percentual também quer utilizar pelo menos um método biométrico em pagamentos.

Impressão digital

As principais tecnologias que os entrevistados têm interesse em utilizar são:

  • leitura de impressão digital (63%);
  • escaneamento ocular (42%); e
  • reconhecimento facial (41%).

A impressão digital também é o método percebido como mais seguro e confortável pelos consumidores.

Os entrevistados consideram o banco a instituição mais confiável para armazenar seus dados biométricos (71%), seguido da empresa de tecnologia de pagamento eletrônico (49%).

No ano passado, a Visa lançou no Brasil, com o Banco Neon, um serviço de identificação por selfie e digital.

A pesquisa ouviu mais de 10 mil pessoas em 17 países.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Loucomotion assina sistemas da Autodesk para criar imagens de veículos

Como o modelo de assinaturas muda o mercado de software

Não é fácil mudar de modelo de negócios. A Autodesk, cujo produto mais famoso é o software de projetos Autocad, anunciou hoje que, no Brasil, deixará de vender licenças permanentes a partir de 31 de janeiro de 2016. A empresa já prepara há dois anos a transição para o modelo de[…]

Leia mais »
Marcas: A MullenLowe Profero acaba de abrir um escritório no Brasil / Divulgação

‘Marcas precisam parar de interromper o consumidor’

As marcas precisam parar de interromper os consumidores para começar a ajudá-los. Essa é a opinião de Aaron Reitkopf, presidente para as Américas da agência digital MullenLowe Profero. Ele participou na semana passada de um evento em São Paulo, e conversou com o inova.jor sobre os desafios da comunicação digital, principalmente em tempos economicamente[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami